Entrevista: Phillip Long

Lançando seu sétimo disco, o compositor de Araras conversou conosco sobre sua relação com a música e seu processo de criação

 4,049 total views

Uma verdadeira máquina de lançar discos, Phillip Long não viu motivos pelos quais não lançar mais um álbum neste ano. Seu recente Seven explora novas sonoridades, se configurando como o mais diverso da discografia do compositor. Phillip reservou uma tarde para nós do Monkeybuzz, para contar um pouco sobre o processo de composição e sua relação com o processo criativo.

Mb: Vemos em Seven, assim como por toda sua obra, uma mudança constante de sonoridades. Se em Gratitude tínhamos algo mais acústico, neste novo registro vemos algo mais dinãmico. Ao compôr o disco, você se preocupa que ele seja necessariamente diferente do anterior ou isso é algo mais natural?

Phillip: Isso não passa muito pela minha cabeça. Na verdade, minha onda é Folk e Acústica, sendo uma coisa que eu compreendo bem. Mas já tinha algum tempo que eu queria fazer alguma coisa que flertasse com algumas coisas que eu ando escutando , principalmente sons da década de 80. Eu queria dar uma nova cara à minha música, já que eu trabalhava com música acústica há muito tempo.

Mb: Já que você citou os anos 80 como referências, o que você tem ouvido?

Phillip: Cara, eu tenho ouviido The Smiths praticamente o dia inteiro, e aí vou até Morrissey. Também tenho escutado bastente Echo And The Bunnymen e isso tem refletido muito no meu trabalho. Acho que para frente muita coisa pode mudar ainda: estética, som e tal.

Mb: Parece que o campo é um lugar muito prolífico para se compor. Você acha que a diferença de lugares acaba influindo no processo de composição?

Phillip: Eu acho que sim, muito pela dinâmica de vida. Se bem que se eu tivesse vivendo em qualquer metrópole do mundo e continuaria sendo um cara intimista e interiorizado, afinal isso está em meu código genético. Mas, de qualquer forma, a cidade altera sim o processo de composição e seu campo de visão, em parte porque ela respira de uma forma diferente, seja isso para o bem ou para o mal. Por exemplo, se eu tivesse composto o Seven em São Paulo, ele provavelmente teria alguma nuance diferente, mas a mensagem continuaria sendo a mesma de relação, estar bem ou mal que está presente em quase toda a minha obra.

MB: Essa questão de “relações” e de “passionalidade”, que você diz estar presente em toda sua obra, acompanha mais outros elementos comuns a todos seus outros registros?

Phillip: Sim, claro. Em geral, são sempre questionamentos sobre a minha conduta perante as coisas, como por exemplo sobre relacionamentos e como eu enxergo a vida. É que eu sou uma pessoa muito fechada, então a música acaba funcionando como um “diário de bordo”.

MB: Hoje, vemos muitas bandas produzindo algo mais para o mercado da música e menos pessoal, porém, vendo sua extensa obra, não há como discutir que se trata de algo muito confessional e próprio. Como que é produzir tanto de algo íntimo?

Phillip: Acho que isso tem direta relação com minha relação com a música, afinal ela me salvou em diversos momentos da minha vida. Sei lá, cara, parece uma coisa muito brega dizer que a música é uma terapia, sinto que é algo tão batido. Mas, é a verdade. Eu consigo me entender melhor quando produzo um disco, é como se olhar em um espelho: eu me enxergo melhor. Eu dou vazão àquilo que estou sentindo e eu consigo olhar para isso que expresso de uma forma diferente. Considero muito como um processo de salvação.

MB: Nos havíamos comentado no [Buzzers](http://www.youtube.com/watch?v=6fs9DovAK3g) um tempo atrás sobre a relação letra e música, e de que forma os artistas compõem (primeiro a letra e depois a música, ou vice-versa). Como é para você? Você segue uma fórmula, rotina, na hora de escrever?

