Tantas Coisas com Sofi Tukker

Desta vez, duo respondeu perguntas sobre influências e inspirações

1,962 total views, no views today

Nós já ouvimos as músicas, agora é a hora de conhecermos um pouquinho mais sobre as pessoas por trás dos discos que tanto ouvimos. No Tantas Coisas, os artistas revelam ao Monkeybuzz detalhes de suas histórias, suas carreiras e predileções, tudo sem enrolação.

Sofi Tukker

(Pela primeira vez na coluna, duas pessoas foram entrevistadas de uma só vez. Isso aconteceu durante a primeira e mais recente passagem do duo no país, no início de abril, para show em São Paulo, quando Sophie e Tucker receberam a redação do site no hotel para este bate papo)

Que bandas e artistas mais tiveram impacto em suas decisões de seguirem carreira com música?
Sophie: Para mim, Feist. Eu a vi ao vivo e pensei: “Quero fazer isso”. Tucker: Eu provavelmente tenho muitas respostas e elas são bastante estranhas e misturadas. Eu diria que uma foi Crystal Castles. Outra… quando eu estava na escola, eu estava em uma fase meio Indie, meio Pop Rock, e ouvia muito Cobra Starship – e o vocalista hoje é meu amigo (risos). E não sei quais DJs de House, mas quando essa cultura toda veio à tona, foi tudo muito inspirador para mim, eu queria fazer parte disso.

O que faz uma música ser boa? Sophie: Essa pergunta é muito difícil. Nós sabemos o que é bom e o que não é, mas não sei se tem um jeito de descrever isso. Tucker: Não tem uma fórmula. É uma coisa de sensação. O motivo de darmos o nome Soft Animals foi por causa de um poema de Mary Oliver que diz: “Let the soft animal of your body love what it loves” (“deixe o animal sensível de seu corpo amar aquilo que ama”, em tradução livre). Se algo te faz se sentir bem, feliz, animado ou reflexivo… Sophie: Sim, qualquer reação que não seja muito analítica. Tucker: Isso, uma reação mais natural.

O que vocês fazem para se inspirar?
Sophie: Saímos, dançamos e ouvimos as músicas que as pessoas amam. Tucker: Eu adoro sair em Nova York e apenas observar as pessoas. Sophie: Eu observo menos as pessoas e danço mais mesmo (risos). Tucker: É legal porque, antes mesmo de ser permitido ser gay, ou trans ou qualquer outra coisa, a vida noturna em Nova York já fazia isso, essas pessoas iam para lá para serem elas mesmas. E a música House tem um papel importante nisso. Então há uma sensação de liberdade, de empoderamento, na noite de NY que me inspira pra caralho.

1,963 total views, no views today

ARTISTA: Sofi Tukker
MARCADORES: Tantas Coisas

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.