Leituras da Semana: Kurt Cobain, Blur, Jota Quest (?) e mais

Separamos alguns dos melhores textos sobre música que lemos pela Web nos últimos dias

 2,605 total views

Semanalmente, tentamos filtrar os melhores textos nacionais e internacionais sobre música que encontramos na rede, a fim de enriquecer ainda mais a bagagem do nosso leitor sobre seus temas favoritos.

Você também pode acompanhar as leituras da semana através de nossa Readlist. Ela compila os artigos e permite que você os leia em formato de e-book no seu smartphone, tablet ou até mesmo no Kindle.

Brasileiros

Era melhor antes por Hermano Vianna no jornal O Globo

Duas epidemias antigas mas que foram potencializadas pela Internet foram a de falar mal da cultura brasileira e de supervalorizar o passado em relação ao sempre estagnado presente. Será que é assim mesmo que as coisas funcionam?

“No lugar do regime da escassez que produz gênios, temos um regime de criatividade distribuída em rede, e o processo criativo é mais aberto, à procura de obras abertas, permanentemente inacabadas.”

Masoquismo Musical – Um Dia com o Jota Quest por Paulo Marcondes na Vice

Já tentou uma experiência de masoquismo musical? Na semana passada, mostramos que ouvir durante bastante tempo algo que você não gosta, pode lhe fazer mudar de opinião. Já hoje, mostramos que também pode intensificar seu sentimento negativo. Paulo Marcondes passou nove horas ouvindo Jota Quest e conta como foi a experiência.

“Em alguns momentos do masoquismo, eu ria freneticamente com os falsetes do Flausino. Num lapso, uma coisa me chamou muito a atenção nas letras do Jota Quest: qualquer trecho serviria para um subnick de uma mina de 13 anos no MSN, na longínqua época de 2005.”

A Inglaterra tem cheiro de Blur por Carlos Eduardo Lima no Scream & Yell

Carlos Eduardo Lima declara seu amor por uma das mais importantes bandas do Britpop e usa de sua relação com o grupo para traçar um pouco dos momentos chave para quem quer entender e conhecer melhor o trabalho de Damon Albarn, Graham Coxon e companhia.

“A chave do sucesso da empreitada foi a capacidade dos sujeitos em amalgamar um leque de influências do Rock inglês de vários períodos, passando por Kinks e Small Faces – suas influências mais evidentes no início da carreira – passando por glam, punk, Stones, Beatles e tudo mais. As letras de Albarn eram pequenas críticas aos maneirismos ingleses, às britanicices daquela gente estranha da velha ilha.”

Roubadas e Perrengues . Lise perdido em Aricanga por Daniel Nunes no Soma

Daniel Nunes, da banda Constantina, participou da coluna Roubadas & Perrengues do Soma e contou suas aventuras em Aricanga – ES.

“Estava sozinho, com alguns mils reais em equipamento nas malas, e uma ‘pequena’ dificuldade de sair da poltrona para ir ao banheiro. Além disso, o banheiro do vagão estava ‘defeituoso’!”

Internacionais

Permanent Press: The Story of Musicol Recording Studio por Joel Oliphint no Pitchfork

Contamos o que achamos do documentário sobre o lendário estúdio Sound City, agora o Pitchfork nos convida a conhecer o Musicol, um dos últimos estúdios onde as bandas podem gravar, mixar, masterizar e prensar em vinil, tudo no mesmo lugar.

“Record pressing is the mainstay of Musicol’s business today. In fact, Warren says if it weren’t for record pressing, “we probably wouldn’t be here.” Every weekday, Ferguson starts pressing around 8 a.m. Smith follows him around noon, and Jonathan works the 5 to 10 p.m. shift. Only about a dozen pressing plants remain in the U.S., and Musicol is one of a handful that can do small runs.”

Spotify pushing labels to lower costs, open up free service to phones por Greg Sandoval no The Verge

Alguns pensam que o Spotify já ganhou a briga entre os serviços de streaming, mas não é bem assim. Para manter os custos baixos para o usuário e continuar pagando um mínimo aceitável para os artistas, a empresa trabalha com lucro próximo a zero e está tentando mudar esse cenário.

“About 70 percent of Spotify’s revenues pays music-licensing fees while another 20 percent covers customer acquisition, these sources said. That leaves 10 percent to pay all of the company’s other costs, including its much praised technology platform. Insiders have toldThe Verge that this cost structure zeroes out Spotify’s profits.”

Macklemore’s ‘Thrift Shop’ and Baauer’s ‘Harlem Shake’ por Christiano Calvet no Resistro

Uma análise do essencial documentário sobre o julgamento do The Pirate Bay na Suécia. O filme e o texto tratam de pirataria, Internet, legislação e confilto de gerações, essencial para refletir sobre o momento único que vivemos.

“Bem no começo do filme, o promotor pergunta se o trio se conheceu IRL (In Real Life). A resposta, dura e seca, veio da seguinte forma: ‘nós não usamos esse termo porque entendemos que internet faça parte do mundo real’.”

”Happy Birthday, Kurt” por Mark Richardson no Pitchfork

O editor-chefe do Pitchfork fala um pouco sobre Kurt Cobain que se estivesse vivo, teria feito 46 anos ontem. Mark fala sobre a lenda que Kurt se tornou e de como foi de um garoto com uma banda para um ícone cultural ainda mais celebrado após sua morte.

“When you see someone who has the trappings of notoriety thrust at them, who is loved by masses but doesn’t quite know how to handle it, you imagine yourself in that position. You’d never be quite convinced that you deserved it, but you would have no choice in the matter, because something you’ve done has touched people.”

 2,606 total views

MARCADORES: Leituras da semana

Autor:

Nerd de música e fundador do Monkeybuzz.