Voz e Violão Para Almas Inquietas

Na voz de Eddie Vedder, trilha de “Na Natureza Selvagem” consegue despertar o aventureiro dentro de cada um

 3,998 total views

Minha relação com Na Natureza Selvagem (Into the Wild, 2007) é bem pessoal. Lembro quando o filme saiu nos cinemas e fez barulho por ter sido a estreia do ator Sean Penn na direção, mas não consegui ver. Uma amiga me deu o DVD no natal do ano seguinte e eu gostei muito. Decidi ver uma segunda vez e me apaixonei de vez.

No meio tempo entre o cinema e o DVD, ganhei de uma outra amiga (sim, estou rodeado de pessoas incríveis) um CD com a trilha, toda feita por ninguém menos que Eddie Vedder em seu primeiro álbum solo completo. Mesmo antes de me apaixonar pela produção cinematográfica, o longa já ganhava meu respeito apenas por suas músicas.

Eu já tinha lido a história de Christopher McCandless anos antes. Recém-saído da faculdade, ele abandonou tudo, se auto-batizou como Alexander Supertramp e foi em direção ao Alaska viver na tal “natureza selvagem” do título em português. Toda sua jornada como andarilho, documentada em seus diários, foi transportada com muito coração para as telas.

Não é muito difícil se identificar com Alex – conheço vários dele por aí. Apaixonado por livros e letras, ele encontra grande companhia em seus autores preferidos, o que sempre foi uma fuga para a situação em que vive com a família, até o momento em que ele precisa de uma evasão maior e deixa tudo pra trás.

O trabalho de Vedder traduz isso em músicas interpretadas com toda a alma. O eco em sua voz – uma das mais célebres da história do Rock – parece alongar ainda mais as composições levadas ao violão, aquele tipo de música que parece buscar meios de ser colocada para fora, ser levada além.

Combinada com com as belíssimas imagens da paisagem norte-americana e diálogos que parecem ter um pedacinho de todos nós, a trilha de Na Natureza Selvagem vem como uma experiência que deve agitar o Supertramp que há dentro de qualquer um.

 3,999 total views

MARCADORES: Trilha-Sonora

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.