Resenhas

Blood Orange – Cupid Deluxe

Influência do R&B do primeiro disco mantem-se em todo o registro composto por onze canções

2,614 total views, no views today

Ano: 2013
Selo: Domino
# Faixas: 11
Duração: 51:10
Nota: 3.5
Produção: Devonté Hynes

Dev Hynes esteve pela mídia desde o lançamento de seu último álbum como Blood Orange, Coastal Grooves, em 2011, permanecendo no topo das tendências musicais ao longo de sua carreira, tanto como músico quanto como produtor. O primeiro disco de Dev serviu como uma verdadeira vitrine para o artista, que acrescenta agora algumas coisas para seu novo lançamento, Cupid Deluxe: saxofones, vozes femininas e até alguns rappers.

Saxofone é, inclusive, uma aposta conhecida dele. Cupid Deluxe mostra-se como uma declaração pessoal de um artista que finalmente parece estar encontrando seu próprio som. O álbum segue uma fórmula já conhecida anteriormente pelo músico no primeiro trabalho, ainda com Hynes cantando, escrevendo, produzindo e tocando. Mas, mesmo assim, o disco não é nada solo, contando com diversas participações ao longo do registro que parecem compreender perfeitamente a melancolia abrangente do todo. Assim, ouvimos canções memoráveis e melancólicas detalhando a vida de Nova York.

A leveza e suavidade de Hynes parecem reveladoras de uma forma oposta, podendo ser ouvidas em faixas mais agitadas como Uncle Ace, uma canção emocionalmente expansiva e escancarada dedicada a juventude desabrigada LGBT de Nova York, que encontra refúgio em linhas de metrô da cidade.

Por toda parte, há inúmeras associações com o som da década de 80, assim como na maioria dos trabalhos de Hynes. A influência do R&B do primeiro disco também pode ser percebida em todo o registro das onze canções. Cupid Deluxe começa forte com Chamakay, You’re Not Good Enough e Uncle ACE, mas infelizmente parece perder o foco, parecendo vagar da segunda metade do álbum pra frente. É uma experiência fácil e boa, mas imprevisível. Hynes pode não surpreender com as canções, mas desliza perfeitamente na atmosfera confortável do disco.

Para um artista que fez seu nome produzindo outros, faz sentido incluir mais colaboradores em um projeto solo. Isso inclusive é próprio do trabalho de Dev, o que proporciona mais espaço para a experimentação em suas canções – o que pode ser bom e perigoso ao mesmo tempo. Em Cupid Deluxe, onde apenas duas das onze faixas tem menos de quatro minutos de duração, Hynes nem sempre usa os minutos extras para algo mais que justifique esticar uma canção de quatro minutos por mais tempo.

Embora a segunda metade de Cupid Deluxe ocasionalmente perca o imediatismo e brilhantismo das primeiras faixas, há pontos especiais por toda parte. A produção de Hynes é nítida por suas diversas e temperamentais canções inspiradas em Nova York, e ele mostra também que, com novas experimentações musicais e convergência de ritmos no álbum, o músico tem capacidade para expandir seu som e explorar ainda mais em um novo território.

2,615 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Sampha
ARTISTA: Blood Orange

Autor:

Largadora por vocação. Largou faculdades, o primeiro namorado e o interior. Hoje só quer saber de arte, cinema, música, fotografia e sair correndo pelo mundo.