Uma Década (Mais ou Menos) de Céu

Disco de estreia da cantora merece ser ouvido em qualquer tempo

 1,921 total views

Sabe aquele disco lançado há algum tempo que você carrega sempre com você em iPod, playlist e coração, mas ninguém mais parece falar sobre ele? A equipe Monkeybuzz coleciona álbuns assim e decidiu tirar cada um deles de seu baú pessoal e trazê-los à luz do dia. Toda semana, damos uma dica de obra que pode não ser nova, mas nunca ficará velha.

Céu

Se você parar para pensar, ouvir música é um ato sempre anacrônico, já que mesmo um lançamento recente chega aos nossos ouvidos em descompasso da linha do tempo do artista, seja incluindo o período de produção ou o que leva para o disco pronto chegar aos nossos ouvidos. Tá aí também um motivo dos shows serem tão especiais, já que não só o espaço é divido com os músicos, como também justamente o tempo.

Minha relação com Céu foi anacrônica por natureza, já que eu tive a impressão de tê-la conhecido antes da grande maioria dos meus amigos, mas só ter começado a ouvi-la de fato muito tempo depois. Tanto é que eu só fui comprar seu homônimo disco de estreia em 2009, quando Vagarosa já estava para sair. Mas lembro-me de entrar em uma loja perto do meu trabalho na época e encontrar o CD em promoção – “já era”, pensei, e a história (re)começa aí.

Como grande parte da população, cheguei fisgado por Lenda e Malemolência (que tiveram sua importância para mim lá por 2006, um ano após o lançamento, e eu ouvia como os grandes hits que foram na época, pelo menos no meu meio social) e fiquei por algumas favoritas pessoais, como 10 Contados (ok, preferida minha e de meio mundo, eu sei) e Valsa Pra Biu Roque (uma das melodias mais bonitas que ouvi naquela segunda metade de década). Foi um disco que me acompanhou muito em horas-extras no escritório, rascunhos de textos e dicas de música para os amigos.

Nessa relação de linha de tempo meio zuada, fui ver Céu ao vivo pela primeira vez – acreditem – só em 2015, com a turnê de seu DVD ao vivo. Saí do show com Malemolência na minha cabeça por dias e dias, daí precisei ter a “recaída” que uma baita performance merece causar em qualquer um. Foi bom me apaixonar novamente por Roda, Ave Cruz e Mais um Lamento, para citar algumas. Aliás, a sempre citada Concrete Jungle continua a belezinha que sempre foi – isso merece ser dito.

Talvez ouvir um disco seja um ato anacrônico porque as canções, quando lançadas, se eternizam, então as medidas que conhecemos de relógios e calendários não são eficazes. Logo, sempre dá tempo de ir atrás de uma obra dessas se você ainda não teve a experiência, daí também a recomendação deste artigo – ou você acha que a seção chama-se Fora de Época à toa?

E se alguém ficou curioso, eu ouvi Caravana, Sereia, Bloom assim que saiu. Já Vagarosa… seria altamente embaraçoso admitir quando parei para escutá-lo pela primeira vez (ok, foi em 2012).

 1,922 total views

ARTISTA: Céu
MARCADORES: Fora de Época

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.