Gorillaz Sempre Novo

Projeto audiovisual de Damon Albarn é sua porta para a experimentação

9,004 total views, no views today

Pipocam pelo mundo notícias que dão conta do lançamento de um novo álbum de Gorillaz neste ano. Você já leu, inclusive aqui, no Monkeybuzz, a bolsa de apostas e rumores funcionando a pleno vapor para dar o máximo de informações sobre este disco, ainda sem nome, o quinto da carreira do grupo. Você não lembra, mas foi um proverbial “auê” quando chegou a notícia de que Damon Albarn iria suspender as atividades de sua banda titular, Blur, em favor de um projeto alternativo e “revolucionário”. O medo principal era perder a rotina de lançamentos da banda inglesa, que era queridinha dos então indies da época, ainda que já estivesse distante do glorioso passado rompe-barreiras do Britpop. O que faz Gorillaz ser tão interessante e sintonizado com a tal modernidade? Justamente isso, o significado de alguém deixando de lado algo que parecia com rotina em favor de um abraço a novas formas, novos sons, novos parâmetros. Albarn e seus amigos estavam a fim de fazer história. Conseguiram.

O fato de Gorillaz ser um projeto colaborativo de algum artista já estabelecido (no caso, Albarn) com uma galera não é algo novo no Pop. Tampouco é novidade o fato de existir uma imagem em desenho animado para representar estes integrantes em ação. O que dá o tom inédito à coisa toda é que imagem e som apontam para uma busca por territórios inexplorados, com a impressão de que alguém está fazendo isso pela primeira vez. Mesmo que não possamos classificar gente como De La Soul, Snoop Dogg, Shaun Ryder, Mark E. Smith, Bobby Womack e Lou Reed, os tais colaboradores de Gorillaz ao longo da carreira, como ingênuos ou inexperientes, a impressão da busca pela novidade a qualquer preço sempre foi evidente. Formado a princípio por Albarn e o quadrinista Jamie Hewlett, Gorillaz sempre manteve esta aura.

Ao longo de 16 anos e quatro álbuns, o grupo teve, além de colaboradores e da dupla principal, vários produtores e agregados, responsáveis por conceder tonalidades sensivelmente distintas entre seus álbuns. Não dá, por exemplo, para comparar o primeiro disco, homônimo, lançado em 2001 com o mais recente, o esparso The Fall, que saiu em 2010 e trazia praticamente Albarn e dispositivos de gravação informais ao longo de viagens pelos Estados Unidos. Tampouco é possível apontar muitas semelhanças entre eles e Demon Days, de 2005 ou Plastic Beach, também de 2010. O tal espírito aventureiro permanece, entretanto, em todos os lançamentos e o motivo desta sensação pode ser, justamente, a presença de Damon Albarn.

Quando estava com Blur, Albarn não parecia ser exatamente um músico inquieto, posto que cabia a Graham Coxon, guitarrista do grupo. Damon era mais o vocalista bonitinho, o sujeito que caprichava no sotaque britânico para marcar bem o território musical da banda e nada mais. Quando veio o anúncio da formação de Gorillaz, Coxon e seus álbuns solo experimentais, que gravara em meio às atividades com Blur, ficaram automaticamente para trás. Com a chegada do infeccioso sucesso Clint Eastwood, acompanhado por um clipe apocalíptico e sensacional, Coxon já estava a milhas de distância.

Aos poucos, como era de se esperar, a linguagem plural e inclusiva das canções de Gorillaz, todas flertando com ritmos e estilos como Hip op e Música Eletrônica, tornou-se mais palatável para o público. Mais ainda: conquistou uma nova audiência, que não era, necessariamente, conectada com o passado de Albarn como integrante de Blur. Esta evolução fez com que, pouco a pouco, o novo projeto se tornasse mais badalado e visível. Muitos alegam que esta circunstância tenha sido decisiva para a saída de Coxon das gravações de Think Tank (2004), último álbum da banda inglesa antes de seu longo recesso, que só foi quebrado no início dos anos 2010, para shows e apresentações especiais, e soltando um disco inédito apenas no ano passado, o ótimo The Magic Whip.

O grande momento de Gorillaz enquanto instância criativa na música popular do planeta foi mesmo com The Fall, o tal álbum em que Damon Albarn registrou as sonoridades colhidas na estrada, usando uma abordagem minimalista e muito próxima em alguns momentos, do que o povo costumou chamar de IDM, ou Intelligent Dance Music. Há uma sensação árida permeando as canções, como se elas fossem registros escritos num diário de viagens, com sons ambientes, casualidades e participações especialíssimas, como a de Bobby Womack, gigante da Soul Music mais nobre, que retornava ao disco depois de muito tempo. Ele lançaria, com a produção de Damon, o seu último álbum, The Bravest Man In The Universe, em 2012, vindo a falecer dois anos depois, vítima de câncer.

Gorillaz cheira a novo. A busca pelo novo. Damon Albarn expandiu seus horizontes ao flertar com música africana, fazendo discos solo, produzindo trilhas sonoras, mantendo projetos paralelos, como o bom The Good, The Bad & The Queen (cujo segundo álbum está previsto também para 2016), chegando, inclusive, como já dissemos, promover o retorno do próprio Blur, como uma simpática reunião nostálgica a princípio, abrindo caminho para novas criações. Novo álbum de Gorillaz é o novo do novo e, como já dizia o poeta, ele sempre vem. Aguardemos.

9,005 total views, no views today

MARCADORES: Redescobertas

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.