Post-Rock, Belo em sua Complexidade

O gênero de bandas como Sigur Rós (foto) consegue encantar o ouvinte, seja na intimidade ou em festivais, com um som que não teme as experimentações

4,186 total views, no views today

Fotos: Sigur Rós

Post-Rock. Esse nome pode soar estranho. É um estilo que vem depois do Rock? Como assim? Acabou o Rock ou quem inventou isso não tava bem da cabeça? Bom, vamos lá. O uso de “Post” neste caso é diferente do uso nos estilos como Post-Punk, Post-Metal e Post-Grunge, nos quais a palavra tem sim o sentido de tempo adiante, posterior. A sua função, nesses casos, é de informar que o som é feito ou a partir de um estilo, ou feito em contrapartida a ele. Neste caso aqui, “Post” tem a função de simbolizar o avant guard e o experimental com uso de timbres e elementos que não são comuns no Rock.

No caso, esses elementos provêm muito do Experimental, de sons étnicos, percussões alternativas e também do Jazz, que possui uma forte carga instrumental e boas linhas sólidas que conseguem perdurar por longos minutos – mais uma característica do gênero. Seu nome foi um termo inventado para rotular o disco de estréia da banda Bark Psychosis, Hex em 1994, que já apresentava praticamente todos os elementos que conhecemos hoje no Post-Rock.

Como você pode perceber, os anos 90 foram a década de surgimento propriamente dito do estilo. Bandas como Tortoise, Sígur Rós e Mogwai despontaram na mesma época, trazendo junto outros artistas que vieram a construir a primeira leva do Post-Rock. Futuramente, no final dos anos 90/começo de 2000, o gênero ganhou novo fôlego com bandas como Mono e Explosions in the Sky, por exemplo.

Apesar de soar bem parecido com a Ambient Music, o Post-Rock possui um certo ar mais comercial que esse outro estilo não apresenta, se limitando apenas a trilhas sonoras de filmes ou jogos. Mesmo se tratando de uma música mais intimista e não muito mainstream, as bandas do gênero se apresentam em festivais e shows pelo mundo todo, que geram até mesmo filmes – como é o caso do Sigur Rós que possui dois documentários, Heina e Inni, que contam com cenas de shows da banda.

É notável que o Post-Rock é um estilo complexo, bem elaborado e de difícil “deglutição” por completo – mostrando aí as influências do Jazz. Essa característica, associada com a exposição em altos e baixos de emoções em algumas músicas, ou com a sublimidade constante, faz o estilo ser facilmente identificado como muito bonito, tanto tecnicamente quanto sonoramente falando. Uma verdadeira uma obra de arte.

Discografia:

Bark PsychosisHex TortoiseMillions Now Living Will Never Die MogwaiHardcore Will Never Die, But You Will Sigur Rós() MonoHymm To The Imortal Wind Explosions in The SkyThe Earth Is Not a Cold Dead Place

4,187 total views, 1 views today

Autor:

Marketeiro, baixista, e sempre ouvindo música. Precisa comer toneladas de arroz com feijão para chegar a ser um Thunderbird (mas faz o que pode).