Cadê: “Sexo!!”, Segundo Disco do Ultraje a Rigor?

Ofuscado pela importância de seu antecessor, álbum permanece esquecido pela gravadora e se encontra fora de catálogo

 6,844 total views

Num intervalo de 5 anos, Ultraje a Rigor saiu dos bares e biroscas da capital paulistana, onde se apresentava tocando covers de Beatles sob nomes como Shitles ou Littles, para o megaestrelato nacional. Já em 1983, circulava pelas rádios mais antenadas o compacto com Inútil e Mim Quer Tocar, que demorou meses para sair por conta de problemas com a censura. A comunidade roqueira não comentava outra coisa. A banda formada por Roger, Leospa, Carlinhos e Maurício (a formação que chegou ao primeiro disco) era dona de um humor ácido e escrachado, de fácil aceitação nos quatro cantos do país. Além disso, as gravadoras já buscavam vida inteligente fora do Rio de Janeiro. Mesmo assim, a ausência do Ultraje foi muito sentida no Rock In Rio, a ponto de Herbert Vianna, líder dos Paralamas do Sucesso, reclamar disso em pleno palco, para engatilhar uma versão catártica de Inútil.

Em julho de 1985, foi lançado o primeiro disco do Ultraje, Nós Vamos Invadir Sua Praia, diante de uma enorme expectativa. Produzido por Pena Schimidt e Liminha, chancelado pela Warner, o álbum vendeu mais de 400 mil cópias, sendo o primeiro grande vendedor do Rock brasileiro daquela época. A mistura de humor com sólidas bases instrumentais criadas a partir de fusões entre Jovem Guarda, Rock dos anos 60, The Beatles e Ramones, mostrou-se altamente palatável e possibilitou que nove das onze faixas do disco fossem parar nas rádios, em alta rotação. Os destaques maiores ficaram por conta de “Rebelde Sem Causa”, “Ciúme”, “Inútil” e a faixa-título, com participação de Leo Jaime, Lobão, Ritchie e Selvagem Big Abreu, dos Miquinhos Amestrados.

Pouco tempo depois, mais precisamente na esteira da turnê de divulgação do disco, a banda já se preparava para lançar o segundo trabalho. Com o estouro nacional do RPM, os limites de venda e alcance de público ficaram dilatados e os números a serem batidos aumentaram bastante. Catapultado pela ação do Plano Cruzado, a banda de Paulo Ricardo e seus asseclas havia atingido os píncaros das vendas no país. Com isso em mente, a Warner preparou o arsenal publicitário para impulsionar o novo Ultraje para as alturas, uma vez que havia potencial para isso. Entretanto, o baixista Mauricio enfrentou problemas ao ser preso em casa com 25 gramas de maconha, além de Roger sofrer acusações – não comprovadas – de estupro em Santa Catarina. Essas circunstâncias tornaram o início das gravações de Sexo!! meio complicado. Nada que impedisse que a boa verve dos quatro viesse novamente à tona. Após gravar as bases para duas canções, Prisioneiro e A Festa, Carlinhos deixou a banda para estudar guitarra em Los Angeles. Em seu lugar, veio Sergio Serra, que já acompanhava algumas bandas ao vivo e era conhecido do trio remanescente. As gravações prosseguiram sem qualquer outro problema até que Sexo!! foi lançado em março de 1987, novamente com Pena Schmidt e Liminha na pilotagem de estúdio.

A banda teve mais tempo para lapidar as composições e soltou Eu Gosto de Mulher como o primeiro single. A letra e a levada eram as mesmas do disco anterior e logo vieram as primeiras críticas à letra da música, na qual Roger exalta o sexo feminino, dizendo que gostar dele, naqueles tempos idos de 1987, era já um sinal de conservadorismo e caretice. Claro que era uma grande sacaneada nos gays, mas sempre no espírito brincalhão e não-ofensivo que tornou-se marca registrada da banda. No mesmo espírito, vieram a faixa-título, Pelado (que foi tema de abertura da novela global Brega e Chique) e a melhor do disco, Terceiro. O lançamento foi marcado por um show surpresa na marquise de um shopping paulistano, entre 12:00 e 13:05h, coincidindo com o horário de almoço e a saída dos alunos de um colégio próximo. Além disso, a Globo estava presente para registrar o show para extrair dele um clipe para o Fantástico. A rotina de aparições em programas de auditório, indo de Chacrinha e Bolinha a Perdidos na Noite (com Faustão) e Raul Gil, continuou a pleno vapor. A identificação com o público era tão ampla que o Ultraje chegava a participar de especiais de carnaval, como no Cassino do Chacrinha de fevereiro de 1988.

Sexo!! é um disco pouco lembrado, tamanha a importância de seu antecessor. Além disso, depois dele, a banda gravaria Crescendo em 1989 e iniciaria um gradativo ocaso, jamais chegando a igualar o brilhantismo dos dois primeiros trabalhos. O disco vendeu 320 mil e cópias a partir do lançamento em 1987. Lançado no formato CD em edições 2 por 1, sem arte original ou ficha técnica e fora de catálogo há muito tempo, o ouvinte que se interesse em conhecer esse lado bem humorado e livre de complicações existenciais, só tem a grande rede como alternativa. Vale a pena.

 6,845 total views

MARCADORES: Cadê?

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.