Unknown Mortal Orchestra - Sex & Food

Unknown Mortal Orchestra - Sex & Food
  • Ano: 2018
  • Selo: Jagjaguwar
  • Produção: Unknown Mortal Orchestra
  • # Faixas: 12
  • Estilos: Indie, Psicodélico
  • Duração: 43
BBBBa

Unknown Mortal Orchestra, projeto liderado pelo neozelandês Ruban Nielson, foi um dos mais representativos da transição que o Indie sofreu na virada da década, sendo o responsável por aclimatar os ouvidos do público alternativo, acostumados a uma música mais enguitarrada, em direção aos timbres esquisitos da Psicodelia - vertente que, como sabemos, se tornou a sensação ao longo dos anos 2010.

Sex & Food, quarto álbum do grupo, vem como uma espécie de antítese de seu antecessor, não tanto pela estética, que continua a seguir mais ou menos as mesmas fórmulas de composição que Nielson sempre trabalhou, mas mais no lado conceitual. Para quem não sabe Multi-Love foi um álbum criado por conta de um poli-romance vivido entre Nielson, sua esposa, e uma jovem dezoito anos de idade.

A sensação que se tem é que o artista se sentiu muito exposto e agora preferiu voltar para dentro de si mesmo, utilizando novamente temas mais enigmáticos em suas composições. Acontece com isso, de um jeito meio sem querer, a tomada de um rumo mais generoso: se o álbum anterior quis direcionar a leitura do público por um caminho específico, Sex & Food faz um esforço para garantir a liberdade de impressões do público em relação ao trabalho.

O título Sex & Food dá a entender que este álbum trata das paixões mais primordiais da humanidade, ou seja, que o trabalho se preocupa em ser mais imediato, mais fervoroso talvez e, quem sabe, mais desencanado em relação a sua proposta musical. Há um tom político rarefeita, percebida principalmente na faixa American Guilt, mas dificilmente poderíamos classificar este como um trabalho anti-Trump, como tem sido com inúmeros dos discos contemporâneos cantados em inglês.

É possível perceber a assinatura artística de Nielson por aqui, que consiste de músicas compostas no violão, ornadas com esquisitices esporádicas - um intervalo harmônico estranho aqui, um timbre abrasivo acolá. Em geral as faixas funcionam como belas canções, bastante convencionais até, como se a Psicodelia por aqui não fosse algo estrutural, mas apenas uma roupagem chamativa.

Embora tenha sido um grandes articuladores da onda psicodélica que dominou o Indie nos últimos anos, é estranho como Sex & Food parece ficar um pouco atrás das proposições sonoras vindas de outras bandas - caso de Tame Impala, cuja timbragem tão característica salta aos ouvidos já nos primeiros segundos de audição. No entanto, a vibe do Funk Disco, o ponto mais alto do trabalho, ajuda no andamento fluído da sequência de faixas e rapidamente diluem os possíveis incômodos de um público mais exigente.

Sex & Food foi um álbum feito “ao contrário”: de acordo com Nielson, primeiro veio o nome, em seguida a capa e, somente a partir daí, as músicas. Ou seja, sexo e comida vêm como forças dinâmicas, capazes de articular uma expressão criativa a partir do zero. Se, por um lado, não espanta a ausência de um conceito em Sex & Food, faz todo sentido que este apele ao lado mais dançante para envolver o seu público.

(Sex & Food em uma música: Hunnybee)

Bom para quem ouve: Tame Impala , King Gizzard & The Lizard Wizard , HOMESHAKE

Artista: Unknown Mortal Orchestra

Marcadores: Psicodélico, Indie