L_cio e "Poema", Sua Melhor Amiga

Produtor e instrumentista lança primeiro álbum em 12 anos de carreira pela DOC Records

L_cio e "Poema", Sua Melhor Amiga
Danila Moura

Nem ouse ficar de bobeira no portão de casa quando Poema estiver nos arredores. Basta uma piscadela, e pronto. A cachorrinha intrépida é capaz de sair porta afora e ainda dar uma bela volta no quarteirão. E você nem se deu conta do fato de que ela não está no mesmo lugar. Esta figura, que não poupa fofurice, ganhou homenagem à altura da amizade cultivada ao seu dono, no caso, L_cio.

L_cio

Após doze anos de pistas, o músico deu luz ao primeiro álbum, intitulado Poema, no qual pulsam oito faixas lançadas no selo DOC Records, capitaneado pelo produtor Gui Boratto em parceria com a label alemã Kompakt. “Eu escolhi este título por causa dela, mas também pelo significado da palavra poema em si, acho que tinha a sintonia certa”, afirma à reportagem do Monkeybuzz.

Do inferno sonoro da região do Minhocão, no centro de São Paulo, metralhado por buzinas de automóveis, ao reduto de uma verdadeira “orquestra de pássaros” na região da Lagoa, em Florianópolis, a cachorrinha se manteve fiel com as orelhinhas em pé. Ninguém viu tão de perto a elaboração do álbum quanto Poema, acompanhante do produtor pelas mudanças de endereço entre paisagens e contextos antagônicos durante todo o processo de gravação, feito desde 2017.

Sem raça definida, a companheira de oito anos é chegada num sanduíche integral de forno recheado com frios. Simpática, faz pose para fotos. Porém, nunca invente de aproximar o rosto muito perto da cara dela. “Vixe, a Poema detesta. Até com a DJ BLANCAh ela já deu umas estranhadas por causa disso, e mais uma coleção de amigos”, brinca L_cio.

Mas se poema também significa comover, o trabalho do músico acerta em cheio ao despertar variados sentimentos. Há tanto espaço para fritação de after quanto para sons mais Ambient no repertório, marcado pela melodia da flauta transversal, como era de se esperar... ou não. Algumas faixas fogem desta expectativa.

O exemplo maior desse sortimento está nas versões de Canto: uma calculadamente ideal para fazer render a brisa do dancefloor, outra mais conceitual e melódica. “Eu quis mostrar um pouco das minhas influências nesses 12 anos, e também um pouco das sonoridades diferentes que me instigam. Tenho outros lados além da música de festa”, comenta Laercio.

Mais um torpedo é Forte, Techno rápido, intenso, que ganhou um videoclipe assinado pela direção impecável de Daniel Wierman.

A arte do álbum é de autoria do Estúdio Margem, o mesmo coletivo de design que faz a parte visual da festa Mamba Negra.

E sentir na pele (ou no pelo) a mudança de ambiente não é exclusividade da Poema. O disco também guarda resquícios, como o áudio captado do trânsito de São Paulo, na faixa Poema, ou o rufar de uma fauna de aves típicas de Floripa em Lagoa. “Ambos os registros eu fiz gravando da janela de casa. É muito louco perceber as mudanças que tive em pouco tempo”, reflete o artista. Mais doido mesmo é sacar a forma como ele fez o caos e a amplitude se transformarem igualmente em música.

Artista: L_cio

Marcadores: Lançamento, Eletrônica