Resenhas

Blood Red Shoes – In Time To Voices

Seguindo a mesma fórmula dos dois discos anteriores, o duo inglês traz a mesma mistura de guitarras pesadas e distorcidas com a suavidade das melodias pop

 1,894 total views

Ano: 2012
Selo: V2 Records
# Faixas: 11
Estilos: Rock Alternativo, Indie Rock
Duração: 39:05
Nota: 2.0
Produção: Mike Crossey

O Blood Red Shoes é uma banda conhecida por ter um som conflitante. Ao mesmo tempo em que gosta de um som pesado cheio de guitarras distorcidas e uma bateria pulsante, busca uma seguir uma linha melódica bem pop. Desse conflito, que já dura mais de oitos anos, saiu mais um disco que fica preso nesse meio termo entre o pesado e o pop.

Um Pop com guitarras distorcidas funciona? Em teoria sim, como os outros discos do duo, como o garageiro Box of Secrets e o já mais pop Fire Like This, mas essa fórmula parece ter chegado ao fim. In Time To Voices é um disco sem sal que segue o mesmo formato dos anteriores, sendo quase uma continuação do segundo álbum dos ingleses.

A estrutura das músicas é basicamente as mesmas, com exceção de Cold (primeiro single e único potencial a hit desse disco). Ao longo de sua discografia, podemos reparar diversos maneirismos da banda, como o duo de vocais de Steven Ansell e Laura-Mary Carter, que variam do calmo ao gritado, e as guitarras distorcidas (em melodias pop com um peso tirado do rock alternativo) de Carter.

Na sequencia de Cold, a banda apresenta Two Dead Minutes, que ganha destaque por ser exageradamente pop com refrãos previsíveis e uma quase imperceptível guitarra. Por outro lado, Je Me Perds parece ampliar a pegada punk do primeiro disco, em uma música de menos de um minuto e meio marcada por muita gritaria com vocais processados, distorção no máximo e uma bateria frenética.

Com pouquíssimas mudanças na fórmula de sucesso da dupla, esse disco consegue ser irrelevante em sua carreira. Sem muita expressividade, sem nenhuma novidade e com somente um potencial hit – esse é In Time To Voices.

 1,895 total views

BOM PARA QUEM OUVE: The Subways, The Kills

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts