Resenhas

D. Selvagi – Eu vi vários eus/Eu vi vários eus

Disco solo de Danilo Sevali traz simplicidade a favor da experimentação e sinceridade

 1,775 total views

Ano: 2017
Selo: Tranfusão Noise Records
# Faixas: 7
Estilos: Lo-fi, Garage Rock, Noise Rock
Duração: 22:00
Nota: 3.0
Produção: Lê Almeida e João Casaes

Por vezes, o ato de compor é algo solitário e, no caso de Danilo Sevali, isso é levado a novas proporções. O integrante da banda Hierofante Púrpura se aventura agora pela ousada tarefa de lançar um trabalho solo sob a alcunha de D. Selvagi e, ao se juntar com a equipe de produção do selo Transfusão Noise Records, o que surge é um registro que se revela tanto rebelde quanto sincero. Ou seja, as várias personalidades do músico, reunidos sob o nome de Eu Vi Vários Eus/Eu Vi Vários Eus

Gravado em um dia em um gravador de fita cassete e com todos os instrumentos tocados ao mesmo tempo (voz, guitarra com as mãos e bateria com os pés), Danilo nos mostra um recorte de protestos do Eu por meio da estética Lo-fi e de composições simples que podem aparentar um amadorismo de sua parte, mas, na verdade, revelam ser uma ferramenta de plena honestidade e pragmatismo. Aqui, as músicas não vêm desta forma por um apelo exclusivamente estético, mas são como as ideias e anseios do compositor surgem em sua cabeça: por vezes confusas e cruas, sem que haja necessidade para tratar ou mixar esta matéria prima.

Com sete faixas, cada qual foi gravada de uma vez e, às vezes, isto pode fazer transparecer algum erro de execução ou uma má afinação. Porém, é tudo em prol da honestidade, fazendo com que o termo Singer-songwriter possa ser aplicado ser qualquer dúvida aparente. Danilo grita todo que acredita, evidenciando sentimentos que vão desde o completo caos e abstração em Peanut Rush!, passando pelo inconformismo da vida cotidiana em Atolado em Dívidas até chegar em uma balada de amor torta em A Descabelada. E mesmo as faixas instrumentais também sugerem estados de espíritos, ainda que muitas músicas se pareçam muito entre si.

A vontade de experimentar distorções nas velocidades de reproduções, reverbs sutis e afinações desleixadas só contribuem ainda mais para que este seja um trabalho no mínimo curioso. Ainda que não seja um trabalho super elaborado, ele ainda é consistente em sua tarefa de trazer à tona o imaginário do compositor de alguma forma. A simplicidade e sinceridade são as principais armas de Danilo e o disco deixa isto bem claro.

(Eu Vi Vários Eus/Eu Vi Vários Eus em uma faixa: Atolado Em Dívidas)

 1,776 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Raul Seixas, Frank Zappa, Lê Almeida
ARTISTA: D. Selvagi

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.