Aquecimento Gop Tun Festival: Octo Octa & Eris Drew

Parceiras no amor e na música, as DJs compartilham dicas e técnicas da arte da discotecagem e falam sobre a relação dentro e fora das cabines

 563 total views

Fotos: Divulgação

Não é nenhuma novidade que relações, amizades e amores podem florescer nas pistas. Às vezes tudo o que você precisa é do momento, música e o lugar perfeito. Mas e numa cabine compartilhada entre DJs? O que é preciso para uma conexão explosiva? É só chegar e tocar? A fusão perfeita em um back2back pode surgir a partir de parcerias que vão muito além da música – casais, familiares, melhores amigos…

Celebrando os 10 anos de Gop Tun, será realizado, no dia 2 de abril, o primeiro Gop Tun Festival, em São Paulo. Com mais de 40 nomes, entre nacionais e internacionais, este é o maior evento já idealizado pelo selo. E o Monkeybuzz preparou um especial de aquecimento que se aprofunda no trabalho, na vida e na parceria desses artistas que vai além das cabines.

Para o último episódio do aquecimento, conversamos com as parceiras no amor e na música, Octo Octa e Eris Drew.

Como e há quanto tempo vocês se conheceram? Como foi a primeira abordagem?

Octo Octa: Nos conhecemos há 5 anos e namoramos quase 4 deles (nosso aniversário é em algumas semanas)! Achei que ela era a garota mais legal que já conheci e começamos nossa jornada juntas no primeiro dia.

Eris Drew: Nos conhecemos quando eu trabalhava em uma das casas noturnas mais famosas de Chicago, o Smart Bar. Eu sabia que ela estava vindo para a cidade e solicitei o emprego porque queria conhecê-la. Imediatamente nos conectamos.

Como é a relação de vocês dentro e fora das pistas de dança?

Octo Octa: Somos inseparáveis. Em Eris eu encontrei minha alma gêmea e parceira musical.

Eris Drew: Divertida, cheia de amor, energia espiritual, partilha e emoção real. Somos igualmente apaixonadas pelo nosso trabalho e uma pela outra.

Ao longo da carreira, o que vocês mais aprenderam uma com a outra?

Octo Octa: Aprendi a ser uma DJ melhor. Eris tem mais experiência como DJ do que eu e sempre quero subir o nível de habilidade quando tocamos. Acho ela a melhor DJ do mundo!

Eris Drew: O céu é o limite se nos unirmos e nos apoiarmos.

Quais fatores musicais foram relevantes para vocês se conectarem?

Octo Octa: Incorporação através da música, usando a música como uma tecnologia de cura e um amor mútuo pela house music.

Eris Drew: Nós amamos house em suas várias formas. E nós amamos discos. Antes do nosso primeiro b2b, muito do nosso tempo foi gasto compartilhando discos.

Qual música te faz lembrar Eris/Octo? Por quê?

Octo Octa: “Disk – The Spirit”. Essa música é completamente dela! O jeito que ela faz a mixagem torna essa uma das músicas mais poderosas que eu já ouvi em um sistema de som.

Eris Drew: Tantas! Minha bolsa está cheia de discos que me lembram dela. Se eu tivesse que escolher um, seria “Always on My Mind”. Quando nos apaixonamos pela primeira vez, tínhamos agendas de turnês intensas que não se sobrepunham, então eu tocava noite após noite e sentia muita falta dela. A mixagem electric funk de “Always on My Mind” sempre me deixou experimentar emoções genuínas com minha pista de dança de uma forma catártica e real. No momento certo, essa música me faz chorar.

O que vocês gostam de fazer juntas fora das pistas?

Octo Octa: Caminhar na natureza, assistir a filmes de ficção científica, falar sobre tudo, comer cogumelos, fazer música e fazer amor.

Eris Drew: Comer cogumelos, ouvir muitos tipos diferentes de música, fazer planos para o futuro, administrar nossa gravadora, fazer música e fazer amor.

Como vocês se organizam para uma apresentação juntas?

Octo Octa: Nós fazemos malas com discos que queremos que a outra pessoa ouça. Nós conversamos através da música. Pensamos em como diferentes músicas vão impactar uma pista de dança. Nós sempre arrumamos nossas sacolas de discos da mesma maneira, uma ao lado da outra.

Eris Drew: Praticamos a mixagem em casa com discos antes dos shows e também ouvimos os discos sem misturá-los para que possamos realmente absorvê-los.

Já aconteceu algum imprevisto durante um b2b? Qual a melhor forma de improvisar e não entrar em pânico?

Octo Octa: Tocar vinil é difícil porque o feedback das gravações pode ser um grande problema. Houve muitas vezes em que tivemos que ajustar os toca-discos para resolver o problema e continuar tocando.

Eris Drew: Haha! Toda vez! Tocamos vinil e sempre pensamos: “qual será o problema desta vez?” Decks retroalimentando, agulhas quebradas, registros pulando, monitores estourados, palcos instáveis etc… Nesses momentos, eu sempre sei que a gente tem uma a outra. Começamos com a solução simplista (substituir os pés do prato giratório, tentar uma nova agulha etc) até que o problema seja resolvido. Não quero decepcionar, então tento manter a compostura e lembrar que todos que vieram nos ver. A batida não deve morrer. Nunca!

