Dirty Projectors: Uma Imagem Distorcida de Si Mesmo

Para onde vai David Longstreth na nova fase da banda?

Dirty Projectors: Uma Imagem Distorcida de Si Mesmo
Shawn Brackbill

Dirty Projectors é um daquelas bandas fáceis de reconhecer e difíceis de explicar. “Art Pop” talvez seja um termo interessante para transmitir uma ideia daquilo que a banda é, pois, na mesma medida em que a arte, a música do grupo parece em constante expansão, exigindo definições de seus contornos apenas para ultrapassá-los.

A verdade é que o grupo norte-americano liderado por David Longstreth é uma amálgama complexa de técnicas, estilos, referências e sentimentos. Recentemente, após um hiato de cinco anos, a banda anunciou seu próximo trabalho, o oitavo de sua carreira, intitulado Dirty Projectors. O fato de a banda renasça após uma crise, e assuma, pela primeira vez, o seu nome próprio como título de um álbum, nos faz querer repensar a trajetória do grupo até aqui, para, assim, tentarmos descobrir qual pode ser o teor do novo lançamento.

Tudo começou (oficialmente, ao menos) em 2003, com The Glad Fact, um álbum que, ao lado de seus sucessores Morning Better Last! e Slaves' Graves and Ballads forma a “triologia suja” da banda. Neste momento, a voz potente de Longstreth lidera um cenário
Lo-Fi e caótico de música descontruída. Algo como se John Frusciante em seu Niandra Lades... antecipasse o Kid A Radioheadiano.

Uma característica marcante da sonoridade de Dirty Projectors está nas melodias fragmentadas, anti-intuitivas e na colagem improvável de elementos que formam uma cama harmônica complexa. Imagine um acorde separado no espaço de uma música, com algumas de suas notas soando no contratempo. Essa técnica, chamada hocketing (veja abaixo um vídeo de Meredith Monk que exemplifica a ideia), é uma das marcas registradas do processo de composição da banda. A pano de fundo de notas dissonantes que se complementam em seus espaços vazios, pode ser reconhecida das melodias dos backing vocals da banda.

Os álbuns Bitte Orca e Swing Lo Magellan marcam a assinatura da banda com o selo Domino Records e a consagração da banda no cenário Indie. O som do grupo passa a ser mais límpido e contar com uma produção arrojada. Apesar de se aproximar mais do público, Bitte Orca ainda pode soar como um esforço construtivo para ouvidos desacostumados. Swing Lo Magellan, por sua vez, composto em um retiro bucólico, baixa sua guarda conceitual e abre espaço para canções intimistas. É um álbum de canções, e não mais um álbum sobre canções. O filme Hi Custodian foi feito como um complemento conceitual deste último.

O intervalo de tempo entre os shows de Swing Lo Magellan e o anúncio de um novo trabalho, marca o término de relacionamento entre Longstreth e Amber Coffman, aquela que fora sua companheira - e o contraponto musical - na banda. Por isso, não surpreende que aquela energia explosiva e ansiosa - “uma cabeça cheia de ideias que o corpo tenta acompanhar” - de outrora tenha sido substituída por uma cadência melancólica. Na capa do novo projeto, vemos uma cortina fechada de veludo azul.

O que surpreende, talvez, seja que a nova abordagem tenha aproximado Dirty Projectors ainda mais daquilo que conhecemos como Pop Alternativo. Um flerte já fora detectado anteriormente, em outro sentido, quando Solange fez sua própria versão da faixa Stillness Is The Move ainda em 2010; no entanto, agora é Longstreth quem se aproxima da pegada R&B de A Seat At The Table, ou mesmo de Frank Ocean em sua nova fase.

Com o peso de uma trajetória musical que já ultrapassa os quinze anos, Longstreth parece querer, cada vez mais, abandonar o hermetismo acadêmico de sua música em favor de uma conexão mais generosa com o público. O renascimento da banda após uma crise pessoal parece apontar justamente neste sentido.

Artista: Dirty Projectors

Marcadores: Redescobertas