The Maccabees: A Saudade de “Colour It In”

Fim da banda alavancou a nostalgia de ouvir seu disco de estreia, lançado em 2007

1,859 total views, 1 views today

Sabe aquele disco lançado há algum tempo que você carrega sempre com você em iPod, playlist e coração, mas ninguém mais parece falar sobre ele? A equipe Monkeybuzz coleciona álbuns assim e decidiu tirar cada um deles de seu baú pessoal e trazê-los à luz do dia. Toda semana, damos uma dica de obra que pode não ser nova, mas nunca ficará velha.

Colour It In

Pois é, acho que só acho que só agora que a ficha realmente caiu: The Maccabees acabou. É triste pensar que não veremos mais um álbum dos ingleses, porém me alegra ter visto quatro deles saindo, sendo cada um bastante cativante à sua própria maneira. Me alegra também ter visto a banda tocando por palcos brasileiros pelo uma vez – e com seu álbum mais proeminente, o ótimo Given To The Wild.

Depois da chocante notícia de separação do grupo voltei a ouvir sua discografia para lidar com o luto de uma das bandas que marcaram minha adolescência e começo de vida adulta. Confesso ostentar certo “hipsterismo” em relação ao quinteto pelos idos de 2008, quando The Maccabees uma espécie de segredo pessoal – uma daquelas bandas que você ouve e quer só pra si, como uma espécie de tesouro guardado a sete chaves. Isso, felizmente, passou e, durante os próximo anos, viria a conhecer mais tantas outras pessoas que partilhavam a identificação com as músicas dos ingleses.

Acho que o principal ponto que tornava para mim a banda tão interessante, ainda mais em 2007/2008, quando, mesmo sendo um dos integrantes daquela fervilhante cena Indie Rock do Reino Unido, o grupo conseguia ter certa personalidade e se afastar daquela sonoridade de Arctic Monkeys, Muse, The Libertines e The Kooks, entre outras tantas daquele boom inglês. The Maccabees tinha algo em sua sonoridade que a tornava diferente, existia um desejo de grandiloquência já nos primeiros discos, mas que ficariam mais evidentes somente com a chegada de Given To Wild.

O luto da banda que se foi munido de certa nostalgia me fez revisitar não este terceiro, mas o primeiro disco do grupo: Colour It In. Dono de treze faixas calcadas no Indie Rock, este foi o disco que me apresentou a banda que logo rumaria ao topo do meu Last.fm (sim, sou da época em que o serviço ainda fazia sucesso) e ficaria lá por muito tempo. A descoberta não foi tão fora de época assim, apenas um ano depois de seu lançamento, veio através de um extinto programa da TV inglesa BBC que tinha como foco bandas que estavam sacudindo as estruturas na Terra da Rainha.

O vício veio pra ficar e ao longo de alguns anos as faixas preferidas do álbum se alteravam – da agitada X-Ray com suas guitarras gritantes, à empolgante Latchmere e suas sobreposições de vocais, Tissue Shoulders e sua percussão impaciente, ou First Love com os riffs incendiários. Até mesmo a romântica Toothpaste Kisses já entrou no rol das mais queridas. No fim das contas, era um disco completo e recheado com diversos momentos diferentes, em grande parte bastante divertidos.

Fruto de uma época em que o Indie Rock estava em seu ápice comercial, o grupo pareceu não abraçar completamente a ideia da Rock comercial que vinha sendo feito por outros tantos da mesma cena. Havia, já ali, uma aspiração há algo maior, com mais substância – mas sem ser de qualquer forma pretensioso. Faixas como Precious Time, Happy Faces e Lego já apontariam ali para o que o grupo apresentaria no futuro, principalmente em seu segundo disco, Wall of Arms, lançado dois anos depois.

Wall of Arms foi um álbum bem mais completo e ambicioso que Colour It In, mas não foi ele que me apresentou o som do grupo. É claro que tem seu espaço e importância dentro da minha própria “discografia comentada” da banda – e certamente merece um Fora de Época especial -, mas, nessa onda de nostalgia e luto, o que me chama mais a atenção em um primeiro momento é o tão festejado debut. Um disco empolgante na medida certa, Indie Rock na medida certa, inventivo na medida certa.

Obrigado por tudo, The Maccabees. Foi bom enquanto durou.

1,860 total views, 2 views today

ARTISTA: The Maccabees
MARCADORES: Fora de Época

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts