Resenhas

Dean Wareham – Dean Wareham

Músico de longa data prova que ainda é capaz de produzir trabalhos de qualidade

 1,414 total views

Ano: 2014
Selo: Double Feature
# Faixas: 9
Estilos: Alternative Rock
Duração: 38:40
Nota: 3.5
Produção: Jim James

Dean Wareham inicia a quarta fase de uma carreira de 25 anos com este seu primeiro trabalho solo. Esse movimento já fora antecipado pelo lançamendo do EP Emancipated Hearts, há seis meses. Após fundar Galaxie 500 e Luna, além de lançar discos com sua esposa, Britta Phillips, Wareham criou coragem para assinar sozinho um conjunto de canções. Depois de tanto tempo em atividade, é possível identificar sua marca sonora registrada por todos os cantos do disco, aquela sonoridade entristecida, enguitarrada na medida, obtida pela audição tanto de Velvet Underground, Echo And The Bunnymen e canções Pop setentistas, tudo muito bonito, fluido e…triste. As bandas anteriores de Dean foram responsáveis por um trânsito alternativo intenso, principalmente o Galaxie 500, que fazia cover de Joy Division em plena década de 1980, quando o próprio gênero Alternativo podia ser traduzido ao pé da letra.

Em sua versão 2013/14, Wareham não quer e nem tem motivos para mudar sua sonoridade. Ao longo dos tempos ele conseguiu estabelecer seu território e influenciou muita gente. Jim James, vocalista e cérebro pensante do My Morning Jacket, uma dessas pessoas, assumiu a produção deste seu primeiro registro solo com reverência e criatividade. Além de tocar guitarra Chamou Wareham para seu estúdio caseiro em Louisville, Kentucky, e deu espaço e condições para que a verve de Dean viesse à tona, trazendo música minuciosa, orquestrada, cerebral, inegavelmente Pop. Os vocais ainda são os mesmos de sempre: quase entediados, quase tristes mas capazes de comunicar totalmente o que a canção pede.

O dedilhado de guitarras que introduz a abertura com The Dancer Disappears funciona como uma sutil máquina do tempo, com destino focado numa Nova York alternativa, na qual o jovem Wareham foi morar em meados dos anos 1970, vindo da Austrália. É puro Television, só que mais sutil e lírico. A mesma sensação se estabelece na sequência com Beat The Devil, com a sutil preponderância de teclados sobre guitarra. O clima é pastoral, meio eletrônico, mas lírico e cinematográfico. A canção mais próxima do que era a sonoridade do Galaxie 500 surge em Heartless People, com o andamento lento, os vocais decalcados de Lou Reed e uma sensação de contemplação em meio a uma paisagem gelada. Sutis intervenções de guitarra base por parte de James fazem toda a diferença. Um parentesco sempre insinuado mas nunca admitido livremente, surge em My Eyes Are Blue, que conecta-se com algo semelhante ao trabalho solo de George Harrison (de quem o G-500 fez versão para Isn’t It A Pity), com a fluidez de violões e guitarras emoldurando o lamento de Dean. A balada cheia de detalhes e sutilezas Love Is Not A Roof Against The Rain é esparsa, com intervenções discretas de violões e teclados.

O aceno aos anos 1980 surge com Holding Patterns, com direito a uma sonoridade típica de bateria eletrônica da época, algo como se fosse uma demotape do New Order, fase Power, Corruption & Lies, com guitarras do Echo And The Bunnymen, fase Crocodiles. I Can Only Give You All segue pelo mesmo terreno oitentista, novamente parecendo New Order ou mesmo uma forma mais harmoniosa de Joy Division. O trovador eletroacústico ressurge com Babes In The Woods, misteriosa e seca para desembocar na apoteose final de Happy And Free, novamente conectada com o Velvet Underground e todos os seus descendentes ao mesmo tempo. Se você é fã do som plácido, calmo e harmonioso de bandas como Real Estate, saiba que este sujeito tranquilo aqui é o pai da sua matéria. Ouça já.

 1,415 total views

ARTISTA: Dean Wareham
MARCADORES: Alternative Rock

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.