Resenhas

Deerhoof – The Magic

Décimo quarto disco da banda ainda desvenda novas possibilidades de sua sonoridade

 2,111 total views

Ano: 2016
Selo: Polyvinyl
# Faixas: 15
Estilos: Indie Rock, Experimental, Lo-fi
Duração: 40:25
Nota: 4.0
Produção: Deerhoof

Ser fã de Deerhoof é sempre estar cego diante do futuro. O total desprendimento de rótulos e um casamento forte com o experimentalismo rendeu à banda uma marca inacreditável de treze lançamentos até então, cada um feito à sua maneira e sem seguir uma linha lógica entre eles. Portanto, quando anunciado um disco novo, qualquer coisa pode acontecer e o mistério e ansiedade que o rodeio é parte da apreciação final do trabalho, um ritual que dura quase vinte anos.

Desta vez, o conjunto resolveu se isolar em um pequeno escritório, montar um pequeno estúdio e compor a imergir em um mundo de contratempos, distorções e fidelidade baixa. Sete dias depois, seu décimo quarto lançamento estava pronto, ao contrário de nós.

The Magic ganha o nome pela referência que tem diretamente com a infância dos integrantes, um período que, segundo ele, “a música era mágica”. Fica a critério do ouvinte imaginar o tipo de juventude que a banda teve, pois, entre referências agressivas do Punk, Garage Rock e Indie Rock, quinze músicas fortes e imprevisíveis foram compostas. Perceba que o termo “imprevisível” foi empregado da forma mais literal possível pois, as estruturas das composições, as letras e os timbres escolhidos não seguem esteriótipos ou padrões já conhecidos. Mas não se deve pensar que o disco foi feito aleatoriamente, muito pelo contrário.

O grande talento e mérito de Deerhoof é comprovado a partir de uma construção calculada de um caos que desorienta ao mesmo tempo que instiga. Cada faixa tem um encanto próprio e, em alguns casos, uma hostilidade particular. Há alguns momentos que somos surpreendidos por baterias explosivas que lembram alguma coisa de The Hives (Dispossessor), mas há em outros minimalismos dignos de fazer Jerry Paper dizer “isto é estranho” (I Just Want To Set The World On Fire). Debut fará você dançar e Little Hollywood fará você comprar um dicionário para tentar decifrar as sobreposições gosmentas e aleatórias.

A banda cumpre as expectativas de não conseguir gerar expectativas concretas sobre seus lançamentos. É tolo dizer que a partir de The Magic podemos esperar ótimas perspectivas de lançamentos futuros, pois, quando o conjunto planeja algo, não há uma pessoa que consiga prever o que a mente destes mestres do experimentalismo nos mostrará. Um trabalho arrebatador que gera novas variáveis dentro do fantástico mundo de Deerhoof.

(The Magic em uma faixa: Debut)

 2,112 total views,  1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Cat Le Bon, DRINKS, The Hives
ARTISTA: Deerhoof

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.