O Boom Bap proibidão do Febre 90’s

Resultado do encontro entre pumapjl e SonoTWS, o projeto reúne referências que vão de Bezerra da Silva a Lo-Fi – e merece toda a atenção de seus ouvidos

 679 total views

Bezerra da Silva era como um apóstolo das favelas cariocas, e sua obra, um Evangelho da Malandragem. Em um dos seus versículos mais populares, ele crava: “Malandro demais vira bicho”. O primeiro partido alto gravado pelo sambista – e composto por Nilo Dias em 1978 – é uma advertência àqueles que contam muita vantagem e se explanam além da conta, ao ponto de acabarem vacilando. “Você diz a todo mundo/ Coisas que você não faz/ E na roda de malandro/ Todos lhe chamam/ Malandro demais/ Deixa disso, rapaz”.

Em 2021, a música de Bezerra ganhou um novo capítulo, composto a quatro mãos, com o Rap de inspiração noventista do duo Febre90’s, formado pelo MC carioca pumapjl e o beatmaker de SonoTWS, de Jundiaí (SP). O segundo single da dupla tem o mesmo título da canção do sambista e descreve em terceira pessoa e de maneira sumária o dia a dia de um mano envolvido no tráfico. “Com pentão de 30 explanando que tá na vida/ Nos fininho de ouro carrega o nome da filha/ É o amor  que te move a explodir a barca da polícia”.

“A gente demora um pouco, vai fazendo mil versões para dar o máximo e chegar numa qualidade. Tem prévias que a gente lançou que a galera já sabe cantar. A gente faz devagarinho, mas ficamos tranquilos com o resultado. E também ninguém é patrão de ninguém para ficar tendo que correr. Nós vamos soltar quando tá no jeito”

O som é uma homenagem para Novin, amigo de pumapjl. “Tá ligado aqueles seus parceiro que tu conhece e parece teu irmão de sangue? Infelizmente o mano era envolvido, era outra vida. Esse caminho só tem dois fins, que é cadeia ou morte. Antes de eu fazer essa homenagem, o bagulho tava travado, para mim tinha acabado. Tudo que eu fazia de música, a primeira pessoa que eu mandava era pra ele. Tava num baque sinistro, o Sono lançou esse beat lindo e vi que tinha que ser uma homenagem pro mano”.

O som de pumapjl e SonoTWS tem uma sinergia que a própria dupla acha difícil de explicar. “O santo bateu. Foi a pureza que uniu nós, fluiu. Quando para dois [caras] pureza não tem como”, comenta puma. Nas descrições das redes sociais, o som é definido como “Música Popular da Selva de Concreto Brasileira”. De paisagens muito diferentes, é na simplicidade cotidiana que eles encontram um denominador comum entre o Morro da Mangueira, onde o MC reside atualmente, e o cinza paulistano de Jundiaí, terra natal do beatmaker.

Enquanto SonoTWS produz batidas com samples escavados com afinco e granulação natural das máquinas analógicas que utiliza, pumapjl vê no cotidiano a mina de suas rimas. Para ele, há beleza em acordar, botar um som e ir comprar um pão, trocar uma ideia com o vizinho, ainda que esse pequeno trajeto matinal inclua também jovens de fuzil logo em sua porta e uma barricada a caminho da padaria.

O duo já se encontrou em São Paulo em 2021, quando realizaram uma live do Febre90’s. A visita de SonoTWS ao Rio de Janeiro já está marcada para dezembro, quando eles pretendem lançar o último single do ano, com participação internacional ainda não revelada. “Se ele não vier, o Febre acaba”, diz pumapjl, enquanto o produtor promete até que vai fazer reflexo de bolinha em terras cariocas.

Se eu faço um stories aparecendo, por exemplo, eu não olho nunca mais porque eu penso ‘olha que xarope mano, vou deletar essa porra’, comenta Sono, rindo. ”Eu falo com o pumapjl: nós estamos criando um monstro. Nosso único chamariz é a música, se o mano gostou, entendeu e curtiu é isso que ele vai abraçar porque se não...
– Se não, não tem mais nada, pumapjl completa e ri.

Se Bezerra da Silva se faz presente no universo do MC, também poderíamos colocar João Nogueira como um segundo apóstolo. Nascido & Criado em Abolição/Pilares, pumapjl aponta o subúrbio (e seus melhores dias) como fundamentais nos assuntos que aborda: “Meu pai é pipeiro, viciado em Racionais, baloeiro, tá ligado? Umas paradas que se eu cantar na música vários menor vai se amarrar. Se eu não fizer isso, onde eu vou falar dessas coisas?”

O Febre90’s ainda dá seus primeiros passos, mas a parceria é anterior à decisão de formar uma dupla. Ambos se conheceram pela internet, após pumapjl enviar uma DM declarando seu encanto pelos beats de SonoTWS. Na mesma humildade, o beatmaker agradeceu, propôs de fazerem um som juntos e logo mandou uma seleção de batidas que resultaram em “Aquelas Coisas” e na faixa intro de Naturalidade, o primeiro EP do carioca. “Quando eu mandei esse beat [de “Aquelas Coisas”] a gente já tava rachando o bico, trocando ideia de videogame, várias paradas! Coloquei até o barulho que o Puma faz no começo do beat”, SonoTWS relembra com divertimento.