Phillip: Não tem fórmula, pelo menos não para mim. Na verdade, ainda é algo bem misterioso, as coisas vem para mim de repente. Mas eu confio muito neste misticismo que envolve a composição. Música, para mim, é conduzir mensagens e, através da minha salvação, poder passar algo para alguém. Para falar a verdade, eu odeio fórmulas. É bem simples, é só música. O que sair saiu. Ela quis dançar comigo e eu quis dançar com ela.

MB: Também comentamos aqui no site um pouco sobre a relação entre capas de disco e música. Como sua música é bem diversa, dá para notar que não há um padrão para as capas, ou predileção por forma de expressar a arte. Como é sua preocupação com a identidade visual do seu disco e a forma com a qual ela se relaciona entre o conteúdo?

Phillip: Eu tinha planos de fazer discos com capas que fossem retratos de artes plásticas. Mas, no fim, acabei sendo conduzido por outras coisas. Mesmo a capa do Gratitude, que foi fotografada pelo meu amigo Ciro, não foi algo muito pensado, diferentemente da capa do Atlas que teve um puta conceito por trás. Mas a gente acabou vendo significado depois que a foto foi tirada, que mostra um filhote de gato no meu pé. Acabamos vendo uma leitura irônica, porque o gato não é sempre o animal mais grato, criando um relação antagônica entre esse sentimento e o mistério. Acho que essas leituras vem muito do fato de meu pai ser artista plástico e eu ter acompanhado o processo artítstico de criação desde cedo. Mas, para a capa do Seven, realmente não tem nada de pensado. Nós tentamos três vezes propôr alguma coisa, não deu certo e aí meu pai apareceu com aquele sete estilizado e falei: “É isso, simples e bom”.

**MB: Tem uma pergunta que é inevitável fazer. Você é um cara que produz para caramba. Como é que vai ser o próximo disco?

Phillip: (risos) Cara, eu estou completamente obcecado por fazer o próximo, muito mais do que eu já estive antes. No decorrer do processo de finalização do Seven, eu comecei a ter as melhores ideias da minha vida, muito nessa de beber do The Smiths. Acho que o oitavo disco vai ser muito nessa linha.

MB: Se formos olhar sua discografia inteira até agora, quais são as maiores características do Seven?

Phillip: Seven é o meu disco mais equilibrado em termos de inserção e público. Ele tem o melhor de mim “intimista” (na faixa de abertura e encerramento), com canções que tem refrão. Ele acaba sendo de mais fácil digestão – acho que eu estava fazendo muita coisa cabeçuda, no sentindo de complexidade de arranjos, que é uma coisa que sempre gostei, mas isso acabava distanciando um pouco a mensagem do registro. Seven tinha que ser algo que mostrasse um equilíbrio com o que eu queria fazer antes e o que eu quero fazer agora. Tive muita ajuda do Eduardo, que é meu parceiro para a vida toda. Não tem como ser Phillip Long sem ele.

MB: Tem alguém com quem você gostaria de trabalhar algum dia? Não necessariamente um produtor, um outro músico em geral.

Phillip: A maioria dos músicos com os quais eu gostaria de trabalhar são velhos demais ou estão mortos (risos). Eu não escuto muita coisa nova e eu fico até meio envergonhado com isso, porque eu quero que as pessoas me escutem e eu sou um artista novo. Mas, se eu pudesse, trabalharia com o Dylan (embora isso seja uma blasfêmia).

MB: Do pessoal novo que tem surgido na nova cena brasileira, quem que você recomenda?

Phillip: Igor De Carvalho. As pessoas ainda não sacaram que ele é um dos melhores compositores da nova cena, o que é completamente natural. As pessoas demoraram para entender quando o cara é muito bom. Também escuto coisa gringa, sendo Fleet Foxes uma das melhores banda atualmente.

 4,050 total views

ARTISTA: Phillip Long
MARCADORES: Entrevista

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.