Resenhas

Bloc Party – The Nextwave Sessions

EP antes de mais um hiato do grupo nos deixa esperançosos para que a volta ocorra em breve e demonstra que ainda podemos ter bons momentos pela frente.

 2,549 total views

Ano: 2013
Selo: Frenchkiss Records
# Faixas: 5
Estilos: Indie Rock
Duração: 17:50
Nota: 4.0
Produção: Dan Carey

O Bloc Party é daquelas bandas que se tivesse utilizado melhor as suas virtudes poderia ter sido muito maior do que é atualmente. De certa forma, devido a personalidade um pouco conturbada do seu líder, o talentoso Kele Okereke,o grupo poderia ter dominado o mundo Indie facilmente. Donos de um som que pra 2004 era considerado inovador, Indie Rock com uma pegada rápida e vistosa mas ainda com espaço pra toques mais eletrônicos prontos pra pistas dança, a trupe de Kele surgiu da mesma forma que desapareceu a ponto de ser pouco lembrada posteriormente.

Seja devido a um segundo disco médio e um terceiro ruim, ou por constantes papelões de Kele em shows como o feito em 2008 no Planeta Terra em que o vocalista parecia estar zoando com a cara de todos os presentes e demonstrando total falta de profissionalismo, ou pelos términos e voltas como um relacionamento problemático, o Bloc Party conseguiu renascer ano passado com o bom Four. Quando a banda parecia que estava voltando aos eixos e se dedicando somente a música, um novo hiato surge e com ele The Nextwave Sessions ,um curto e bom EP.

Ao longo de cinco faixas vimos o porquê do grupo ter sido capaz de alcançar voos mais altos do que efetivamente atingiu. A capacidade de construir ótimas músicas dançantes continua aqui com Ratchet, faixa que denuncia uma ótima capacidade de canto de Kele. Sua voz é pegajosa mas ao mesmo tempo estimulante, como um astro Pop pede. Os toques eletrônicos e sinceros das já conhecidas baladas do grupo são vistas na calma Obscene e na melancólica Montreal.

O melhor momento fica com French Exit que lembra o melhor de Silent Alarm mas aplicado aos tempos atuais, em que rapidez vira levada e que os riffs de guitarra são trocados por um bem colocado sintetizador. Children of The Future é uma abertura para o passado também, e nos dá esperanças que talvez o hiato transforme a banda em algo ainda mais interessante. Não vejo como um término mas sim um novo começo para o Bloc Party. No entanto, só o tempo vai dizer se os indicadores deste EP serão realizados no futuro ou não. Por a cabeça no lugar e lembrar das coisas com mais clareza talvez seja a resposta para que o grupo volte um dia a tocar junto, enquanto isso fique longe da melancolia e curta estas belas sessões.

 2,550 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Rakes, The Bravery, Arctic Monkeys
ARTISTA: Bloc Party
MARCADORES: Indie Rock

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.