Acorde: Radiohead, Chico + Milton e Jamilla Woods

Equipe Monkeybuzz cita três faixas que podem “mudar sua vida”

761 total views, no views today

Músicas que despertam qualquer ouvido para beleza, novos sons ou novas ideias, sem datas de validade. Assim é a coluna Acorde.

A cada edição, a equipe Monkeybuzz dá três dicas de faixas capazes de mudar vidas. Duvida?

Radiohead – Weird Fishes/Arpeggi

Aproveitando a vinda de Radiohead ao Brasil em abril, talvez agora seja o momento perfeito de relembrar um dos trabalhos mais importantes da banda. Além de ter uma sonoridade mais “tátil” do que Hail To The Thief e Amnesiac, In Rainbows deixou a indústria musical e a imprensa de cabeça pra baixo. Lembra quando o quinteto britânico entregou nas mãos do público o poder de escolher entre baixar/comprar o álbum de acordo com o preço que achasse justo? Pois é, histórico. Escolho Weird Fishes/Arpeggi porque são duas canções em uma, assim dá pra curtir mais.

(por Ana Laura Pádua)

Chico Buarque + Milton Nascimento – O Que Será (A Flor da Terra)

Vocês também ouvem Chico intencionalmente menos do que gostariam (para não dizer “deveriam”)? É que, sempre que eu paro para escutar alguma coisa, como esta parceria com o também gigante Milton, rola uma reverência intimidadora diante de tanta força lírica – para alguém que escreve, é quase uma rasteira na autoestima. Outra: Não tem como não parar o que se está fazendo para prestar atenção em cada métrica, cada virada de bateria e cada segundo de uma interpretação tão sublime como esta. Não ouço tanto, mas sempre vale a pena se levantar da tal rasteira ainda mais fortalecido/inspirado.

(por André Felipe de Medeiros)

Jamila Woods – Holy

Com um estado mental de autodescoberta, Jamila usa referências religiosas para tratar de uma visão onde o divino é algo encontrado individualmente dentro de um próprio conforto e/ou aceitação de se estar bem só (e não solitário, como ela enfatiza a diferença). Aceitando as intempéries que com certeza virão, ela escreve uma mensagem de positivismo onde o equilíbrio é de fácil alcance e sem necessidade de elemento externo, mas com um subtexto que o trabalho deve, então, ser de dedicação exclusivamente sua.

(por Leandro Reis)

762 total views, 1 views today

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.