Yearbook of Techno: Entropia-Entalpia

Toda semana, vamos apresentar por aqui um formando diferente da “Escola do Techno”

386 total views, 5 views today

Fotos: Eduardo Urzedo/Monkeybuzz

Matheus Barros Dornelas Câmara, 21 anos, Recife, fã da série Lost.

Daqui dez anos, eu…

Espero ter mais versatilidade como artista do que tenho hoje em dia. Sempre me considerei muito camaleão, me adapto muito bem às coisas e às novas linguagens, tanto tocando com banda quanto fazendo live. Minha pira é sempre aglomerar mais referências para poder chegar em outros lugares. Espero estar tocando em vários lugares diferentes com um monte de projetos malucos. E, claro, continuar com meu live; tenho muito carinho por ele.

Se eu pudesse escolher um poder seria…

Ter ouvido absoluto. Ter a audição indestrutível. Nunca perder a audição ou os movimentos dos braços.

Se eu fosse dominar o mundo…

Faria a sociedade mais justa e igualitária. Não sei bem como eu faria isso, mas acho que ninguém sabe ao certo, mesmo. Mas se eu fosse dominar o mundo eu não faria uma dominação, né? Dominaria para liberar.

No meu baile de formatura eu quero entrar com…

Minha namorada, minha mãe e avós – elas são muito engraçadas. Acho que elas iam gostar muito do meu baile de formatura. A Cashu e o Benja também.

E na entrada do baile eu quero ouvir…

The Temptations – “I Wish It Would Rain”.

E vou servir o ponche batizado para…

Acho que daria pra minha avó.

Na Escola do Techno o meu grupo é…

Ando em vários grupos na realidade. Desde o grupo da galera que saiu da escola comigo e aprendeu a tocar – o Benja que é um pouco desse grupo também, o Martinelli e o Ramenzoni, Guedes, Vilaça do minimal agora… Mas grupo, grupo mesmo, eu estou mais ligado na Mamba. A Mamba é uma sinceridade muito grande e muito família num sentido de confiança. Me sinto muito protegido.

O maior mico que eu já passei em uma festa…

Foi em uma Kubik (acho que toquei só três vezes lá), com meu projeto com o Save The Cosmos. Eu fiquei muito louco, nem lembro direito do que aconteceu. Bebi horrores e, quando fui embora, descobri que tinha gastado mais de 200 conto em consuma. Por sorte, quando eu cheguei ao caixa, o produtor estava passando e disse “pode liberar ele”. Se não, tinha gastado 500 conto e tinha, tipo, 10 reais na carteira.

O meu look do baile é…

Sandália Havaiana e camisa de botão. Ia misturar um look escritório com praia.

O clube que eu fundaria na Escola do Techno é o…

Para estudar música com código e autogenerativa. É um pouco do que eu estou começando a pesquisar agora. Criaria o grupo da Algorave, a galera que faz live só digitando código.

Eu sou o orgulho da minha família e dos meus amigos, porque…

Não sei se eu sou o orgulho da minha família… Vai, talvez eu seja. Sou muito cuidadoso com as coisas e pessoas. Nesse meio em que todo mundo briga por WhatsApp, eu ainda tento apaziguar as coisas e entender o lado dos outros.

387 total views, 6 views today

MARCADORES: Entrevista