SINAPSE: viagem astral

Nala Sinephro, John Coltrane, Pharoah Sanders e a (consciente) procura por uma consciência superior

 896 total views

Fotos: Mariana Poppovic

Um músico e suas livres associações nas zonas de contato da arte (sempre às quartas-feiras).

 

 

O SOM AO REDOR

Nala Sinephro, Pharoah Sanders e a viagem astral.

 

Nala Sinephro é uma jovem musicista de ascendência belga-caribenha que reside em Londres. No final do ano passado, a instrumentista, compositora, produtora e engenheira de som, debutou no mundo da música com o seu primeiro álbum intitulado Space 1.8.

Um perfil feito pela Pitchfork descreve Sinephro como uma jovem de personalidade forte, mas que fala baixo e se interessa pela natureza. Sua introspecção parece se refletir na sua música, feita para ser ouvida de olhos fechados, como se convidasse o ouvinte a um mergulho interior.

Sinephro descreve o seu processo de composição como uma espécie de transe: “Quando produzo este tipo de música, eu tenho que estar muito aberta e me render ao som. Eu alcanço um estado de transe induzido no qual eu posso tocar a mesma nota por 10 minutos seguidos se eu estiver sentindo vontade. Enquanto minhas mãos fazem o trabalho, eu estou quase a sonambular”.

Todas as faixas do disco são intituladas “Space”. A palavra assim, reiterada, evoca algo insistente e circular. A sonoridade do disco também avança por redemoinhos. A repetição possui a capacidade de induzir um estado meditativo, que se confunde com algo cósmico, como o movimento dos astros e planetas ao redor do sol.

Essa performance da musicista francesa Hélène Vogelsinger é um bom exemplo de uma música que, em sua repetição, avança para algo grandioso. No vídeo, sintomaticamente, a câmera filma enquanto executa um movimento de translação ao seu redor.

Vogelsinger lançou um álbum em 2020 chamado Contemplation. As músicas, por sua vez, possuem nomes como “Astral Projection”, “Gratitude” e “Illumination”. Essas palavras, vindas de uma tradição new age, indicam o estado de espírito de sua música.

Nos anos 1960, insuflado pelas transformações sociais efervescentes nos EUA, o jazz iniciou uma jornada de autoconhecimento. O chamado “Spiritual Jazz” foi epitomizado por John Coltrane e seu álbum A Love Supreme, concebido como “um humilde oferecimento a Deus”. Depois, Coltrane lançaria álbuns com títulos sugestivos de OM, Meditations e Ascension . Outros expoentes do movimento são pessoas próximas ao músico: Alice Coltrane – que, após a morte do marido, abandonou a vida secular e se mudou para um Centro Vedanta – e também por Pharoah Sanders, o saxofonista que tocou com ambos.

Há algo curioso, no entanto, que une estes artistas e que não diz respeito necessariamente às esferas mais distantes da existência, mas sim a uma escuta da natureza.

Hélène Vogelsinger, por exemplo, para a gravação de sua performance, primeiro visitou o mosteiro abandonado no qual se apresentaria. Tirou fotos, fez vídeos e gravou algumas paisagens sonoras do local. Só a partir daí é que começou a criar a fundação musical da composição.

Em Space 1, a faixa de abertura do álbum de Nala Sinephro, é possível ouvir alguns pássaros que gorjeiam delicadamente no plano de fundo da composição. A gravação dos animais parece ser uma obsessão para a artista que, durante os primeiros momentos da pandemia, retornou a Martinica para perseguir um pássaro pelos bosques tropicais da ilha.

Já Pharoah Sanders, quando entrevistado pela revista New Yorker, na ocasião do lançamento do ótimo álbum Promises – uma parceria entre o músico eletrônico Floating Points, a Orquestra de Londres e Sanders – revelou que não escuta muita música hoje em dia. Prefere, ao invés, “prestar atenção nas ondas da água, num trem que passa ou em um avião decolando”.

Descritos pelas pessoas que os conhecem pessoalmente como músicos quietos, que falam em volume baixo, Sanders e Sinephro parecem usar a escuta como um verbo de ação, prestando atenção no ambiente a sua volta. Como escreveu o crítico musical Amiri Baraka, a música é como “uma consciente procura por uma consciência superior”.

 

 897 total views

Autor:

é músico e escreve sobre arte