Resenhas

Divine Fits – A Thing Called Divine Fits

“Supergrupo” Indie se reúne para fazer trabalho que contém muito das referências passadas de seus membros mas sem desagradar ninguém

1,601 total views, no views today

Ano: 2012
Selo: Merge
# Faixas: 11
Estilos: Indie Rock, Synthpop
Duração: 42:36
Nota: 3.5
Produção: Nick Launay

Dan Boeckner é um cara que não consegue ficar parado, vive de música. Quando um do seus grupos, o Handsome Furs, chegou ao fim neste ano, o vocalista se viu em uma encruzilhada. O seu grupo principal, Wolf Parade já havia entrado em um hiato indeterminado no ano anterior, e agora o músico estava “desempregado”. O que fazer? Chamar um amigo bacana, tipo o Britt Daniel vocalista do importante Spoon e criar um novo grupo, o Divine Fits, com o baterista Sam Brown da New Bomb Turks. “Supergrupo indie é criado” disseram os mais sensacionalistas, músicas foram soltadas aos poucos e muita expectativa foi gerada a partir do anúncio do grupo. A Thing Called Divine Fits marca o início da banda.

Tanto Dan quanto Britt tem vocais bem característicos e, quando alternados durante o disco, funcionam muito bem. O primeiro single, My Loves is Real, tem Dan cantando “meu amor é verdadeiro até que ele acabe”, com uma música construída com muitos sintetizadores mesclados e com sua levada cadenciada que consegue capturar o ouvinte. Flaggin A Ride coloca o líder do Spoon, Britt Daniel, pela primeira vez no comando. A voz de Britt se destaca na canção, e poucas vozes são tão sinceras como a desse sujeito. Canção cadenciada também, tem o refrão como auge e lembra muito canções do Spoon. What Gets You Alone começa a agitar o álbum com uma bateria frenética, constante, e vai progredindo com alguns instrumentos sendo introduzidos aos poucos, até que no último terço da canção, explode. Tem cheiro de Wolf Parade.

O início do segundo single, Would Not Be Nice, é quase um excerto de alguma obra do Spoon. Baixo bem encaixado com a bateria e a voz de Britt ecoando pela música tem nos sintetizadores lisérgicos o melhor tom desta canção mais viajada. Certamente um dos momentos mais altos do disco. The Salton Sea faz os ouvidos vibrarem com Dan cantando bem devagar ao mesmo tempo que é acompanhado por uma bateria bem alto e sintetizadores que parecem levar a cabeça do ouvinte a diferentes lugares. Baby Get Worseé a primeira canção que parece ser feita como um grupo pois, ao mesmo tempo que coloca uma bateria e condução característicos do Spoon, põe Dan e Britt alternando nos vocais, criando uma identidade pela primeira vez do Divine Fits.

Toda construída no violão, Civilian Stripes, é relativamente simples, com uma pequena duração e, ao mesmo tempo que destoa do disco, não o prejudica. Mais uma vez, vemos uma unidade na banda com For Your Heart, uma canção que lembra bem os anos 80 com uma levada eletrônica mais soturna e a guitarra de Britt dando o toque especial nos momentos certos. Shivers dificilmente não estará na sua playlist de músicas para escutar na estrada. Apesar de melancólica, imagens de campos verdes com um sol escaldante vem à cabeça logo na primeira escutada. E o refrão, nesta música cantada pelo vocal do Spoon, cria o vínculo necessário com uma canção desse porte quando este quase se mata para cantar “down my spine”.

Ice Cream é feliz, com belos backing vocals em uma canção que combina com o verão, assim como seu nome sugere. Deveria ser escutada em um passeio na ciclovia de qualquer praia. Neopolitans não flui como o esperado, sendo o momento mais insosso da obra. Bem calma, a canção tenta explodir em alguns momentos mas sem realmente causar nenhum impacto.

Com os membros que tem, dificilmente o Divine Fits faria algo que não fosse notável. A medida que o disco vai rodando na vitrola, vemos que as canções cantadas por Dan lembram muito Wolf Parade e Handsome Furs, enquanto as feitas por Britt são quase o Spoon. Entretanto, quando a banda foge um pouco à regra e mistura suas referências, algo original é criado e, por fim, o grupo acaba causando uma boa impressão em sua estreia. Talvez quando o alvoroço em torno do primeiro disco diminuir, os membros consigam fugir um pouco do básico em mais momentos e realmente façam um álbum que seja o Divine Fits e não uma mistura de excertos de outros projetos. Mas, por enquanto, o som do disco agradará qualquer fã de Spoon, Handsome Furs, Wolf Parade ou de um bom Indie Rock.

1,602 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Wolf Parade, Spoon
ARTISTA: Divine Fits
MARCADORES: Indie Rock, Synthpop

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.