Resenhas

Com Truise – Iteration

Novo disco do produtor traz nostalgia oitentista além dos estereótipos

1,082 total views, no views today

Ano: 2017
Selo: Ghostly International
# Faixas: 12
Estilos: Synthwave, Synthpop, Retrowave
Duração: 49:59
Nota: 3.5
Produção: Com Truise

Quando falamos em referências musicais, é comum dividirmos a história da música em décadas. Além de ser matematicamente mais prático, ao considerarmos um intervalo de tempo de dez anos, conseguimos mapear tendências de uma forma mais organizada e, assim, definir as tais sonoridades de uma determinada época. Com a música cada vez mais globalizada, parece que essa medida começa a ficar ineficaz, visto a quantidade de tendências que tivemos nos últimos sete anos. Mas, talvez, pensamos desta forma porque queremos analisar aquilo que estamos vivendo assim que a acontece, e isso traz uma dificuldade inerte. Então, como unir estas duas formas de pensamento: a nostalgia e a concomitância? Quem nos dá uma resposta bastante convincente é o produtor americano Seth Haley, popularmente conhecido por Com Truise, que acaba de lançar um registro que consegue unir estéticas diferentes de uma forma bastante inventiva e criativa.

Iteration é um disco claramente influenciado pela década de 1980. Dessa forma, já podemos pensar em sintetizadores analógicos e o começo da música Eletrônica Pop, mas o que Com Truise traz aqui é muito mais do que a simples reprodução de estereótipos. O novo disco do produtor é uma releitura contemporânea daquilo que costumamos chamar de Synthwave/Synthpop. Entretanto, como um nome da música Eletrônica de hoje, Seth procura, por meio de suas explorações sonoras, criar sentidos diferentes para gêneros nostálgicos. Assim, ele transforma uma década passada em matéria nova para diferentes combinações de sensações, quase como ele levasse ao pé da letra “olhar para trás para ir em frente”. Se aproximando de um som Retrowave mais trabalhado, Com Truise é corajoso e maduro o suficiente para desconstruir alguns pilares da música eletrônica e redefini-los segundo sua ótica moderna.

…Of Your Fake Dimension é uma faixa trabalha com sequenciadores potentes, buscando timbres sólidos e bruscos a favor de nos introduzir a este mundo repleto de misturas atemporais. Dryswch, por sua vez, pega o lado mais hipnótico dos anos 80, apelando para pads e texturas etéreas para levitar seu ouvinte. Memory trabalha o minimalismo a favor da epifania, regulando bem os momentos de tensão e alívio. Vacuume é um show de graves e distorções, desestabilizando o ouvinte e o forçando a dançar, quase como se fossemos possuindo pelas grandiosas frequências. Syrthio é a peça mais antagônica do disco, mostrando que peso e suavidade não são exatamente pontos opostos e que podem coexistir. Encerrando o trabalho, a faixa que dá o nome ao disco molda diferentes humores a partir de uma mesma célula rítmica, variando apenas alguns elementos dentro de um mesmo polígono de infinitas configurações.

Assim, Com Truise nos entrega mais uma obra a favor da experimentação atemporal. Destruindo estereótipos e os recombinando, o produtor compõe uma obra sólida que traduz um talento singular quando a ressignificação de nostalgias. Um trabalho excelente para estudar produção musical e também curtir excelentes e envolventes canções.

(Iteration em uma faixa: Syrthio)

1,083 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Nosaj Thing, Chrome Sparks, kavinsky
ARTISTA: Com Truise

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.