Resenhas

Banks – Goddess

Primeiro álbum da cantora norte-americana se mostra um bom exercício do novo R&B

3,160 total views, no views today

Ano: 2014
Selo: Harvest
# Faixas: 14
Estilos: R&B, PBR&B
Duração: 59:37
Nota: 3.5
Produção: Tim Anderson, Lil Silva, Shlohmo, Sohn, Totally Enormous Extinct Dinosaurs, Jamie Woon
SoundCloud: /tracks/131827025

Goddess, disco de estreia da cantora norte-americana Jillian Banks, conhecida também simplesmente por Banks, surge quase com um resumo das modificações que o R&B sofreu nos últimos dez anos. Muito do encontro do estilo com tendências Eletrônicas e da lírica muitas vezes ligada ao amor podem ser vistos nesta obra. Não pense nisso como uma cópia, mas como o exercício de uma tendência que vem se estabelecendo já há algum tempo. Um dos melhores resultados coletados nestas experiências feitas ao longo de mais de uma década pode ser visto aqui.

Como já era de se esperar, pelo que foi vistos nos EPs Fall Over e London, não há nada de exatamente novo aqui, nenhum terreno que nomes como Shlohmo (que produziu uma das faixas do álbum), The Weeknd, How To Dress Well ou mesmo SOHN (também um dos produtores do álbum) já não tenham percorrido anteriormente. E talvez esse seja o grande diferencial do álbum, ter uma trilha já aberta para percorrer seu caminho livremente. Por mais que haja algo de “experimental” em seu som, não foi exatamente Jillian que fez tais experimentos – o que não muda o fato que o resultado sonoro do álbum é excelente.

Com faixas, em sua grande parte, introvertidas e, algumas vezes, soturnas, o álbum mostra quase sempre baladas que se guiam pelo R&B (ou Avant R&B, PBR&B ou seja lá o nome que derem à variação do gênero). O encontro de muitas bases eletrônicas (à cargo de nomes como Lil Silva, Jamie Woon, Totally Enormous Extinct Dinosaurs, entre outros), boas bases de baixo, samples vocais e uma ótima sequência de beats resulta em uma mistura hipnótica e, por mais “sombria” que seja, é também, sedutora – algo que a faixa-título comprova categoricamente. As exceções do álbum ficam por conta de Someone New (guiada somente ao violão) e Under The Table (em que a parte instrumental é feita quase que só pelo piano) – faixas em que Jillian mostra o poder de sua voz, que na maior parte do tempo se mostra de certa forma frágil ou “submissa”.

Se a produção é um dos grandes convites para se ouvir este álbum, as letras de Banks não ficam atrás. Com um lírismo confessional que passeia entre o de Taylor Swift (na maneira de expor relacionamentos que não deram certo) e How To Dress Well (sem parte daquele cinismo depressivo), a cantora (que cita Lauryn Hill e Fiona Apple como suas influências) tem em suas mãos versos poderosos e que em muitos dos casos ficam grudados na cabeça depois de poucas audições (basta ouvir os singles Brain, Goddess e Drowning para notar isso). O que se prova também com versos como “Maybe you can see that I just may be too crazy to love / If I told you solitude fits me like a glove / Would you let me out?” (You Should Know Where I’m Coming From), “Baby, I tried / I promise I’m usually better than this / And now I can’t even recognize myself anymore / You turned me into this” (Alibi) e “Please tell me that this could be easy / I’m tired of waiting for permission to love / Heartbreak is your game, but I’m learning / My heart could be yours, won’t you make it your home?” (Under The Table).

Entregando tudo o que prometeu por meio de seus EPs, Goddess é até agora o melhor e mais completo trabalho de Banks. Mesmo com tantos produtores e mãos diferentes cuidando do álbum, ele soa coeso e bem amarrado, desafio que muitos dos novos artistas erram a mão.

3,161 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Shlohmo, How To Dress Well, The Weeknd
ARTISTA: BANKS
MARCADORES: PBR&B, R&B

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts