Resenhas

Chromeo – Quarantine Casanova

EP produzido durante isolamento social traz a sonoridade típica da dupla permeada por questionamentos sociais e críticas ácidas

494 total views, no views today

Ano: 2020
Selo: Chromeo Recordings
# Faixas: 10
Estilos: Eletrônico, Funk, Disco
Duração: 33'
Produção: Chromeo

Quando o nome Chromeo chega a nossos ouvidos, pensamos automaticamente em uma coisa: o groove. Vinda de uma tradição que reverencia o Funk e a Disco, a dupla composta por Dave 1 e P-Thugg tem uma facilidade incomum para produzir faixas dançantes e extremamente pegajosas. Além dos anos de experiência, a habilidade vem de um invejável estúdio, verdadeiro parque de diversões para os aficionados por sintetizadores analógicos/vintage. Porém, não se engane: todo este aparato não os torna saudosistas imóveis no tempo, mas produtores hábeis que procuram integrar este universo rítmico a novas tendências, união brilhantemente executada, por exemplo, no disco White Women (2014).

E o que acontece quando os ambientes mais propícios para as músicas do Chromeo (festas, pistas e baladas) estão fechados? A resposta vem em um divertido EP que traz toda a dança e energia diretamente para nossas casas em isolamento social. Esta é a raiz central de Quarantine Casanova. O que começou como a produção de uma música descompromissada e bem-humorada sobre a quarentena, rapidamente aguçou a curiosidade dos fãs, que questionaram se a faixa seria um indício de um novo registro oficial. Assim, em um período de duas semanas, surgiram novas produções, que conservam o espírito Funk dançante indiscutivelmente Chromeo mas, além disso, injetam uma dose de humor nas letras. Por um segundo, esquecemos do isolamento e a dupla nos coloca em um lugar onde nada precisa ser tão pesado, com tiradas rápidas, música boa e descontração.

Porém, inevitavelmente, as coisas são pesadas, e o Chromeo não pretende por meio deste EP ignorar a gravidade dos eventos contemporâneos. Para isso, foram adotadas duas estratégias envolvendo Quarantine Casanova. Uma diz respeito às letras que, apesar de serem muito ágeis no humor, procuram evidenciar alguns pontos mais complexos, talvez diluindo a seriedade destes, mas nunca os ignorando. Temas como saúde mental, produtividade excessiva e movimentos sociais durante a quarentena ganham espaço nestas 5 novas faixas. A outra estratégia envolve uma ação de marketing que direciona toda a renda proveniente da venda do registro para o fundo Colin Kaepernick’s Know Your Rights Camp COVID-19, fundo relacionado ao movimento Black Lives Matters. Há também planos de uma produção audiovisual que debaterá questões de saúde mental junto a órgãos competentes dos Estados Unidos.

A faixa que deu início a este movimento abre o disco. “Clorox Wipe” traz um suingue por meio dos sintetizadores oitentistas ao fundo, com os vocais talk box de P-Thugg (o famoso “efeitinho Daft Punk”) na linha de frente. Já “6 Feet Away” aponta os novos caminhos das relações afetivas em tempos de distanciamento social (“6 pés de distância / É assim que eu vou te amar”). “Stay in Bed (And Do Nothing)” talvez seja o momento mais crítico do projeto. Dave 1 fala sobre planos de exercícios físicos, da crescente tendência de todo mundo virar padeiro, além de listas intermináveis de livros e filmes – a canção explora a ideia de como tudo isso pode ser supérfluo e nos alienar dos verdadeiros problemas, como a péssima remuneração de trabalhadores de serviços essenciais. Por fim, “Cabin Fever” compara, com doses de ironia, sintomas de COVID-19 à “febre” que faz tanta gente alugar uma cabana ou um imóvel isolado para passar a quarentena.

O prazer de escutar Quarantine Casanova – e a sonoridade cativante do Chromeo – não é uma forma de escapismo, mas uma possibilidade de compreender novas realidades. Passamos da diversão à conscientização ácida em poucos segundos e isso, de maneira interessante, apresenta uma nova roupagem para a linguagens e os sons da dupla. Um registro no qual o entretenimento vem acompanhando de uma boa dose de tapas na cara e críticas pontuais. O famoso “dançando com a mão na consciência”.

(Quarantine Casanova em uma faixa: “Stay In Bed (And Do Nothing)”)

495 total views, no views today

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.