Hospice: O Limbo Emocional de Peter Silberman

Vítima de um relacionamento emocionalmente abusivo, músico cria a sua maior obra até então

 6,782 total views

Transformar um sofrimento profundo, vindo de um período muito conturbado da própria vida, em uma obra de arte que serve tanto de válvula de escape para o acúmulo de sentimentos do próprio artista, quanto para dialogar empaticamente com um público que possa estar passando por dificuldades similares é uma tarefa que exige força e, ao mesmo tempo, parcimônia. Afinal, provocar uma catarse é um procedimento poderoso que precisa ser manuseado com cuidado para não criar o efeito oposto ao desejado. Já pensou deixar todo mundo deprimido sem querer? É sempre bom lembrar: a arte é terapêutica, mas não é terapia.

Por conta de uma experiência intensa e (pelo visto) bastante traumática, Peter Silberman, líder do grupo americano The Antlers, criou a grande obra de sua banda, Hospice, de 2009, com reverberações que podemos observar até hoje. Além da projeção internacional que ganhou, é graças ao disco que o grupo delimitou a linha estilística que passou a seguir. Não que tenha passado por uma ruptura brusca. De fato, é fácil notar a linha de desenvolvimento que se segue desde Unprooted, seu primeiro trabalho de 2006, mas é nele que ficam claras sua vertente sonora e sua preferência pela aprofundamento de assuntos em álbuns temáticos.

É em Hospice que, em decorrência de um relacionamento emocionalmente abusivo, dependente e profundamente conturbado, Silberman traduz a própria angústia na criação de uma narrativa que usa a analogia da relação entre um médico e sua paciente em um hospício, misturando realidade e ficção, confissões pessoais e metáforas, numa viagem intensa e emocionante com dez faixas de duração. Um reflexo da história pessoal do músico, que conta a respeito de sua namorada deprimida e seu próprio desespero em não conseguir lidar com a situação.

Antes de entrar na história em si, vale atentar para o fato de que a primeira música composta por Silberman para esse álbum é, na verdade, Epilogue. Embora seja a última na ordem de faixas, é ela quem dita todo o clima do álbum. Todas as faixas precedentes são suas derivadas, então, as mesmas linhas melódicas vez ou outra reaparecem resolvidas com notas diferentes e variações das letras que se repetem alternadamente compõe uma obra completa como se, de fato, fossem diversas etapas de uma mesma e grande história.

Hospice tem uma introdução instrumental, Preface, uma espécie de “câmara de reverberações” que instaura um universo próprio, ao mesmo tempo sensível e barulhento, que é o reflexo do estado de espírito de seus personagens. Em Kettering, a segunda faixa, temos os primeiros versos cantados, que deixam claro qual o tema que desenrolar-se-á a partir de então: “I wish I had known in that first minute that we met, the unpayable debt that I owed you”. O débito impagável é a tarefa impossível de satisfazer uma pessoa que está em conflito com a própria essência (“Because you’d been abused by the bone that refused you and you hired me to make up for that”).

Durante toda a primeira parte do álbum, o protagonista sofre o desespero de tentar fazer a sua parte (“let me do my job”) para ajudar, sem sucesso, a “paciente” Sylvia: revoltada e sempre dentro de um turbilhão incontrolável (“a hurricane thunderclap”) que atrofia (Atrophy) dentro da própria tristeza.

Como em Hospice não temos uma linha clara na qual sabemos onde termina a realidade e começa a ficção, nem sob qual ponto de vista exato estamos focando o assunto, a trama fica mais complexa e interessante, além de ganhar um aspecto de “loucura” real. Por exemplo, em relação a doença de Sylvia, não sabemos ao certo os limites entre a pura dependência emocional, as tentativas de suícido decorrentes da depressão e até mesmo se as alusões ao câncer são literais ou apenas uma figura de linguagem que se refere à própria revolta. Ocorrem também diversas referências que aludem ao nome “Sylvia”: Sielberman se inspirou, além da própria namorada, no livro homônimo de Leonard Michael e na romancista americana Sylvia Plath. Estes temas, que sempre se interpenetram, deixam o enredo do álbum incerto e instigante.

