Resenhas

Andrew Bird – Inside Problems

Veterano do indie folk chega ao 15º disco mais despojado do que nunca e, com belas (e assertivas) letras, constrói repertório para novos e velhos fãs

 135 total views

Ano: 2022
Selo: Wegawam/Vista Records
# Faixas: 11
Estilos: Indie Folk, Indie Rock
Duração: 48'
Produção: Mike Viola

Andrew Bird despontou há décadas como um cara de belas canções interpretadas não só com sua voz, mas também com o violino. Dono de bonitas composições e excelente em suas execuções, ele viu o indie folk se tornar tendência (inclusive de mercado) durante os últimos 10 anos e não passou despercebido dessa onda, até por já ser muito fluente no estilo quando a onda chegou (e passou). Anos depois, ele apresenta um 15º álbum (!) que sabe satisfazer em cheio o público que ainda espera lançamentos de dentro desse universo estético e também aqueles que estão mais abertos ao que o músico pode produzir de melhor, independente das descrições atribuídas.

A obra começar com “Underlands” explicita a liberdade com que o norte-americano trabalhou o álbum. Estendendo-se por mais de seis minutos, a canção flerta com uma espécie de existencialismo desencanado de quem quer viver de uma maneira mais significativa – não por acaso, algo frequente na produção contemporânea e pandêmica (se não na abordagem, no tema). Bird está mais despojado do que nunca, assertivo em suas letras e muito criativo em sua maestria.

Faixas como “Eight”, “The Night Before Your Birthday” e “Lone Didion” seguem a mesma linha de um indie rock discreto, com cara de bar de um filme perdido no tempo, com pouca iluminação e alguns tipos questionáveis que olham para o músico no palco. Ele sabe que a beleza hipnótica do violino poderia distrair o público de letras que expressam certa urgência em viver bem, e troca o sublime celestial do instrumento por um acalorado e, às vezes, até sujo som de banda.

A faixa-título traz versos quase exagerados para comunicar essa temática, de “every inch of us a walking miracle” ao refrão “Oh my God, I just got born”. Mesmo assim, o jeito tão calculado e sob medida de Bird  ainda é percebido por todo o disco, no qual nada está em excesso, nem em falta. “Fixed Positions”, com um vocal feminino, “Make a Picture” e o single “Atomized” (com o tal violino presente de maneira pouco óbvia nessas duas últimas) ajudam a matar a sede de um folkzinho para quem sentir falta desse sabor.

Mesmo com essas diferenças entre climas das faixas, Inside Problems tem repertório bastante coeso e que deve agradar em cheio qualquer pessoa que acompanhou o nome Andrew Bird nas últimas décadas. A relevância de seus temas ajuda a “justificar” seu lançamento, mas o talento tão lapidado do músico ainda fala mais alto. Excelente do início ao fim, é um álbum que merece ser relembrado no futuro como um dos melhores trabalhos do músico, e também deste ano.

(Inside Problems em uma faixa: “Underlands”)

 

 136 total views,  1 views today

ARTISTA: Andrew Bird

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.