Resenhas

Apple Rabbits – Kilburn State

As composições excelentes do segundo disco de Jay Fisher acabam prejudicadas por faixas muito diferentes umas das outras e algumas chegam até mesmo a incomodar

 1,516 total views

Ano: 2012
Selo: Kilburn State
# Faixas: 12
Estilos: Eletrônica, Experimental, Erudita
Duração: 51:35
Nota: 2.5

Foi o single I Could Not Care Less que me levou a conhecer o trabalho do Apple Rabbits, nome que o músico Jay Fisher adotou para este projeto, que lança em 2012 seu segundo álbum, Kilburn State. A tal canção me surpreendeu desde o início com seu belíssimo arranjo de cordas em tensão com o vocal e a guitarra, uma faixa melancólica com um ritmo bem trabalhado, um clima que eu esperava encontrar por todo o disco, embora já tivesse sido advertido que as outras músicas seriam bem diferentes – e, de fato, são.

A introdução acontece em uma faixa dupla, já que o mesmo clima etéreo e as mesmas notas se espalham por Faces in the Wallpaper e em Aeroplane, que apresenta as cordas que nos acompanharão ao longo do álbum. A melodia parece descontruir-se e moldar-se em um leitmotiv que parece nos revelar os protagonistas desta primeira parte do álbum: os próprios instrumentos de cordas.

Diferente do que eu ouvi naquela primeira música, é assim que o disco acaba se apresentando, como uma saga musical em que as cordas se destacam por faixas que soam experimentais (tanto pelos ruídos e inserções, quanto pelas dissonâncias nas construções melódicas) e parecem pintar cenas visuais para o ouvinte, parecendo muitas vezes com trilhas de filmes.

Exemplo disso é a belíssima Rosena, que continua a trabalhar a sequência apresentada nas primeiras faixas em pouco mais de quatro minutos do que parece ser um triste sonho musicado, daquelas situações em que sua mente se desliga e apenas acompanha o passeio da melodia. Isso é interrompido pelos gritos ao início de Metro Dromedary, que dão lugar a uma ambientação eletrônica bem diferente do que o álbum construiu até então.

E, a partir daí, toda experimentação que havia sido indicada antes toma conta da produção, ocupando o lugar das cordas. Com isso, as músicas cantadas se destacam ainda mais, tanto a já mencionada I Could Not Care Less, quanto sua sucessora Don’t Let Me Turn Into One of Those Things (com sua bateria agressiva e o vocal sintetizado) e a melódica Yeah.

Kilburn State guarda uma última surpresa ao final, com Thank You Mr. Hosono, uma pequena faixa que parece ter saído de um vídeo game. Tendo sido gravado em 2008 como um complemento ao primeiro álbum de Fisher, King of Anglia, mas que acabou crescendo e ganhando material suficiente para um lançamento próprio, a impressão que fica é que o disco acabou crescendo para dois lados muito diferentes – o do experimentalismo com ruídos e o da musicalidade erudita – e seu primeiro single não dá conta de revelar o real espírito da obra.

Os pontos altos são muito evidentes, e muito bem vindos, mas fica a sensação do lançamento não dar conta de si mesmo, fazendo com que suas melhores características diminuam ainda mais a qualidade de algumas faixas que acabam soando “incômodas”.

 1,517 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Xiu Xiu, of Montreal, John Talabot
ARTISTA: Apple Rabbits

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.