Leituras Da Semana: Real Estate, Pearls Negras, Gesaffelstein e mais

Separamos alguns dos melhores textos sobre música que lemos pela Web nos últimos dias

 2,340 total views

Semanalmente, filtramos os melhores textos nacionais e internacionais que encontramos na rede, a fim de enriquecer ainda mais seu conhecimento sobre música Você também pode acompanhar as leituras da semana através de nossa Readlist. Ela compila os artigos e permite que você os leia em formato de e-book no seu smartphone, tablet ou até mesmo no Kindle.

Brasileiros

Passamos um fim de semana no Vidigal com as Pearls Negras por Anna Mascarenhas e Eduardo Pininga na Vice

O trio adolescentes Pearls Negras mal lançou seu primeiro clipe e já conquistou olhares de muita gente. Já filiadas ao selo internacional Bolabo Records, as jovens associam o Rap a música eletrônica e as batidas de Trap em sua primeira mixtape. No texto de Anna e Eduardo, as origens das meninas são trazidas pra perto e expostas de maneira sutil mais incisiva, destrinchando os problemas sociais das favelas e as medidas provisórias do governo carioca para a cessão da violência.

““A gente compõe sobre o que a gente vive, a nossa realidade. Sobre o que nós achamos, o que a gente vê na rua, o cotidiano, o que tá acontecendo no mundo. A vida não é só curtição. A gente já passou por tantas coisas aqui, agora está tranquilo, graças a Deus. Mas a gente viu, acompanhou tudo na nossa frente acontecendo. A gente mora dentro de uma favela, né?” reflete Alice. A música “Bata Dois” foi escrita pelo pai de Mari, que é baterista e compositor, e fala sobre ser cego, surdo e mudo diante do que acontece na favela. “Fala sobre a realidade daqui do morro antigamente. Como é viver na favela, como é viver numa comunidade e não essencialmente na comunidade do Vidigal”, conta Mari.”

recomendado por Fernando Galassi

Internacionais

Listen while you work: What music does to your brain por Mikael Cho no The Next Web

A gente não precisa de explicação científica pra entender a importância da música nas nossas vidas, mas mesmo assim, é legal saber o que realmente acontece com o nosso cérebro quando curtimos um som.

“When I looked back at all my favorite playlists, I wondered what effect music has had on my work and more specifically, which types of music have had the most impact. I thought it’d be interesting to take a dive into the science behind the deep power of music to find out if it actually helps you work better.”

recomendado por Lucas Repullo

Real Estate : Atlas Origins por Justin Jacobs no site da Relix Magazine

Uma entrevista interessante com o Real Estate, que está para lançar Atlas, um dos discos mais esperados deste primeiro semestre. Eles falam sobre algumas mudanças na banda, família, projetos parelelos e como foi gravar no estúdio do Wilco.

“We’re all very invested in Real Estate; we feel like we own it. Real Estate is us, and side projects are the band members expressing themselves however they want individually. For all of us, music is life. So to just stay busy doing different things during the inevitable downtime between records is important.”

recomendado por Lucas Repullo

How the Beatles Went Viral: Blunders, Technology & Luck Broke the Fab Four in America por Steve Greenberg na Billboard

50 anos se passaram desde o surgimento da Beatlemania e de sua chegada aos Estados Unidos – gerando o que ficou conhecido de Invasão Britânica nos anos que se seguiram. Neste artigo, o jornalista conta como o Fab Four teve um alcançou um sucesso tão estrondoso na América do Norte em apenas seis semanas.

“Consider the following: At the end of 1963, virtually no one in America had heard of the Beatles. Yet on Feb. 9, 1964, they drew the largest TV audience in history-73 million viewers-when they appeared on “The Ed Sullivan Show.” How could such a conquest have occurred so quickly? “

INTERVIEWS: Gesaffelstein por Carrie Battan no site do Pitchfork

A entrevista é com o francês Gesaffelstein, um dos produtores de Yeezus, de Kanye West. Ele fala sobre a produção do disco e da relação com o hip-hop, além de comparar a música com atuação e falar um pouco sobre o universo eletrônico na cultura dos Estados Unidos e na Europa.

“Look at cinema—let’s say, The Wolf of Wall Street. When you meet Leonardo DiCaprio, he’s not like Jordan Belfort. It’s just a game he’s playing. He’s acting. For me, music is exactly the same. I create something and I love that. I’m comfortable with this role and I try to develop something in this role. It’s me, but it’s not me as Mike Lévy.”

 2,341 total views

Autor: