Leituras da semana: Toro y Moi, Karaokê, o Playback de Beyoncé e mais

Separamos alguns dos melhores textos sobre música que lemos pela Internet nessa semana

 2,724 total views

Fotos: Foto por Andrew Paynter

Semanalmente, tentamos filtrar os melhores textos nacionais e internacionais sobre música que encontramos na rede, a fim de enriquecer ainda mais a bagagem do nosso leitor sobre seus temas favoritos.

Agora você também pode acompanhar as leituras da semana através de nossa Readlist. Ela compila os artigos e permite que você os leia em formato de e-book no seu smartphone, tablet ou até mesmo no Kindle.

Brasileiros

A graça de “Girls” traduzida em três momentos musicais por Izadora Pimenta no Backbeat

O ponto fraco e o forte da série Girls são os mesmos, a obra de Lena Dunham é uma grande piada interna e por isso tão difícil de ser analisada. Izadora consegue traduzir brevemente o efeito de seu texto e ainda ilustrar com alguns dos melhores momentos de sua ótima trilha sonora.

“No entanto, tão importante quanto toda a emblemática que justifica o porquê do hype da série (se você não entendeu, relaxa, você só passou dessa época), é a trilha sonora muito bem escolhida para embalar as personagens. E, em algumas das vezes, ela acaba se tornando ponto crucial, nos ajudando a entendê-la e, também, a nos sentir parte dela.”

MECA Festival, uma crítica por André Takeda no Scream & Yell

Cada vez mais popular na Região Sul, o MECA festival chega à sua terceira edição. Mas será que as bandas hypadas de seu line up aguentam a pressão do tempo ou todas tem prazo de validade?

“Na verdade, a impressão que eu tenho é que o tal MECA (que, puxa, já trouxe os relevantes Vampire Weekend, apesar de nem 90% do público identificar a influência de Paul Simon na música desses jovens de Manhattan) é um grande clubinho. O clubinho do hype, onde todos são community managers, criativos, donos de start ups, CEOs, fotógrafos, blogueiros e DJs. Tudo ao mesmo tempo.”

Internacionais

Want Singers to Do the National Anthem Live? Don’t Ridicule Flubs por Eric Randall no The Atlantic

A notícia de que Beyoncé usou playback em sua performance do hino nacional americano na posse do presidente Barack Obama, deu o que falar nessa semana. Será que isso é realmente algo para se envergonhar ou é fruto do perfeccionismo dos americanos que não aceitariam falhas em um momento tão importante?

“We shouldn’t be surprised if she did. We should, though, take a moment to question the cost of America’s unforgiving attitude toward the singing of the national anthem.”

How Good Does Karaoke Have to Be to Qualify as Art? por Dan Kois no The New York Times

Muita gente tem o Karaokê como programa predileto, mas nunca parou pra pensar nas pessoas que criam as melodias de suas músicas preferidas e divertem sua noite. Esses talentos escondidos podem ser considerados artistas? Conheça Baby Ketten, um americano que cria alguns desses sons e faz versões de dar inveja em qualquer fã de música.

“For example, if you’d like to sing Bikini Kill’s ‘Rebel Girl’,’ the Gregory Brothers’ ‘Bed Intruder Song’ (with full Auto-Tune), Danger Doom’s ‘Sofa King’ or Neutral Milk Hotel’s ‘In the Aeroplane Over the Sea,’ Baby Ketten has them all. (I know: I saw people sing them.) Your local karaoke bar doesn’t.”

Wildly Addictive: An Interview With Dutch Uncles John Freeman por John Freeman no The Quietus

Dutch Uncles acaba de lançar seu disco Out Of Touch In The Wild. O The Quietus entrevista o vocalista John Freeman que conta um pouco sobre suas intenções com o trabalho e a nova fase da banda.

“So Out Of Touch In The Wild hones in on addiction in all its virulent forms. “This new record is darker and more personal, despite the fact I was trying to do more character writing than ever.”

The New Electronic Brooklyn Underground por Andy Beta no Pitchfork

Uma análise do cenário eletrônico da Nova York pós LCD Soundsystem.

“Unlike European cities, New York City has no regard for the past when it’s inventing its present. It’s an immigrant city. It knocks itself down and rebuilds itself. The truth of New York is that it reinvents itself every 10 years; you can be living in the city and suddenly realize you don’t know it anymore.”

Toro Y Moi por Larry Fitzmaurice no Pitchfork

Toro y Moi lançou seu aguardado Anything In Return e contou bem pouco sobre seu novo disco e mais sobre sua vida, juventude e trajetória como músico.

“I’m so bad at lyrics. I’m always trying to get better. Sometimes, the song can restrict your lyrics– if you’re trying to make a poppy song, you don’t want to sing something that sounds like it could be on an At the Drive-In song.”

 2,725 total views

Autor:

Nerd de música e fundador do Monkeybuzz.