Leituras Da Semana: Cloud Nothings, Queen, Metal e muito mais

Separamos alguns dos melhores textos sobre música que lemos pela Web nos últimos dias

1,501 total views, no views today

Semanalmente, filtramos os melhores textos que encontramos na rede, a fim de enriquecer ainda mais seu conhecimento sobre música.

Você também pode acompanhar as leituras da semana através de nossa Readlist. Ela compila os artigos e permite que você os leia em formato de e-book no seu smartphone, tablet ou até mesmo no Kindle.

The Black Market: The Month In Metal – March 2014, por Michael Nelson do site Pitchfork

Com o final desta nova edição do festival SXSW, Michael Nelson resolveu dar uma caprichada em sua coluna mensal, que indica as principais tendências do metal do respectivo mês, e falar um pouco mais sobre o que rolou de bacana nesta edição. Um ótimo texto para quem quiser saber o que escutar deste gênero que tem tantos nomes de peso.

“I spent the second week of March at SXSW, and I spent a pretty good percentage of my SXSW at metal shows. In truth, most of the people I talked to at the festival seemed to agree that this year’s metal lineups were pretty lackluster, but even so, every day the genre offered numerous acts I felt I had to catch, and I was energized a whole lot more often than I was disappointed. Some of the best bands I saw at SXSW — in any genre — included Power Trip, Obliteration, Psalm Zero, Vaporizer, Primitive Man, Vattnet Viskar, Pilgrim, and Black Market contributor Doug Moore’s Pyrrhon”

recomendado por Lucas Cassoli

What Quaere Fellows: Queen II Revisited, por Daniel Ross no site The Quietus

Texto revisita Queen II, segundo álbum da banda britânica e que completa quatro décadas neste ano. O curioso no texto é a análise de que este foi o último disco do Queen enquanto banda de “segundo escalão” – pelo menos em popularidade – sem ter todos os holofotes do mundo voltados para eles.

“Indeed, Queen II was the last time the band would be runners-up in pop. They followed it up withSheer Heart Attack, which had ‘Killer Queen’ on it, setting into motion the widely documented rise, rise and further rise of Queen.”

recomendado por Lucas Repullo

Cloud Nothings: No Thoughts, por Michael Roffman no site Consequence of Sound

Michael Roffman conta como foi encontrar Dylan Baldi e sua banda em um dia frio no bairro nova-iorquino do Brooklyn e, além da entrevista, conta um breve histórico de como o músico chegou até seu novo disco, Here And Nowhere Else.

“Is ultimately about survival, making it through the day in front of you, and living with an inherent disconnection from all others.” He’s not wrong. Songs like “Psychic Trauma” and song of the year contender “I’m Not Part of Me” speak less from any tattered pages or scribbled notes and more from a mind that’s bruised and shared by all. It might be the first time Baldi’s actually speaking to us directly, and it might explain why I feel I know him more on record than in person.”

recomendado por Nik Silva

O Future Islands Está Enlouquecendo Há Oito Anos, por Jeremy Gordon na Noisey

A mistura de um trabalho bem feito com um tanto de confiança em palco é o que transmite a mais nova fase da banda Future Islands, que há pouco lançou seu álbum, Singles. O redator Jeremy Gordon aproveitou a deixa hype para conversar com o grupo sobre seu recente trabalho, sua postura enquanto banda e de sua notável passagem pelo programa de David Letterman.

“Nós acreditamos piamente no que fazemos, porque é sobre a gente e nós fazemos o melhor para não cairmos em uma modinha. Porque às vezes até chego a pensar que deveríamos escrever uma musica dançante, e o resto dos caras acha que não. Se não é para ser, então não vai ser. Esses caras escrevem música e eu escrevo palavras e melodias, então isso acaba dando certo como um todo. Eu me alimento da emoção deles, do que eles me dão e nós meio que crescemos organicamente. E isso é positivo, porque, se algum de nós ficar meio impaciente, tentamos dar uma relaxada e deixar as coisas virem.”

recomendado por Fernando Galassi

Q&A: Avey Tare Talks Slasher Flicks, The Importance Of Taking Breaks, And The Cure], por T. Cole Rachel no site Stereogum

O líder de Animal Collective, Avey Tare, fala sobre o seu novo projeto, intitulado Slasher Flicks e conta um pouco sobre as influências que teve nas composições das músicas para o álbum Enter The Slasher House. Avey também comenta sobre o afastamento da banda e como isso tem influenciado sua carreira.

“So I started writing the songs on acoustic guitar and then I got it in my head that I wanted to write as much as I could and started separating them into categories for the projects that I was doing, which I kind of do a lot anyway because I’m either doing stuff on my own or stuff with Animal Collective. It’s not usually much of a conscious decision of “oh, I’m going to do these two different things.” I definitely had it in my head that I wanted to do a solo thing without Animal Collective, something that’s more band-focused. “

1,502 total views, 1 views today

Autor: