Resenhas

Bear Ceuse – Don Domestique

Primeiro álbum do quarteto nova-iorquino se apropria do “verdadeiro” Indie Rock para dar vazão às suas boas composições

2,388 total views, no views today

Ano: 2013
Selo: Medical Records
# Faixas: 10
Estilos: Indie Rock, Rock Alternativo
Duração: 34:34
Nota: 4.0
SoundCloud: /tracks/64571305
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Fdon-domestique%2Fid6

Ouvir Don Domestique é quase como ser transportado de volta para os anos 90, é como voltar para uma distante época em que “tagear” bandas como Indie Rock ainda fazia algum sentido (no que diz respeito ao gênero realmente ser atribuído a grupos independentes das gravadoras). Para dar vazão à sua música, o quarteto nova-iorquino Bear Ceuse se apega a tendências de grandes bandas da época como Pavement, Pixies, Dinosaur Jr., Superchunk, Neutral Milk Hotel, Yo La Tengo e tantas outras que impulsionaram o estilo no começo daquela década. Esse é um verdadeiro convite a uma incrível viagem para está fervilhante época dominada por produções caseiras, guitarras ríspidas, muita barulheira e uma deliciosa crueza sonora.

Indo muito além do que soar como um simples pastiche ou copia, Cameron Matthews e sua turma parecem ter aprendido com todo o experimentalismo da época para conseguir criar esse disco usando os ensinamentos noventistas, mas também dando sua própria cara a tudo o que referenciam. Em uma comparação meio absurda: Bear Ceuse faz com os anos 90 o que Foxygen fez com os 60 em seu mais recente disco We Are The 21st Century Ambassadors Of Peace & Magic – não da mesma forma, é claro, mas a ideia de se apropriar de um estilo dominante em um período e o reinventar é basicamente o que faz destas obras tão interessantes.

Assim como as obras do período, o disco é dominado por guitarras altas e distorcidas (All Out Of My Hat), o ritmo dançante do Indie Rock (Dixie Brothers) e letras nostálgicas cantadas por uma voz cheia de personalidade (My Friends). Como uma grande colcha de retalhos roqueira, as faixas da banda agrupam diversas referências vintage ao seu som e constroem um disco repleto de dinamismo, mantendo, ainda assim, grande coesão. Elas se conectam, mais do que pela sonoridade em si, pela lírica geralmente cheia de dor e frustração (bem exemplificadas em God’s Looking Down e This or That).

Ainda assim há momentos dispares em Don Domestique. Um deles, I Saw It Beating (faixa que gera uma boa dinâmica entre momentos mais calmos e outros mais agressivos), quebra essa sensação de nostalgia profunda apresentada até então, mas não prejudicando o andamento do álbum. Já o outro, Streets of Something Good, quebra a sequência de boas faixas ao se enveredar para caminhos que fogem do padrão apresentado até então. Ainda que não seja uma música ruim, ela quebra o clima que o disco vinha mantendo até então com seu ritmo de baladinha Pop.

Já se enquadrando como uma das melhores estreias do ano, o quarteto nova-iorquino conseguiu um ótimo resultado em seu primeiro álbum, mostrando inventividade e personalidade ao tratar de sonoridades que foram amplamente exploradas (e isso não só nos anos 90), de forma que ele não soe só como mais uma por aí.

2,389 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Yo La Tengo, Pavement, Dinosaur Jr.
ARTISTA: Bear Ceuse

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts