Resenhas

Chad VanGaalen – Shrink Dust

Em seu quinto álbum, artista explora sua criatividade musical sem rédeas

 2,556 total views

Ano: 2014
Selo: Sub Pop
# Faixas: 12
Estilos: Indie, Folk Psicodélico, Freak Folk
Duração: 41:53
Nota: 4.0
Produção: Chad VanGaalen, Flemish Eye
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Fshrink-dust%2Fid796732956%3Fuo%3D4%26partnerId%3D2003

A tela em branco espera o pincel, o papel anseia pelo lápis e este quadro sem cor que a tela do computador me mostra está pronto para receber meus comandos no teclado e se ver modificado. Em todos os casos, um espaço antes vazio recebe significado através de cores, formas e símbolos. Um pingo de tinta preta já mudou completamente a forma que a superfície antes imaculada tinha. Um pequeno estalo, sussurro ou assobio faz o silêncio deixar de existir.

Não penso que artistas habitem um mundo próprio. Tenho é certeza que eles percorrem os mais diversos universos, seja este aqui em que eu e você vivemos ou qualquer outro que queira ou no qual perceba estar. Afinal, você dá a um criativo a oportunidade e ele dá um jeito de refletir em algum suporte, com alguma ferramenta, o que se passa em sua realidade fabricada internamente. Tentar definir esse reflexo em poucas palavras é perder a chance de experimentá-lo em sua totalidade.

Outro termo chave para aceitar (verbo melhor do que “entender”) o comportamento desses seres é “liberdade”. Falam de “asas à imaginação” e, por mais batido que seja o conceito, é o que melhor traduz a atitude de uma mente produtiva. No voo, as distâncias são outras, as dimensões são relativizadas (“alto” e “baixo”, por exemplo, ganham outros significados). É quando os limites são questionados ou finalizados que alguém com criatividade, talento e disposição (porque é necessário querer para se realizar) vai além do que vê, pensa e sente.

E esse “ir” é importante ser mencionado, já que os melhores artistas conseguem é ir além de si mesmos e das palavras com que os outros tentam chamá-los e simplificá-los (porque um pintor que só usa azul hoje pode descobrir o laranja amanhã, ou o fotógrafo digital descobre a beleza do filme – mas suas identidades permanecem imensas mesmo na característica finita). Cada um sabe o objetivo que tem, as barreiras que enfrenta, as fronteiras a serem cruzadas, os bloqueios a serem dissipados e os monstros contra os quais lutar (ou com os quais fazer amizade). Fazer arte implica em movimento. Criar é se mover ou retornar, sempre. O vento não sopra em uma sala fechada.

Chad VanGaalen tem esse nome do norte da Europa, mas é canadense. Ele é um artista visual famoso por suas animações. Além disso, Shrink Dust é seu quinto álbum e experimentá-lo é perceber melhor seu criador. Feche os olhos e ouça.

 2,557 total views

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.