Onze Minas de Muito Respeito na Música de Hoje

No Dia Internacional das Mulheres, estas artistas nos relembram que o mundo é delas

 2,413 total views

“Respeita as mina” – as três palavras que tomaram conta da Web recentemente trazem, com um certo bom humor, a urgente mensagem de igualdade de gêneros que o 8 de março (Dia Internacional das Mulheres) proclama.

Na música (e, consequentemente, no Monkeybuzz), as tais “minas” sempre tiveram seus holofotes (há menos de dois meses, conversávamos aqui sobre como o bom Pop de hoje está nas mãos delas). Porém, como a mensagem da data merece ser divulgada (e estas mulheres merecem atenção), o site selecionou mais onze exemplos que nos relembram que o mundo é delas e por que “música” é uma palavra no feminino.

Janelle Monáe

“Sexo frágil” é o conceito mais datado possível sempre que o assunto é Janelle Monáe. Além de um trabalho que faz com que sobrem motivos para sermos fãs da moça, a artista e porta-voz de empoderamento feminino investe também em sua carreira nos bastidores com o selo Wondaland, o que faz com que seu valor vá ainda além da musicalidade e do visual chamativo já característico. Não bastasse tudo isso, a cantora fará sua estreia no cinema em breve, no filme Moonlight, cuja data de lançamento ainda não foi divulgada.

Kelela

Com dois EPs lançados, a norte-americana de ascendência etíope mostra-se uma das figuras mais interessantes em todo o R&B contemporâneo, chamado também de Alternativo. É sim uma questão de sua voz e interpretação, mas também do bom gosto pelas escolhas na produção, com um entendimento muito perspicaz daquilo que é mais orgânico e do que é mais sintético, e de como as duas coisas caminham juntas na música.

Yuna

Da Malásia para o mundo Pop, a cantora lançou uma das melhores músicas da temporada – Places to Go – e ainda revelou parceria com Usher (Crush) para promover seu álbum Chapters, com lançamento em maio. Como se comandar uma banda, compor, gravar, ensaiar e tudo mais não demandasse muito talento, Yuna possui ainda diploma em direito em seu país natal e comanda uma marca de roupas. “Só” isso.

Låpsley

Com um timbre vocal muito característico, mais grave e aveludado que a maior parte das vocalistas que cantam sobre uma camada Eletrônica, a artista britânica lançou um EP de respeito aos 18 anos e agora, cerca de um ano depois, vê seu primeiro álbum, Long Way Home, ser lançado. Com sensibilidade de sobra em sua interpretação e composições, eia uma mulher com uma longa carreira pela frente.

Corinne Bailey Rae

A britânica ganhou notoriedade com uma das melhores canções Pop da temporada 2006/2007, Put Your Records On, e acabou sendo taxada por alguns como “mais uma” dentro de um cenário presente em grandes premiações e trilhas sonoras. Com o tempo, ela revelou seu valor tanto como destaque criativo (e seu mais recente single, Been to the Moon, espanta qualquer dúvida quanto a isso), quanto sua força como pessoa – principalmente após o falecimento do marido em 2008. Com uma carreira de cada vez mais valor, Corinne deve seguir surpreendendo por ainda muito tempo.

Karol Conka

O recado da curitibana é dado em forma de Rap, sempre acompanhado de bons nomes da música Eletrônica – como Tropkillaz e Boss in Drama. Cheia de ginga e sinceridade, a artista não economiza palavras e cores para mandar sua mensagem sincera e feminista por todo o país, com direito a (merecidas) premiações da grande mídia. Continue assim, Karol.

Syd Tha Kid

Membra do coletivo Odd Future e vocalista do grupo The Internet, Syd conquistou seu espaço no meio predominantemente masculino do Hip Hop com um belo vocal e um visual que desafia os padrões esperados para um timbre de voz doce como o seu. Além de cantar, ela ainda é conhecida como produtora e como DJ. Todo respeito aqui é muito merecido.

FKA twigs

Tahliah Debrett Barnett vem como uma artista completa para o século 21, já que não só compõe, canta e toca, como também dança e dirige clipes. Melhor ainda é como ela investe (com muito sucesso) em um som sempre inventivo e bastante diferente daquele comum a um mainstream que parece querer abraçá-la cada vez mais – e ela merece ainda mais que isso.

Lianne La Havas

Passado e presente misturam-se nas referências da cantora, que soube conquistar atenção, carinho e respeito de muitos admiradores da música para além de sua Inglaterra natal em dois álbuns e algumas músicas incríveis. Seu potencial criativo só não é maior que sua enorme interpretação, o que sempre consegue ganhar um grande público – algo que ela fez sem perder sua personalidade em qualquer momento.

Esperanza Spalding

A moça, que ganhou hoje um artigo dedicado somente a ela no site, entra na lista com suas apostas estéticas certeiras na hora de mostrar suas composições e seu talento como cantora, intérprete e baixista. Multipremiada e elogiada ao redor do globo, a estadunidense segue impondo respeito ao transitar do Jazz ao R&B contemporâneo sem esconder ser fã de gente tão variada como Madonna e Milton Nascimento. Não duvide, o mundo é dela.

Elliphant

Um dos ícones da veia mais alternativa do Pop, que tem ainda MØ e Grimes entre exemplos, a cantora sueca impõe respeito ao passar sua mensagem sem medo dos rótulos. Sempre muito bem acompanhada, ela deu voz a Too Original, um dos sucessos do grupo Major Lazer, e prepara parcerias com Skrillex, Azealia Banks e Gyptian, além dos já mencionados MØ e Major Lazer, em seu próximo disco, Living Life Golden. Tá bom asim? Sim, com certeza.

 2,414 total views

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.