“Zona sul é coisas linda, olha a vista pro Vidigal/ Joga a cadeira na areia e aperta um do natural”. Com rimas cativantes e altamente relacionáveis, pumapjl é capaz de transportar o ouvinte diretamente para a capa do EP: um sábado ensolarado no Rio de Janeiro, querendo nada além de sossego. No entanto, linhas como “Entoca as bomba na mochila e manda os porco procurar/ Taca um terror nas madame só pra vê elas peidar”, presentes na mesma música, mostram que o MC nunca abandona o RJ State of Mind. Isso significa que nem as paisagens, as minas, a praia ou o balão são capazes de fazê-lo ignorar a violência urbana. Exatamente como naquele vídeo que flagra dois motoristas de ônibus do Rio de Janeiro brigando em pleno trânsito, comentado pelo cinegrafista amador: “Porrada vai comer, vai estancar. Mas que visual, hein? Pedra da Gávea! São Paulo não tem isso”.

Ouvinte assíduo de proibidão e podcasts de funk, pumapjl e seus temas cotidianos inevitáveis encontram lugar nas batidas noventistas de SonoTWS. “Eu comecei a rimar esses bagulho que os cara fala aí ‘de cria’ em Lo-Fi. Boom Bap é minha parada, não tem outro estilo que eu consiga me soltar tanto”. A paixão do MC pelas produções do parceiro é tamanha que se converte na humildade em reconhecer quando o beat já está falando por si só. O beatmaker chega a pedir: “rima nessa batida, por favor!”, mas segundo o carioca, há momentos que não dá para invadir e, mesmo quando ele rima, as músicas são “90% culpa do Sono”.

Além do funk, pumapjl é um homem de gostos simples. “De Rap ouço sempre as mesmas coisas, Racionais e Filipe Ret. E Sono. Ouvia também muito Odd Future, Madlib também, aquelas paradinha que tá sempre no fone, tá ligado?” Já o produtor está sempre apegado aos beats com bateria do Rap dos anos 90, apesar de desenvolver uma própria linguagem ao invés de copiar a fórmula da época. Na mesma pegada, ele recomenda os suíços do La Base & Tru Commerce, Da Steez Brothaz na Colombia e NATKAT da Dinamarca.

Nos comentários no YouTube de “Malandro Demais Vira Bicho”, um usuário os define como “rap artesanal”. Sono comenta: “É bem isso, a gente demora um pouco, vai fazendo mil versões para dar o máximo e chegar numa qualidade”. Com uma diferença de seis meses entre o primeiro single e o segundo, a expectativa dos fãs de Sono e de pumapjl, que agora são fãs do Febre90’s, se une. “Tem prévias que a gente lançou [em rede social] que a galera já sabe cantar. A gente faz devagarinho, mas ficamos tranquilos com o resultado. E também ninguém é patrão de ninguém para ficar tendo que correr. Nós vamos soltar quando tá no jeito”.

A paciência nos lançamentos do Febre90’s parece estar intimamente relacionada não apenas à “naturalidade” com que MC e produtor colocam em seus respectivos ofícios como também nas personalidades reservadas de ambos – ou como se diz na internet, o low-profile. No contexto da indústria musical contemporânea, temos inúmeros exemplos – que vão de Lil Nas X a MC Poze – de como redes sociais são uma extensão quase fundamental para experienciar a obra de determinados artistas. No caminho contrário, temos aqueles super reservados como Kendrick Lamar, que toda vez que aparecem são um evento. O Febre90’s não é nem um, nem outro: são apenas dois caras normais que gostam muito de fazer música e pouco (ou quase nada) de tirar foto.

Um dia antes da entrevista, SonoTWS trocou uma longa ideia com pumapjl sobre os prós e contras de ser low-profile. “A real é: a gente tem essa estética, somos assim, beleza. Mas a gente não pode parecer inacessível”, comenta o produtor. pumapjl adiciona: “Nego sempre fica com esse bagulho de ‘por que você esconde a cara?’, e não tem um motivo, tá ligado? Eu não escondo a cara porque pra começar eu não tiro foto, eu não tenho foto da minha cara. Eu faço outras coisas, jogo videogame, fumo maconha. Ficar tirando foto da cara? Não é minha brisa.”

Tanto MC quanto produtor têm ciência de que uma postura low-profile até demais pode ser uma barreira para que o som alcance mais pessoas, e estão tentando quebrá-las – até mesmo no Instagram. Sono comenta, e ri: “se eu faço um stories aparecendo, por exemplo, eu não olho nunca mais porque eu penso ‘olha que xarope mano, vou deletar essa porra’”. Se por um lado existem essas barreiras, por outro, os ouvintes do duo são orgânicos e fidelizados. No começo de outubro, o Febre90’s lançou o seu primeiro merch, uma camisa em colaboração com a marca BANAL, que esgotou em poucos dias. “Eu falo com o pumapjl: nós estamos criando um monstro. Nosso único chamariz é a música, se o mano gostou, entendeu e curtiu é isso que ele vai abraçar porque se não…” “Se não, não tem mais nada”, o MC completa aos risos.

Para a dupla, a maior das vantagens é entrar e sair dos lugares sem ninguém saber quem são. Apesar do desejo de não chamarem atenção, fica cada dia mais difícil ignorar o Boom Bap proibidão do Febre90’s, que prepara projeto de estreia para 2022 e é um dos atos mais interessantes do Rap nacional recente.

 680 total views