A estreia inigualável de Gorillaz

Primeiro projeto paralelo de Damon Albarn foi um dos mais bem sucedidos do começo da década passada

 4,093 total views

Sabe aquele disco lançado há algum tempo que você carrega sempre com você em iPod, playlist e coração, mas ninguém mais parece falar sobre ele? A equipe Monkeybuzz coleciona álbuns assim e decidiu tirar cada um deles de seu baú pessoal e trazê-los à luz do dia. Toda semana, damos uma dica de obra que pode não ser nova, mas nunca ficará velha.

Gorillaz – Gorillaz (2001)

Se você tem hoje seus vinte e poucos anos, é praticamente impossível não reconhecer o clipe de Clint Eastwood, primeiro single de Gorillaz, que passava em tudo que é lugar durante todo o ano de 2001.

Essa foi a primeira amostra de um (super) grupo que chamava a atenção na época por três motivos: a presença de Damon Albarn, ser uma banda virtual e ter um universo musical tão rico e expansivo.

Damon foi uma figura importantíssima dos anos 90 (um dos grandes expoentes do Britpop) e ainda se mantinha bem popular no começo do novo século. É verdade que tanto Blur quanto o movimento no qual a banda estava inserida não iam muito bem na época, porém o músico ainda parecia ser um queridinho dos tablóides e se mantinha como um fenômeno midiático. E, é claro, os inúmeros rumores sobre o fim, separação, hiato e brigas que rondavam seu grupo só ajudavam Albarn a não sair da mídia, mesmo que não fosse por motivos somente musicais.

Mas não é só Albarn que recebia todas as atenções do novo grupo. Jamie Hewlett, artista inglês por trás dos quadrinhos Tank Girl, foi o co-criador de Gorillaz e inventor dos personagens estranhos que davam cara à banda. Cada “músico” do quarteto tinha seu histórico e personalidade bem definida e vivia em um universo próprio muito criativo e rico. Fora os clipes, a identidade visual da banda foi explorada de diversas maneiras, trazendo esse universo 2D aos shows e apresentando um “kit multimídia” no CD (contendo jogos e uma séries de vídeos extras e papeis de parede).

Sabendo explorar esse universo como ninguém, Gorillaz tinha em suas mãos uma fórmula renovada de banda virtual (que já não era nenhuma novidade no começo dos 2000). O clipe de Clint Eastwood, por exemplo, se tornou na época tão popular por trazer uma série de referências à Cultura Pop de um jeito muito divertido e muito autêntico. Passando pelos Bang Bangs de Sergio Leone (muitos deles protagonizados pelo ator que dá nome à canção e apresentando uma melodia muito semelhante ao tema de Três Homens em Conflito), pelo clipe de Thriller, de Michael Jackson, e referenciando ainda ao filme Despertar dos Mortos, de George A. Romero, o clipe se mostrava tão expansivo quanto à própria música do grupo.

O terceiro ponto da tríade se apoia na “salada musical” apresentada neste disco. Dan “The Automator” Nakamura, nome conhecido na época por ter produzido o disco homônimo do supergrupo de Rap Deltron 3030, foi um dos responsáveis por Gorillaz se tornar o que é. Ele, juntamente a Albarn, tentou traduzir o universo criado por Hewlett em música e o resultado foi simplesmente incrível. Há muito do Rap, Dub, Hip Hop, Reggae, Música Latina, Britpop, Punk e Psicodelia se encontrado em faixas divertidas, espontâneas e cheias de vida. A identidade da banda é exatamente essa mistura sem um eixo principal, por mais que o “Pop” esteja em evidência em grande parte das músicas e torne o disco extremamente fácil aos ouvidos do público em geral.

Apesar de singles bem, digamos, Pop, o restante do álbum explora os mais variados estilos: Re-Hash e 5/4 trazem um pouco do Britop de Damon, New Genius (Brother) apresenta algo próximo de um Trip-Hop, em Man Research (Clapper) há um pouco de uma Psicodelia bem Pop, a Música Latina aparece em Latin Simone (Que Passa Contigo), Dub em Starshine e em faixas como Punk e M1 A1 há muito do Punk. Com muito do Rap aparecendo em diversas das músicas, o disco conta com a presença de dois rimadores: Kid Koala e Del Tha Funky Homosapien, que “aparece” como o fantasma no clipe de Clint Eastwood. Completando o time de convidados Miho Hatori, do duo Cibo Matto, faz as vozes e backing vocals femininos do álbum.

Seja por um destes motivos isolado ou por uma combinação deles, o disco se tornou um grande fenômeno no começo dos anos 2000. Por mais que tenha dividido muitas opiniões na época de seu lançamento, o álbum abriu precedentes para Albarn se lançar em uma série de outros projetos paralelos, Gorillaz lançar mais alguns álbuns (sendo Plastic Beach, de 2010, considerado um dos melhores daquele ano) e novamente regar a discussão da interação entre visual e música.

 4,094 total views

MARCADORES: Fora de Época

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts