Resenhas

BRVNKS – Morri de Raiva

O primeiro LP da cantora e compositora goiana entrega o que promete: músicas com letras confessionais e instrumental roqueiro “de boa”

496 total views, 1 views today

Ano: 2019
Selo: Sony
# Faixas: 10
Estilos: Indie Rock, Dream Pop
Duração: 34'
Nota: 4
Produção: Edimar Filho

Três anos separam o EP Lanches, début de BRVNKS, e o disco Morri de Raiva, lançado pela Sony no último mês. O trabalho conta com 10 faixas, sendo que duas já eram conhecidas, porém aparecem reformuladas (“Don’t” e “F.I.J.A.N.F.W.I.T.Y.T.B”). Ao longo desse tempo, o som da banda se desenvolveu para algo menos roqueiro e ligeiramente mais Dream Pop. A estética, no entanto, segue fiel com a líder do projeto, Bruna Guimarães.

Geminiana, do dia 16 de junho, a cantora e compositora deixa claro ao longo do registro que pode ser uma princesa (“I Am My Own Man”) ao mesmo tempo em que sente muita raiva e é capaz até de desejar a morte de alguém (“I Hate All Of You”). Essa dualidade permeia toda a tracklist: na primeira metade, os sons aludem mais ao melancólico com suas melodias “calminhas”, por assim dizer; já na segunda, as guitarras sobem e a bateria corre (o melhor exemplo disso é a faixa “Your Mom Goes To College”).

Enquanto a sonoridade do disco anda por um caminho plural, as letras seguem uma estratégia mais fixa: sinceridade total e poucas metáforas para dividir conosco alguns recortes de seu universo. Seja em momentos mais sentimentais e pessoais ou em comentários sobre a vida em sociedade, a maneira de falar, o tom, é o mesmo e, ao que tudo indica, atinge em cheio o coração millennial.

Em “Fred” o tom confessional aflora ao abrir-se sobre a morte de um amigo: “I’m so glad to meet this heavy thing you had in your chest” (“Eu estou tão satisfeita por encontrar essa coisa pesada que você tinha no seu peito”, em português). “Don’t”, por sua vez, se dedica a frustrações amorosas (“I can understand if you don’t love me back but I hate you for that” [“Eu posso entender se você não me ama de volta, mas eu te odeio por isso”]).

É por estabelecer esse tipo de diálogo, inclusive, que o disco parece conversar com o Indie “sussinha” brasileiro de bandas como Terno Rei e Raça (cujo disco Saúde [2019] conta com um feat. da BRVNKS na faixa “Bandidos e Divas”). As referências, contudo, não ficam só em território nacional. A literalidade e detalhismo das letras de Frankie Cosmos, o mood bravo com polimento 90’s da Bully, os refrães que engajam da Snail Mail também, de alguma forma, encontram respaldo em Morri de Raiva.

A música que encerra o álbum é a roqueira “Snacks”, uma ode ao Big Mac e a comida de fast-food de modo geral. A escolha parece perfeita: a narrativa começa com o desalento de “Tristinha”, passa pela exaustão em “Tired” e termina com lanches! À primeira vista, pode parecer um pouco engraçado, mas, ao terminar de ouvir o disco, lembrei de um verso de “Feels Blind”, do Bikini Kill (“As a woman I was taught to always be hungry” / “Como uma mulher, fui ensinada a estar sempre faminta”) e do título da autobiografia de Carrie Browstein (da banda Sleater Kinney) Hunger Makes Me a Modern Woman (2015). Nos alimentamos porque precisamos, mas a fome não se limita a comida. Em seu espaço metafórico, ela fala das nossas vontades, da nossa curiosidade e, dentro desse espectro, ela pode ser impossível de ser saciada. Em “Snacks”, ela chega para manter-nos atentos à insatisfação de BRVNKS. Que ela ainda a leve para suas próximas histórias (e para seu próximo disco, também). Até aqui, tem sido um belo norte.

Versos favoritos de cada track:

De “Tristinha”: “I thought I was in love for the 15th” (“Achei que estava apaixonada pela décima quinta vez”)

De “Fred”: “I’m so glad to meet this heavy thing you had in your chest” (“I’m so glad to meet this heavy thing you had in your chest” (“Eu estou tão satisfeita por encontrar essa coisa pesada que você tinha no seu peito”)

De “Don’t”: “I can understand if you don’t love me back but I hate you for that” (“Posso entender se você não me ama de volta, mas eu te odeio por isso”)

De “Yas Queen”: “Someday I’ll know that you were always there for me” (“Algum dia, vou saber que você sempre esteve lá por mim”)

De “F.I.J.A.N.F.W.I.T.Y.T.B”: “I cried with the cats in my face” (“Chorei com os gatos no meu rosto”)

De “I Hate All Of You”: “I hate all those things that make me feel” (“Odeio tudo aquilo que me faz sentir”)

De “Tired”: “I have three cats and a band and some angry issues” (“Tenho três gatos, uma banda, e alguns problemas com raiva”)

De “I Am My Own Man”: “I’m carrying my guitar, are you fucking blind?” (“Eu estou carregando a minha guitarra, você é cego?”)

De “Snacks”: “I wanna eat a sub, but I don’t wanna smell bad” (“Quero comer um sanduíche, mas não quero cheirar mal”)

(Morri de raiva em uma música: “I Am My Own Man”)

497 total views, 2 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Bully, Frankie Cosmos, Snail Mail
ARTISTA: Brvnks
MARCADORES: Dream Pop, Indie Rock

Autor: