Entrevista: Esperanza (antiga Sabonetes)

Para lançar seu segundo álbum, banda escolheu ser rebatizada pelo nome do disco. O vocalista Artur Roman nos explica melhor

 6,039 total views

Já faz um bom tempinho desde que Sabonetes fez um barulhinho por vários cantos do país com aquele Indie Rock de levada Folk cantado em português que nos ajudou a abrir os olhos para o som contemporâneo feito em Curitiba. Três anos após a vinda para São Paulo e o lançamento do primeiro e homônimo álbum, Artur, Wonder, João e Alexandre apostam novamente em um disco que leva o nome da banda, só que assumem também uma nova identidade: Esperanza.

Lançado hoje, Esperanza, o álbum, chega sabendo causar impressão com uma sonoridade emotiva e mais firme que no trabalho anterior, um espelho do evidente amadurecimento pelo qual a antiga Sabonetes passou. Com produção de Alexandre Kassin, o registro deve agradar quem aguardava novidades do grupo (e contribuiu com o financiamento coletivo que tirou a produção do papel), mas deve também surpreender quem já acompanha a banda, a começar pela novidade do nome.

Para entender melhor os processos que levaram ao renascimento da Esperanza, conversamos com o guitarrista e vocalista Artur Roman, que nos contou sobre o lançamento e o tempo que levou o quarteto até ele.

Monkeybuzz: A partir de que momento vocês sabiam que a banda ganharia um novo nome? Quais são os traços de Esperanza que já víamos em Sabonetes (o disco)?
Artur Roman: Desde o início do processo de pré-produção do disco, já sentimos um clima Esperanza. Acredito que no primeiro álbum ainda éramos o Sabonetes.

Mb: É fácil pensar nos riscos de rebatizar um projeto já bem estruturado. Quais foram as razões que fortaleceram a decisão de agora ser Esperanza?
Artur: O nome Esperanza apareceu e foi crescendo de uma forma tão natural e orgânica que soubemos desde o início que era a coisa certa a ser feita. Estamos muito à vontade com a mudança e isso nos fez superar facilmente os riscos do processo do “rebatismo”.

Mb: Vocês falam de um processo de amadurecimento, de evolução do som, e Esperanza, o álbum, logo me chamou a atenção por ser mais sentimental, emotivo, que o anterior. Vocês encaram isso como um reflexo dessa maturidade ou tem mais a ver com o momento de vida em que vocês estão?
Artur: Amadurcemos como pessoas e evoluímos enquanto banda, pois tocamos juntos há 8 anos. Não posso dizer que este disco é melhor ou pior do que o primeiro, nem dizer que Esperanza é uma evolução do Sabonetes. Somos apenas diferentes do que éramos e estamos muito felizes com isso. As letras podem soar mais sentimentais porque perdemos o receio de escrever sobre certas coisas. Queremos ser mais diretos e mais claros do que éramos.

Mb: As introduções de Melancholia e Sem Porquê me lembram Naked Girls & Aeroplanes. Como os outros projetos em que vocês se envolveram recentemente participam no processo de evolução do som da banda como um todo?
Artur: Não é algo pensado ou planejado, mas é inevitável que isso aconteça, assim como muita coisa do Esperanza influenciou o Naked Girls. É uma troca constante e saudável de referencias e influências.

Mb: E sobre cantar Eramos Carlos e Roberto Carlos, que lições vieram dessa experiência?
Artur: Cantar Roberto e Erasmo influenciou principalmente na perda do receio de ver beleza na simplicidade, da qual falei antes.

Mb: Carta de Adeus é uma das músicas que mais me chamam a atenção no disco. Em comparação ao primeiro ou não, as descrições como “romântico” e “grandioso” ficam pra mim, principalmente por essa faixa. Como vocês descrevem o álbum?
Artur: É um disco de canções. Nos dedicamos muito aos arranjos, mas no sentido de enfatizar a canção, e não a estética. Trazer à tona o que cada letra, melodia e harmonia tem de especial. E esse processo foi muito particular em cada canção, o que deu uma cara plural ao disco. O fio condutor que trouxe unidade ao álbum foi a sonoridade, pois gravamos ao vivo.

Mb: Como foi o trabalho com Kassin? Qual vocês sentem que foi a maior contribuição dele para o disco?
Artur: O trabalho com o Kassin foi lindo. Ele é um cara tão genial que parece não ser deste planeta e abraçou o projeto do nosso disco como um amigo. Acredito que o Kassin abriu a nossa cabeça para enxergar o processo de gravação com maior liberdade e organicidade. Ele sugeriu que gravássemos ao vivo e, muitas vezes, sem metrônomo. E, depois dessa experiência, provavelmente nunca mais gravaremos de outra forma.

Mb: Sabonetes sempre foi referência como uma “banda de Curitiba”. Esperanza nasce como uma banda paulistana?
Artur: Esperanza nasce como uma banda brasileira.

Esperanza

 6,040 total views

MARCADORES: Entrevista

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.