O Que Quer The Black Keys?

Com seu novo disco, duo deseja que os holofotes continuem voltados para si, sem que tenha que abrir mão do que gosta de fazer

 4,421 total views

Com mais de doze anos de estrada, sete discos lançados – a maior parte deles gravados em uma garagem e o restante em um grande estúdio – e um sucesso crescente que explodiu mundialmente com seus dois últimos álbuns, não surpreende que cada fã de The Black Keys tenha uma relação diferente com a banda.

Alguns começaram a ouvi-la desde cedo, em The Big Come Up ou Thickfreakness, quando eram dois rapazes da cidade de Akron, Ohio, gravando um Blues Rock pesado, cheio de personalidade para o importante e nem tão conhecido selo Fat Possum Records, mas vivendo sempre na sombra de comparações com The White Stripes – um crime para muitos, já que consideram o som de Dan Auerbach e Patrick Carney bem mais autêntico. Outros tiveram seu primeiro contato com o ótimo Attack & Release, primeiro trabalho deles em estúdio, com produção de Danger Mouse, muitos com o icônico Brothers e a inesquecível Tighten Up, ou talvez com El Camino, que deve ser o caso de boa parte do mundo, já que é o disco mais recheado de singles e que alavancou a banda a outro patamar, viajando o mundo em grandes festivais e shows, passando inclusive aqui pelo Brasil.

Os primeiros fãs sabem bem o quanto eles mudaram seu som durante a carreira, se distanciando do Blues Rock e passando mais para um genérico Rock Alternativo, balde heterogêneo em que são jogadas a maior parte das bandas surgidas após os anos 80 e que usam guitarra em sua composição. Mesmo assim, quem conheceu os rapazes por seus últimos trabalhos não os vê como um banda de Rock qualquer e continua enxergando toda aquela personalidade que para os puristas foi completamente deixada de lado pelo duo. O que poucos sabem, no entanto, é que Dan Auerbach e Patrick Carney também sentem essa mudança e vem sofrendo com esse dilema há alguns anos.

Não foi fácil para os amigos passar quase meia década fazendo um som de muita qualidade e não ter quase nenhum reconhecimento popular, restando apenas o título de “banda alternativa”, coadjuvante em festivais pelos Estados Unidos. Segundo Auerbach em entrevista para o jornal britânico Telegraph em 2012, “Nós éramos muito inseguros para ter uma música boa o bastante para poder tocar no rádio”, ou seja, eles queriam os holofotes, mas ao mesmo tempo não queriam abrir mão de sua essência, do que sabiam que faziam bem e que tinha conquistado para eles, poucos, mas fieis fãs durante os primeiros anos de carreira.

Attack & Release foi o resultado dessa tentativa de popularizar seu som. Traz muito do ouvido atento de Danger Mouse em um disco ainda com os pés no Blues Rock, mas com texturas mais diferenciadas e uma produção que era um salto para as gravações de garagem feitas anteriormente. O disco trouxe o primeiro grande single da banda, I Got Mine, que rendeu apresentações em programas de TV, uma turnê bem mais extensa em casas de show maiores e até o ótimo DVD Live at the Crystal Ballroom, nostálgico por trazer um show com músicas épicas, mas que foram completamente apagadas das turnês atuais da banda.

Mesmo com esse sucesso, o diabinho (ou anjinho, dependendo do ponto de vista) no ombro dos dois continuava falando: “Mas esses aí não são vocês! Que eu saiba, The Black Keys é um duo, não tem uma terceira pessoa produzindo”, o que fez com que Brothers, voltasse a ser um projeto apenas da dupla, mas a pulga atrás da orelha dos dois os fez chamar Danger Mouse para produzir uma única faixa, Tighten Up, que viria a ser o carro chefe do disco e a primeira a realmente bombar nas rádios, trilhas sonoras e nas paradas do mundo todo.

Foi aí que os dois não conseguiram mais largar o sucesso. Eles tinham uma banda com um som 100% autêntico, cheio de personalidade, mas que ninguém ouve e, de repente, mudaram algumas coisas e se tornaram uma das maiores bandas de Rock do mundo. Portanto, nada mais normal do que pensar que estavam sendo muito chatos e que estavam fazendo algo de errado antes. Foi aí que veio El Camino, novamente produzido por Danger Mouse, cheio de sucessos instantâneos e que parece ter fixado a banda em um nível de sucesso que ainda não haviam sonhado em chegar perto.

Mesmo assim, o disco não é um sucesso absoluto entre os fãs antigos, já que muitos consideram que forçaram demais em algumas faixas para encaixarem nas rádios e que todas soam mais ou menos parecidas. Para fãs do álbum, pode parecer uma loucura, mas o próprio Dan Auerbach não parece ter todo aquele carinho com ele, já tendo dito que não é seu favorito. Essa sensação de que todas as faixas se parecem, pode muito bem ser fruto da ideia do produtor, que sugeriu que Dan criasse primeiro as melodias vocais e depois tentasse encaixar as letras no meio, o que foi bastante estranho para o vocalista, mas resultou em grandes hits, com refrões grudentos e riffs dançantes.

Agora já com um nome bem consolidado, é que veio talvez o maior desafio da banda. Em entrevista recente à revista Rolling Stone americana, eles admitiram terem muito medo de que esse sucesso seja passageiro e ficam sempre nesse dilema entre tentar emplacar mais hits ou fazerem simplesmente o que gostam e sabem fazer.

A resposta parece ter vindo durante a gravação da faixa Weight Of Love, que estará presente em Turn Blue, oitavo disco, previsto para as próximas semanas. Foi divulgado que a música tem sete minutos e é um épico cheio de solos violentos de guitarra, o que na mesma hora animou a dupla que disse ter pensado “nós podemos fazer o que quisermos – vai ficar tudo bem”.

A trajetória de The Black Keys se assemelha a de muitas grandes bandas na história do já citado Rock Alternativo, mas cada uma delas tem um final diferente. Turn Blue parece trazer elementos da Psicodelia, o que pode tanto representar um retorno às raízes do que a banda mais gosta, quanto uma estratégia comercial, já que o estilo anda tão popular hoje em dia. De uma forma ou de outra, todos os holofotes estarão voltados para eles nas próximas semanas e a torcida é para que continuem assim, desde que seja por um bom motivo.

 4,422 total views

MARCADORES: Redescobertas

Autor:

Nerd de música e fundador do Monkeybuzz.