Cadê – Cazuza – Só Se For A Dois (1987)

Disco do cantor é quase sempre ofuscado por outros portadores de maiores hits

 5,266 total views

Nem sempre Cazuza foi chamado de “poeta”, “mito”, “exagerado” ou qualquer outra nomeação hiperbólica, fato tão comum e inescapável quando lemos algo sobre sua carreira e seu fim tão triste e abrupto. Houve tempo em que Cazuza era apenas um integrante do Barão Vermelho ou, mais ainda, um ex-vocalista de banda, em busca de um caminho só seu, dada a circunstância de seu carisma ter ultrapassado as fronteiras às vezes pequenas e limitadoras de uma banda de Rock. Poucos sabem que Cazuza foi o último integrante a fazer parte do nascente grupo carioca, que ensaiava na casa do tecladista Maurício Barros, durante as tardes do início dos anos 80. Leo Jaime, então conhecido como Leo Guanabara, recebera o convite para integrar o Barão, mas declinara e decidira colocar Frejat, Guto, Mauricio e Dé em contato com seu amigo Cazuza, que ele conhecia das noites do Baixo Leblon e do grupo de teatro Asdrúbal Trouxe o Trombone. Quando o quarteto ouviu os vocais derramados e intensos de Cazuza, descobriu que havia encontrado o frontman que tanto buscara.

Em 1985, logo após o Rock In Rio, Cazuza deixou a banda. Teve uma carreira vitoriosa à frente do Barão, cravara hits eternos do Rock oitentista como Beth Balanço, Maior Abandonado e Pro Dia Nascer Feliz mas era hora de seguir sua trajetória solo. O primeiro disco, Exagerado, lançado pela Som Livre ainda em 1985, teve na faixa título um hit nacional, parceria com Leoni, então egresso do Kid Abelha. Além dela, Codinome Beija-Flor também cravou a imagem de um Cazuza entre o furioso e o lírico, sempre caracterizado pela dicotomia e pela oscilação. Medieval II, Mal Nenhum (com Lobão) e Só As Mães São Felizes também fizeram bonito neste primeiro disco, mas o ápice viria com o trabalho seguinte, espremido entre a estreia e a delimitação de novos espaços como artista solo e a superexposição que viria com o terceiro álbum, Ideologia, a ser lançado em 1988, em meio às suspeitas sobre Cazuza estar com AIDS, algo que ele admitiria logo em seguida.

Só Se For A Dois foi gravado no fim de 1986 e lançado no ano seguinte por conta de problemas com a gravadora. A Som Livre, braço das Organizações Globo, era dirigida por seu pai, João Araújo, e estava dispensando seu elenco para se dedicar apenas ao lançamento de trilhas sonoras de novelas. Cazuza teve seu segundo disco lançado pela Polygram, que o contratou logo após. A musicalidade dele já se mostrava muito mais evoluída, cada vez mais distante das sonoridades perpetradas pelo Barão Vermelho. A banda que Cazuza arregimentara para o novo trabalho também fazia a diferença, sobretudo pela presença do baixista Nilo Romero e do guitarrista Rogério Meanda. O próprio Cazuza diria estar exercitando um lado “cantor de churrascaria” no disco, algo fora do Rock. E estava mesmo. As interpretações são mais cuidadosas, mais contidas e elegantes. Canções como Lobo Mau da Ucrânia ou Balada Do Esplanada, que não chegaram a fazer sucesso, são pequenos achados dentro da poesia típica do cantor. Assim também o são Heavy Love e a faixa título.

O grande fascínio de Só Se For A Dois reside numa trinca de canções que estão no Top 5 da carreira de Cazuza. O primeiro hit do disco, O Nosso Amor A Gente Inventa (Uma Estória Romântica) é um pequeno primor de beleza, parceria de Cazuza com Nilo Romero e o tecladista João Rebouças. Versos como te ver não é mais tão bacana quanto a semana passada ou o teu amor é uma mentira que a minha vaidade quer, o meu, poesia de cego, você nem pode ver são exemplos da evolução da estética cazuziana no que diz respeito a letras de amor. Neste mesmo caminho segue a segunda grande canção do disco, Solidão Que Nada, parceria com o kid abelha George Israel e Nilo Romero, que vai num arranjo mais lento e melancólico. O refrão on the run traz viver é bom nas curvas da estrada, solidão, que nada, bem no espírito do Rock nacional oitentista amadurecendo em meio aos holofotes da superexposição.

O grande momento do álbum vem em Vai À Luta, que se vale de arranjo Pop Soul, com metais e andamento curvilíneo. A letra de Cazuza fala sobre a fama fácil, o deslumbramento como consequência natural e se encaixa perfeitamente na melodia criada pelo guitarrista Rogério Meanda. Os versos originais eu te avisei, vai à luta, marca o teu ponto na justa foram subvertidos em um programa na Rádio Transamérica FM da época para eu te avisei, vai à luta, marca um encontro com a Xuxa, do tempo em que havia shows ao vivo nas rádios em programas especiais, feitos com visitas dos artistas aos estúdios das emissoras.

Em 1986/87, este escriba partia para o fim dos estudos no Colégio Santo Agostinho. Lembro de um colega querido que, ao ver o anúncio do show de lançamento do disco no Teatro Ipanema, me falou, entristecido: “poxa, eu queria ir ao show, mas não vai dar”. Eu perguntei o motivo e ele respondeu: “eu não tenho com quem ir”. Mesmo sabendo que ir sozinho a um show pode ser uma experiência melancólica, ainda o animei, dizendo que, se ele estava a fim de ver, deveria ir mesmo sozinho. Meu amigo, hoje médico de sucesso, ex-vereador na cidade de Macaé, me disse: “mas só podem entrar casais, o show é só se for a dois”. Sim, ele havia confundido o nome do espetáculo/disco com uma improvável exigência para assisti-lo.

Depois desse álbum, Cazuza se descobriria portador do vírus da AIDS e sua carreira iniciaria uma lenta decadência. Ainda haveria espaço para três discos, Ideologia (1988), O Tempo Não Para (1989) e Burguesia (1990). Só Se For A Dois foi editado em CD nos anos 2000, depois incluido em uma caixa comemorativa, junto com toda a discografia de Cazuza, ambos já fora de catálogo. Pode ser encontrado à venda em sites da internet por preços camaradas, que não ultrapassam R$ 30,00. É um belo registro de um Cazuza humano, normal, nada mais que um popstar brasileiro em seu tempo.

 5,267 total views

ARTISTA: Cazuza
MARCADORES: Cadê?

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.