Resenhas

Chelsea Wolfe – Unknown Rooms: A Collection Of Acoustic Songs

Mais brando e leve, o novo trabalho da cantora apresenta uma carga gótica menor, mas ainda bebe de algumas influências do gênero como ao juntar o amor com a perda em meio a belas linhas vocais e violões

 2,278 total views

Ano: 2012
Selo: Sargent House
# Faixas: 9
Estilos: Folk, Gótico
Duração: 24:55
Nota: 4.0
Produção: Ben Chisholm, Chelsea Wolfe

Gravado parte na casa de Chelsea Wolfe em Los Angeles, parte nas florestas da Carolina do Norte, Unknown Rooms: A Collection Of Acoustic Songs veio como uma peça misteriosa para os fãs da cantora. Seu som apareceria agora em versão acústica, com composições inéditas feitas neste modelo. Apesar da mudança de ares, percebemos uma essência dos trabalhos anteriores de Chelsea, como algumas referências à temática gótica, mas em uma roupagem mais leve e livre de elementos mais densos.

A comparação da primeira faixa de Apokalypsis, seu disco anterior, com Unknown Rooms é literalmente gritante. Enquanto o disco de 2010 começava com a Primal/Carnal e seus gritos e urros agoniantes, Flatlands inicia-se bela em um violão dedilhado e com um vocal sublime, ponto forte e um dos mais belos da obra, acompanhado de cordas soberanas.

A temática gótica ainda se vê presente, mas de uma maneira mais branda. Faixas como I Died With You e Hyper Oz consciliam na medida certa a temática de zelo e amor com o soturno, passando isso de uma maneira de certo modo doce, como na letra da primeira citada, que diz: “I died with you/I wear your clothes to be more like you Your eyes still sparkle in my mind though you are gone”, e “My bed is so cold without you in it/Tell me something so I can go to sleep” na segunda citada.

O novo disco de Chelsea, apesar de diferente esteticamente, com certeza ainda agradará aos fãs de seus trabalhos anteriores. A essência do Gótico, que muitos vezes é visto como algo nebuloso e com maus olhos, se apresenta aqui de uma maneira bela e que embala o ouvinte em meio a ritmos mais frios, mas que possuem uma beleza forte.

Apesar de curts, Unknown Rooms se mostra uma obra bem completa apresentando elementos brandos e calmos como violões, cordas e murmúrios sublimes ao fundo, quanto com fortes palhetadas ou um piano intenso, como na última faixa. Seus quase 25 minutos de duração trazem um Folk Gótico cinza e gélido, mas com alma. Nos mostra que a beleza não se constrói apenas em formas vívidas e alegres, mas que ela existe no lado mais introspectivo e sofrido. Uma beleza que toca, que transcende, envolve e emociona.

 2,279 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Zola Jesus, Feist, Cat Power
ARTISTA: Chelsea Wolfe
MARCADORES: Folk, Gótico

Autor:

Marketeiro, baixista, e sempre ouvindo música. Precisa comer toneladas de arroz com feijão para chegar a ser um Thunderbird (mas faz o que pode).