Os 15 anos de Los Hermanos Retratados em Covers

Responsável por ensinar toda uma geração a ouvir música brasileira no início da década passada, a banda carioca ganha uma homenagem em uma coletânea com regravações de mais de 30 artistas promovida pelo site Musicoteca

6,109 total views, 2 views today

Nenhuma outra banda foi tão relevante no cenário musical brasileiro da última década quanto a Los Hermanos. Prova disso é a coletânea Re-Trato, que traz diversos artistas influenciados pelo som da banda gravando 30 releituras de suas músicas.

Essa relevância toda vem da mistura no som que Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba fizeram desde seu primeiro disco (na época, ainda um quinteto com o baixista Patrick Laplan), uma reunião de estilos brasileiros, principalmente o samba, com vertentes contemporâneas do rock – a origem do sub-gênero “MPB Indie” tão em voga hoje em dia (aquela música pesadinha ou sujinha demais para ser MPB, mas com letras, instrumentos e elementos de uma sonoridade que só se encontra por aqui).

Sua discografia, composta por apenas quatro álbuns, pode parecer pequena para gerar tantas regravações (já que nenhuma delas se repete), mas a obra dos cariocas é tão querida entre o público que várias das faixas são bem conhecidas mesmo sem nunca terem sido divulgadas amplamente, como em rádios ou através de clipes.

Além disso, cada um dos quatro discos tem uma cara muito própria, seja o Hardcore carnavalesco da estreia Los Hermanos (1999), o Samba Rock melódico de Bloco do Eu Sozinho (2001), o Indie Ventura (2003) ou a MPB Experimental de 4 (2005). Essa diversidade certamente ajudou o produtor Pedro Ferreira a escalar os artistas presentes na coletânea.

Entre novatos e nomes já aclamados da música brasileira, como Velhas Virgens, Wado, Pélico, A Banda Mais Bonita da Cidade, Cícero, Dan Nakagawa, Nevilton, Rafael Castro e Tiago Iorc – todos nomes que acompanharam a carreira do quarteto e, de alguma forma, foram influenciados por eles.

“Foi uma banda muito importante pra minha geração”, nos contou Eduardo Praça, vocal e guitarra da banda Quarto Negro, “eles aproximaram muito os jovens da música brasileira, que foram atrás de muita coisa nacional por causa deles”. Sobre o trabalho da sua banda na Re-Trato, com a música O Vento, ele disse: “Gosto muito de produzir uma música popular que é menos fútil, menos banal, e que colocou muita gente para ouvir música brasileira”.

O cantor Phillip Long trouxe sua bagagem Folk ao projeto, consciente da responsablidade que é regravar Sentimental. Segundo ele, “Los Hermanos é uma banda cultuada e por merecimento, os fãs veneram e tal, então assusta bastante fazer uma versão. No fim, eu tirei um pouco isso da cabeça e pensei em fazer algo com a minha cara, tentei me virar na minha onda”, e completou dizendo que “é lógico que o público não pode esperar ouvir uma versão imaginando o Los Hermanos tocando, são artistas com trabalhos distintos e que estão prestando uma homenagem a essa banda incrível”.

O trabalho de Phillip já pode ser conferido no EP teaser que saiu no fim de fevereiro, que traz também a banda Do Amor (Todo Carnaval Tem Seu Fim), Nuvens (Adeus Você) e Velhas Virgens (Anna Júlia).

E não é à toa que essa coletânea está saindo agora. 2012 marca os 15 anos do surgimento da banda, o que é também uma “desculpa” para uma disputada turnê em diversas cidades brasileiras, que já ganhou status de big event, com ingressos esgotados em poucas horas e muito choro de quem não conseguiu garantir o seu.

Mais do que isso, hoje é o tempo em que mais vemos trabalhos que beberam diretamente da fonte do trabalho dos barbudos. Discos como Canções de Apartamento, do Cícero – presente em diversas listas de “Melhores de 2011” – são identificados como referências na sonoridade do que é feito pelos novos artistas, ao mesmo tempo que as comparações com a obra dos Los Hermanos é inevitável.

Re-Trato tem lançamento previsto para o início de abril, com download gratuito diretamente no site da Musicoteca.

6,110 total views, 3 views today

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.