Angel B: "Música tem que ter muito a ver com você, com o que você quer passar pro público"

Artista paulistana radicada em Los Angeles apresenta seu Pop feminista

Angel B: "Música tem que ter muito a ver com você, com o que você quer passar pro público"

A história de Angel B é sobre empoderamento, visto que ela foi promovida de figurante a estrela principal ao longo de sua carreira, depois de se mudar da São Paulo onde nasceu para a Los Angeles onde, dizem, os sonhos acontecem - e pelo menos com ela tem sido assim, como fruto de muito trabalho e um portfólio extenso.

Em São Paulo para uma temporada de shows, incluindo participações em eventos sobre a diversidade de gênero, a artista visitou a redação Monkeybuzz para contar um pouco de sua trajetória, que a levou para os palcos de nomes como Kanye West, Janelle Monáe, Pharrell Williams e Snoop Dogg, com quem passou o último ano em turnê - tudo isso nas funções de dançarina e coreógrafa, trabalhos que fizeram seu nome começar a acontecer na Califórnia, onde ela decidiu percorrer a ambição de fazer a vida também como cantora.

"Dançar era minha zona de conforto", conta a paulistana, "agora eu tenho focado mais na música. Tive que fazer essa decisão, de deixar a dança para meus shows e clipes". "Eu sempre fiz música de maneira independente, mas não estava focando só naquilo, então me conheceram mais como coreógrafa", explica, completando que, nos últimos tempos, "estou conseguindo meu espaço e o pessoal está reconhecendo".

Ela conta que cresceu ouvindo Pop e Hip Hop ("essas são a minha base"), daí a predileção por trabalhar nos limites desses territórios - rendendo, inclusive, comparações a nomes como Tinashe. "A música tem que ter muito a ver com você, com o que você quer passar pro público", conta ela, "dá para ver bastante a minha personalidade nas minhas composições". Ao pensar sobre o que quer dizer, ela diz sempre acabar voltando para as questões feministas, até mesmo pelas experiências que teve ao ser tratada como um objeto sexual por estar no palco - e o single Don't Touch It deixa isso claro.

Com o empoderamento como argumento principal de suas músicas, Angel tem também suas origens brasileiras presentes em seu trabalho, para além do berimbau presente em sua FOH. "Eu tenho tentado explicar isso para os produtores de lá", ela comenta, "mas é difícil entender o que é a realidade brasileira sem ter vivido isso". Nos planos futuros, estão mais músicas em português e mais parcerias com artistas daqui.

"Eu sou a mesma de quando fui embora, só que com mais experiência e mais centrada naquilo que eu quero fazer", conta ela, que explica que estar cercada de pessoas criativas, como Snoop Dogg, teve seu papel em um amadurecimento como artista. "Eu presto atenção em tudo, na produção, em como o artista se comporta e trata as pessoas, tudo é um aprendizado", comenta, "e você começa fazendo aquela fórmula pra dar certo, depois você vai criando sua identidade também".

"Acho que mostro bem quem eu sou", explica a cantora, "sou eu quem me visto do jeito que eu quero (risos), essa sou eu. Na música, nas minhas letras, no meu estilo… acho que tem sido bem claro quem é Angel B".

Artista: Angel B

Marcadores: Conheça, Entrevista