A quinta faixa dá uma pausa na relação interdependente do casal, mas não é para amenizar o assunto. Bear faz alusão a um aborto e o conflito de um casal muito jovem em ter que passar por essa decisão. O tema faz pensar num flashback, talvez o início do relacionamento entre Sielberman e a namorada, e por isso mesmo, na razão de terem permanecido com uma ligação emocional tão forte e conturbada desde cedo. Além disso, o “bear inside yout stomach” citado na canção também pode ser uma metáfora para a força selvagem e destruidora da depressão que reside dentro de Sylvia.

A partir daí, entramos na segunda metade do álbum, onde temos uma leve mudança de foco, que enriquece a trama notadamente. Após uma seção instrumental que divide o álbum em duas etapas, temos em Thirteen, (que conta com a participação de Sharon Van Etten) a introdução do ponto de vista de Sylvia, uma voz suave e melancólica que pede, enfraquecida, para ser tirada do estado soterrado em que se encontra.

Two, por sua vez, relativiza os pontos de vista da trama: o sofrimento de ambos é visto tanto de dentro da relação, como por terceiros, fora da crise. Além disso, as próprias facetas dos dois protagonistas se dividem em personalidades amorosas pré-crise (fazendo uso novamente dos flashbacks) e agressivas diante da dor da fase final do relacionamento. É graças a estes pequenos saltos ao passado que é revelado, brevemente, a provável origem dos problemas emocionais de Sylvia: seu pai (“daddy was an asshole, he fucked you up, built the gears in your head”).

Em Shiva, o deus da destruição hindu chega para por fim ao ciclo vicioso da relação e, somente assim, abrir espaço para uma nova etapa florescer. O fim da relação entre os dois é tratada como a morte da paciente. O protagonista, após um surto emocional no qual tem uma crise de riso graças ao alívio da liberdade em conjunção com a dor da perda, enfrenta, assim, o luto e, desta vez, a própria depressão, mas é graças a este ciclo natural que começa a sair do estado de dependência anterior e a se reeguer. E então temos Wake, a última canção na linha cronológica do álbum. Wake faz alusão ao estado de ressocialização durante o luto de uma pessoa, e, de fato, trata de Sielberman voltando aos poucos às suas interações sociais, introduzindo o terceiro personagem da trama, um amigo que vem resgatá-lo da inércia em que se encontra após um período tão conturbado.

Quando Epilogue chega, a música funciona como um grande resumo condensado da obra (nos temas tanto textuais quanto musicais, lembra que eu disse que as melodias voltam a se repetir vez ou outra?) e pode ser vista como metáfora para as marcas irreparáveis que são impressas na alma de uma pessoa após um período e uma experiencia tão intensa: resquícios que voltam ocasionalmente para assombrar os sonhos, embora a lição e os pilares construídos permaneçam eternos na sustenção da maturidade emocional de uma pessoa.

Profundo, catártico e de uma carga emocional intensa, o tema de Hospice é, ao mesmo tempo, pesado e delicado. Perigoso, eu diria, dependendo do nível de indentificação que você tiver com o trama. Não à toa, desde então, The Antlers aposta mais ou menos na mesma linha de abordagem nos seus trabalhos subsequentes.

Em Burst Apart, de 2011, a sonoridade é notadamente mais leve, embora ainda bastante atmosférica e espaçada, e trata do período pós-limbo de Hospice. Ainda com sua predileção por temas densos, Silberman foca no período de rejeição e auto-destruição que ocorre naturalmente após uma relação traumática, mas, apesar disso, o viés de suas letras e a capa do álbum denunciam uma espécie de luz no fim do túnel. Assim, a recorrência ocasional de traumas passados, afinal, não se trata de nada além de uma limpeza emocional que vai culminar, futuramente, na nova aceitação do amor.

E é com isso que deixo o gancho para a apreciação de seu mais recente trabalho, Familiars, lançado neste mês. Nele, Silberman enfrenta a si mesmo com maturidade: encara a criança que costumava ser e é capaz de distanciar-se da emoção dos próprios conflitos. Enfrenta a si mesmo para tentar solucionar seus problemas. O grande tema do álbum é o “duplo”, o doppelgänger: sem medo do desapego, de encontrar-se nos outros, de encontrar seu verdeiro “eu” dentro de si, internalizando novos valores e ideais, Silberman enfrenta uma nova etapa, possível apenas com a maturidade adquirida no rito de passagem de Hospice.

 6,783 total views

ARTISTA: The Antlers
MARCADORES: Discografia

Autor:

é músico e escreve sobre arte