Vocês já trocaram tracks/vinil? Quais?

Octo Octa: Eu ouço uma ótima música e fico tipo: “isso é incrível, mas acho que vai soar incrível nas mãos de Eris”. Eu também compro discos e dou como presente.

Eris Drew: Às vezes compramos os mesmos discos ou compramos duplicatas de músicas favoritas uma para a outra. Ocasionalmente eu compro um disco apenas para sentir que é uma ferramenta melhor nas mãos dela porque nós duas temos nossos próprios estilos de tocar. Eu dou essas faixas para ela.

Em um b2b, como vocês escolhem quem vai colocar a primeira e a última música do set?

Octo Octa: Nós alternamos quem começa cada set. Seja um show em um festival de 20 mil pessoas ou tocando b2b em uma loja de discos à tarde; nos apegamos a essa regra.

Eris Drew: Nós nos revezamos no início de cada set. No início, esse processo era simplesmente uma maneira fácil de ser organizada e justa. Agora tem o poder do ritual. A corrente não deve ser quebrada! A última escolha de música se adapta às circunstâncias. Olhamos uma para a outra e o plano se desenrola como o destino diante de nós.

Como vocês organizam as tracks/vinil? Colocam algum tipo de sinalização para facilitar na hora de tocar?

Octo Octa: Organizamos nossos discos por BPM. Eris fez isso por um longo tempo. Eu costumava organizar por gênero, mas achei muito desajeitado porque tocamos de tudo. 

Eris Drew: Nós escrevemos o título da faixa no topo da capa em uma etiqueta para não perdermos tempo tirando discos de nossas malas para saber o que são. Quando você é um DJ de vinil, cada segundo conta. A maioria das músicas de dança é organizada em seções de 16, 32 e 64 movimentos de batida.

Também organizamos por BPM em ordem. Se estivermos tocando a 135 BPM, por exemplo, eu sei que meus discos de 120 BPM não poderão ser acelerados o suficiente para corresponder ao ritmo. A maioria dos toca-discos permite apenas um máximo de 8% mais rápido ou mais lento, então temos que ficar de olho nessa limitação. Uma vez que estamos em uma ou duas semanas de turnê, eu memorizo ​​os BPMs das faixas, então fica fácil encontrá-las rapidamente na minha bolsa. Novamente, o objetivo é executar uma decisão rapidamente e improvisar à medida que avançamos.

Todos os meus discos de scratch e efeitos estão na frente para que eu possa acessá-los a qualquer momento!

Uma memória inesquecível da Eris/Octo?

Octo Octa: O primeiro momento em que a conheci foi inesquecível. Ela abriu a porta da casa da minha amiga para vir me buscar e eu achei ela tão fofa!

Eris Drew: Nossa primeira vez fazendo b2b não foi em casa. Foi em público! Não foi em uma festa, mas em uma transmissão da Lot Radio, em Nova York. Eu estava tão nervosa. Foi como se alguém acendesse um fósforo – a faísca de fogo. Eu nunca experimentei um b2b assim. O resto é história.

O que você mais admira em Eris/Octo?

Octo Octa: Sua criatividade. Ela tem tantas ideias, habilidades e talentos. Eu admiro ela todos os dias.

Eris Drew: Ela é confiável, honesta e sente as coisas profundamente. Admiro sua força e vulnerabilidade, que são dois lados da mesma moeda.

Quais técnicas você mais gosta nas performances de Eris/Octo?

Octo Octa: Embora eu ame seus scratchings, acho que suas mixagens longas e profundas de discos são realmente incríveis. Ela tem uma maneira única de mixar as faixas, que só ela sabe fazer. 

Eris Drew: Eu amo o poder dela por trás de um mixer. Eu costumava ser sempre muito precisa e cuidadosa quando mixava, mas agora estou mais disposta a arriscar e deixar ir. Ela é a DJ mais rock que eu conheço e eu adoro isso. Ela sabe quando ser dura e quando ser suave.

Alguma track inesquecível que Eris/Octo mostrou para você?

Octo Octa: Nino – World Champion (I Feel So Real). Esta foi uma das primeiras músicas que ela tocou para mim quando saímos pela primeira vez.

Eris Drew: The Pure Energy Mix of “You Took My Lovin’” – Total Control feat. Caroldene Black. Ela me surpreendeu com esta logo no início. Information Society era minha banda favorita quando criança, então essa realmente toca em algo profundo e maravilhoso em minha memória.

O que não pode faltar em um b2b? Por quê?

Octo Octa: Respeito mútuo. Quando duas pessoas se respeitam, isso realmente aparece no set.

Eris Drew: Você precisa realmente querer que a outra pessoa tenha sucesso. Se houver competição, a unidade falhará. Somos um corpo por trás dos decks e na vida.

 564 total views

MARCADORES: Gop Tun Festival