Resenhas

Caddywhompus – Odd Hours

Terceiro e mais inventivo disco do duo abre novas possibilidades em sua carreira

 1,314 total views

Ano: 2017
Selo: Inflated Records
# Faixas: 9
Estilos: Math Rock
Duração: 40:00
Nota: 3.5
Produção: Caddywhompus

Entender a configuração de Caddywhompus enquanto banda torna a experiência de ouvir Odd Hours ainda mais rica. Dentro do terceiro e mais criativo disco da carreira do duo, a sensação majoritária é a de que as mais ricas experiências na música podem se resumir a um baterista e um guitarrista.

O nível de variações nas nove faixas que permeiam o trabalho é impressionante – todas dentro de experimentações que partem do Math Rock, Emocore e Noise, entre outros. Decent, por exemplo, abre o disco em um turbilhão de emoções e dinâmica, começa introspectiva para depois explodir em pequenos pedaços de arranjos quebradiços, conectados e bonitos. O vocalista Chris Rehm nunca esteve tão afinado e ciente de onde sua voz pode chegar, o que torna o trabalho experimental e ao mesmo tempo acessível em seus três instrumentos: bateria, voz e guitarra.

Se cada faixa parece autossuficiente e bem resolvida por trazer sensações diversas em um curto espaço de tempo – Salmon Run é sonhadora e viajante, Splinter é agressiva e Ferment, um dos momentos mais atmosféricos da carreira da banda – Odd Hours conecta-se bem entre si. Se seu título expressa momentos estranhos, todos fazem parte de um mesmo núcleo muito bem definido por Caddywhompus.

Quando o duo fez uma extensa turnê pelo Brasil em 2015, o sentimento após as apresentações era um misto de satisfação e inocência, como se entrega e sentimento no palco fossem meras expressões da juventude. Odd Hours não muda a integridade experimental da banda, só a torna mais palpável e madura – evolução dentro de uma sonoridade bastante norte-americana e que parece só torná-lo mais grandioso com o tempo – condição natural para maior acessibilidade e vôos mais altos. Waiting Room e Choir são as provas vivas de que a rota do grupo de New Orleans é crescente, frenética e nada presa a gêneros.

(Odd Hours em uma música: Choir)

 1,315 total views

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.