A beleza imagética de Portugal, The Man

“In the Mountain in the Cloud” produziu alguns dos melhores clipes do grupo

1,855 total views, no views today

Sabe aquele disco lançado há algum tempo que você carrega sempre com você em iPod, playlist e coração, mas ninguém mais parece falar sobre ele? A equipe Monkeybuzz coleciona álbuns assim e decidiu tirar cada um deles de seu baú pessoal e trazê-los à luz do dia. Toda semana, damos uma dica de obra que pode não ser nova, mas nunca ficará velha.

In the Mountain in the Cloud

A descoberta de In the Mountain in the Cloud para mim não foi nada fora de época, mas certamente a descoberta da banda que o produziu o foi. Ter acesso à música de Portugal , The Man significou para mim primeiramente assistir o clipe de Sleep Forever e ficar absurdamente maravilhado com àquelas narrativas visuais e sonoras que me eram apresentadas em algum programa da MTV que já não me recordo mais o nome. Foram quase 13 minutos de uma experiência de imersão naquele universo desesperador do vídeo, que logo ao acabar me impulsionou a ir buscar na Internet mais sobre aquele grupo, até então desconhecido por mim, e sobre aquela obra do qual fazia parte – e que seria lançado dali a alguns dias, se minha memória não falha.

Lembro que os dias que seguiram após essa primeira exposição foram de um mergulho intenso na discografia do grupo e descoberta de diversos de seus álbuns antigos – alguns deles, como Waiter: You Vultures (2006) e Church Mouth (2007), que me despertaram certa curiosidade, por mostrar um som bem diferente, algo mais próximo o Rock Progressivo do que do Rock Psicodélico que a banda mostrava em seus últimos registros. Porém o que Sleep Forever me indicava, era que o disco seguiria um caminho mais próximo a American Ghetto, lançada um ano antes.

19 de junho de 2011 marcou a chegada de In the Mountain in the Cloud, que foi um tiro certeiro em conquistar novos adeptos – ganhando boas críticas nas resenhas e certo destaque com um novo público, que assim como eu, havia descoberto há pouco tempo. Muito disso veio também da maior acessibilidade da obra em relação às antigas e, é claro, da sua qualidade ímpar de trazer elementos psicodélicos a um terreno mais Pop e mundano. E vale lembrar que na época, o maior sinônimo de psicodelia Pop era talvez o MGMT, grupo que se desgastava com seu segundo álbum, Congratulations.

Nos meses seguintes, surgiram novos clipes para continuar a promoção do disco. O primeiro deles, So American, passou batido por mim, com sua narrativa mais simples focada em imagens da banda. Já com o vídeo para All Your Light a história foi outra. Sabe aquele sentimento de perplexidade que eu descrevi quando vi Sleep Forever na TV? Com ele foi quase a mesma coisa. Música e imagem colaboram um com o outro para mostrar uma narrativa bizarra de horror bastante instigante.

E se os dois anos que separam o lançamento de In the Mountain in the Cloud para o de Evil Friends mudaram mais algumas coisas no som do grupo, certamente não mudaram sua habilidade em criar clipes visualmente interessantes e que servem como anzol para novos ouvintes serem fisgados pela sua música.

1,856 total views, 1 views today

MARCADORES: Fora de Época

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts