O Terno: “Temos a oportunidade de mostrar o show mais atual da banda”

Baterista do trio comenta sobre futuro álbum e expectativa de voltar ao Lollapalooza depois de três anos

Por Ana Laura Pádua, 07/03/2018, às 17:34

Fotos: Christian Faustus

"Estamos com uma expectativa alta... é um show grande que a gente sabe a importância que tem. Depois de quase três anos, estamos de volta ao festival juntos de um trio de metais... Dá uma ansiedade boa, podemos mostrar o nosso show mais atual", disse Biel Basile que, em 2015, tinha acabado de se juntar ao trio paulistano O Terno. "Aquele show do Lollapalooza acho que foi o meu primeiro com a banda em São Paulo. O momento agora é diferente, por mais que o friozinho na barriga seja o mesmo, sabe? Mas esse sentimento é super saudável, de se preocupar em ir lá e mostrar o melhor show possível que podemos fazer."

O trio de metais fez parte da gravação do mais recente trabalho da banda, Melhor do Que Parece (2016), e tem acompanhado o grupo durante algumas turnês. Esses três sopros se unem para deixar a performance mais parecida com as originais do disco e, de quebra, dão cara nova às faixas mais antigas. "Com certeza, ficamos mais tranquilos e o som se torna mais colorido. Por exemplo, a faixa Ai Ai Como Eu Me Iludo ganhou um arranjo que é bem diferente do original do segundo disco (O Terno, 2014)", explica o baterista.

Inclusive, além de estar em várias listas de melhores do ano de 2016 (ocupou o segundo lugar na do Monkeybuzz), foi nesse lançamento que o grupo conseguiu atingir um público mais abrangente, até para além de terras brasileiras. "Fomos para Portugal e o show estava lotado com um monte de gente cantando todas as letras. É muito doido isso".

Neste intervalo de 2016 até hoje, Tim Bernardes, compositor e vocalista d'O Terno lançou seu primeiro álbum solo, Recomeçar (2017), feito inteiramente por ele – além de escrever todas as letras, também tocou quase todos os instrumentos. Os sons de Bernardes têm personalidade própria. Em geral, o caminho trilhado por ele vem com uma densidade sentimental de fácil identificação – não só para o público, mas também pelos membros da banda. "De certa maneira, quando o Tim fala sobre essas coisas [ilusão, culpa, superação, etc.], sinto que não está falando só por ele. A sua antena capta muito sobre a nossa geração e o que a gente vive dia a dia".

Mas vocês devem estar se perguntando: O que 2018 reserva para O Terno? Bom, o trio já prepara um novo disco, fazendo alguns arranjos e testes. "Aos poucos, o álbum vai ganhar uma cara e aí conseguimos falar com mais propriedade de como vai ser", adianta Biel com entusiasmo. "Por enquanto, o que eu posso dizer é que as composições que o Tim tem mostrado para a gente são maravilhosas, incríveis, e está sendo muito gostoso trabalhar em cima delas. Em breve, estará tudo pronto".

O Terno se apresenta no sábado, 24 de março, às 16h10 no Palco Axe.

mais sobre