Resenhas

Anxious – Little Green House

Versado em diferentes fases do emo/pop punk, quinteto americano diminui a agressividade e, abordando os desafios do início da vida adulta, soa sincero e revigorante

 239 total views

Ano: 2022
Selo: Run for Cover Records
# Faixas: 10
Estilos: Emo, Pop Punk
Duração: 32'
Produção: Chris Teti

Ao longo da última década, o emo passou por diversos revivals, reinterpretações e ressignificações. Essas reedições do estilo existem desde sua gênese, como um braço do hardcore, até sua chegada aos anos 1990, ao se encontrar com o math rock (com American Football, por exemplo), e realizar flertes melódicos com o a linguagem mais pop (Sunny Day Real Estate e Jawbreaker). A partir de Bleed American (2001), do Jimmy Eat World, o emo passou a abraçar cada vez mais seu lado pop.

E parece ser dessa aglutinação que vem boa parte da inspiração – ou das intenções – do Anxious. Após o EP Never Better lançado em 2019, com aspirações mais voltadas para o hardcore melódico, o quinteto de Connecticut se reinventa em sua nova obra por meio de um som bem menos abrasivo, que remete ao período em que a Vans Warped Tour mudou os rumos do emo/pop punk nos Estados Unidos. Há ainda referências a nomes como Fountains Of Wayne, ícone do power pop noventista, e Death Cab For Cutie – e nasce uma banda que vive uma nostalgia pelas coisas que nem vivenciou.

Existe certo aspecto nerd nesse revival, com diversos riffs soando como momentos clássicos de Bob Mould (em “Your One Way Street”, por exemplo) e influências sons mais escaldantes, à la Texas Is The Reason (“Speechless”), além de dinâmicas growing up songs aos moldes mais explosivos do Jimmy Eat World. Mas, ao mesmo tempo em que há essa reverência ao passado, há o impulso pelo novo. Nada aqui cheira mofo e tudo soa fresco e revigorante – e talvez isso se deva à produção de Chris Teti (guitarrista do The World Is a Beautiful Place & I Am No Longer Afraid to Die, um dos expoentes do emo nos anos 2010).

Tematicamente, o disco é o que você espera de uma boa banda emo, bem como o que você espera de jovens que mal chegaram aos 20 anos de idade e estão nessa conturbada fase de saída da adolescência e começo da vida adulta. São as mesmas histórias contadas de formas diferentes: amores juvenis, amizades que perduram até a saída de sua cidade natal, as dores e delícias do crescimento. E a produção, mesmo escorada em sonoridades “antigas”, contribui para essa atmosfera jovial e sincera criada por Grady Allen e companhia.

(Little Green House em uma faixa: “Growing Up Song”)

 240 total views

ARTISTA: Anxious

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts