Redescubra: Basement Jaxx

Duo incita retorno às produções com novo álbum e muita expectativa dos fãs da década de 90

1,544 total views, no views today

Definitivamente, Basement Jaxx faz parte daquele seleto time de produtores que não fazem música só por fazer. Na surdina há cinco anos, Simon Ratcliffe e Feliz Buxton agora, mais do que nunca, tem um motivo para voltar. A cena musical nunca esteve numa bolha mais rotineira. Alguns dos maiores projetos estão voltando e trazendo consigo conceitos de como a música deveria se reiventar. Essa é a hora que o duo londrino deveria arregaçar as mangas e trazer o estouro da década de 90 de volta.

Basement Jaxx tem um currículo de se impressionar. Foram, ao todo, cinco álbuns de estúdio, quatro compilações e nada menos que treze EPs desde 1994, o surgimento do projeto há 20 anos, misturando as batidas mais cruas do R&B com a estrutura do House, as pitadas do Groove que Ratcliffe não abre mão, e o sangue Chicago de Buxton. Desde o início, já começou chutando a porta com a Atlantic Records, no mesmo ano, tudo ficou mais fácil para o lançamento do primeiro EP com o glorioso DJ Tony Humphries. O segundo não abaixou a cabeça e veio com vocal de Corrina Joseph. Foi quando o single Samba Magic estourou e o duo consagrou-se como um dos artistas mais cotados da gravadora Virgin. Os críticos já tinham descoberto a dupla e o House do momento nos Estados Unidos e Reino Unido já tinha nome. Foi quando os dois começaram a assinar remixes de gente grande, como Pet Shop Boys, Yin Yang e Roger Sanchez. O terceiro EP veio em seguida e o sucesso veio com Flylife, atingindo o ranking das 20 melhores faixas da Inglaterra.

Esses prêmios serviram somente como portfólio para acesso a um estágio maior. Somente com bons trabalhos assim que nossa dupla conseguiu dar um passo acima no degrau quando assinou com a XL Recordings e lançou seu primeiro LP, em 1999. A casa também de The Prodidy apostou firmemente no projeto, que, com um só single – Red Alert -, já fazia parte de comerciais da Nickelodeon e Coca-Cola. Como o usual, esse foi o trabalho que mais teve hits até hoje. Jump N’ Shout, Bingo Bango e Rendez-Vu etraram nas paradas do Reino Unido e alcançaram posições incríveis. Um ano depois, já vieram com Rooty, nome que traz menção à balada que foram residentes em 2001, depois de uma turnê mundial. Romeo, Just 1 Kiss, Get Me Off e, principalmente, o estrondo Where’s Your Head At completaram a lista de sucessos do registro.

Kish Kash, terceira obra de arte, veio como descanso aos músicos. Depois de exaustivos shows, o álbum serviu como uma forma de se estabilizar em casa e deixar a criatividade fluir no tradicional estúdio de Brixton. Foi quando desenvolveram uma aproximação, focaram na composição, e vieram mais fortes ainda na voz e guitarra. Era o momento de ousar, como os integrantes mesmo da banda disseram, deixar as influência do passado pra trás e trazer algo novo. E levaram isso muito a sério. Estavam ouvindo de Radiohead a Timbaland, de The Neptunes a System Of A Down. Como traduzir isso em produções? Chamaram um time muito variado para trazer essa veia de variedade que Basement Jaxx queria passar. Dizzee Rascal, a incrível Me’Shell N’Degeocello e JC – sim, do NSync – foram alguns dos colaboradores do disco.

Depois dessa salada, ainda tivemos Crazy Itch Radio, em 2006, e Scars, em 2009. O primeiro trouxe Lily Allen e Robyn para ilustrar os vocais. Dois anos depois, já estavam escrevendo para Cyndi Lauper, Bring Ya To the Brink, Rocking Chair. O segundo, e último, foi para a emissora BBC Radio 1 com vocais de Grace Jones e até houve colaboração com Metropole Orkest.

Falar de Basement Jaxx pode ser maçante, extenso. Esse currículo, como foi dito anteriormente, é de dar inveja a muito artista. E estamos falando de uma volta, de artistas que vem ciscando com novidades aos poucos para denotar uma volta. Depois de cinco anos, o par já liberou Unicorn, Never Say Never (com a participação do cantor britânico ETML), Power to the People e Mermaid of Salinas/Mermaid of Bahia (até uma breve passada pelo Brasil) e já tem um próximo LP à vista. O nome do sexto álbum é Junto, tem treze faixas e previsão de lançamento para o dia 26 de agosto deste ano pelo selo Atlantic Jaxx/PIAS.

Ficar um tempo sem produção não é o caso de esfriar o mercado e perder aquela essência icônica do projeto no gênero. Voltar depois de cinco anos trouxe a responsabilidade que Basement Jaxx tem de ditar o que vem a seguir, afinal, ter essa bagagem é um privilégio que poucos que estampam os rankings hoje tem.

Basement Jaxx tem, em seu DNA, um ímpeto de inovação com o qual poucos artistas se importavam nos anos 90 dentro deste nicho. Seja com Jazz, House, R&B, Chicago, os músicos se fazem presentes e ícones no que se propõem. E a fórmula é simples: Observam dentre diversas possibilidades o que é original e tem boas chances de se firmar como tendência e mastiga de uma forma bem comercial, com vocais bem iluminados, loops, sintetizadores animados e uma aura que só aquela década carrega consigo. E não só isso. A dupla vem com uma série de registros que são dignos de comparações com artistas fortes dos 1990, como Daft Punk, lançaram muito mais registros que eles e demonstram muito mais coragem em se adaptar a coisas novas.

É disso que Basement Jaxx é feito: de ter ambição o suficiente para dar a cara à tapa para experimentar. Trazer o novo. Ousar. E quem faz dessa miscelânea sua identidade, fica cada vez mais fácil inspirar, trazer sua alma à música e servir de referência às próximas gerações.

1,545 total views, 1 views today

ARTISTA: Basement Jaxx
MARCADORES: Acid House, Acid Jazz, House

Autor:

Publicitário que não sabe o que consome mais: música, jornalismo ou Burger King