Resenhas

Ellie Goulding – Halcyon Days

Álbum completa com mais 9 faixas o lançado em 2012 e confirma aproximação da cantora no Pop mostrando som menos emotivo e conceitual

 4,940 total views

Ano: 2013
Selo: Polydor
# Faixas: 21
Estilos: Electropop, Synthpop, Dream Pop
Duração: 79"
Nota: 3.0

Quase um ano foi o que separou Halcyon do último álbum que Ellie Goulding libera aos fãs agora. Halcyon Days vem com nove músicas, algumas inéditas e com algumas colaborações. Mas não só isso. O álbum, com 21 faixas, ao todo, traz consigo o fardo do antigo lançamento para provar certa comparação entre águas que passam de um ano para outro e fica claro. Ellie agora não é uma artista que faz parte da cena hype-quase-que-anônima e isso aparece para o mundo. Foram onze meses que moldaram a cabeça da cantora para outras influências e pode sim frustrar os antigos fãs.

Iniciando com uma faixa já muito conhecida, Burn tirou Ellie Goulding de vez do anonimato e botou no limbo mainstream, depois da ajudinha de “Lights”. Depois de I Need Your Love, em parceria com Calvin Harris, a cantora quis emplacar ainda mais sua permanência nas rádios e tentou a mesma fórmula com Stay Awake. Em parceria com o jovem produtor Madeon, a música brinca no 8-bit disfarçado do produtor com uma roupagem Pop para ir para pista de dança e ser melhor aceita na cena. Mais uma que pode trazer bons frutos para nova fase da cantora, mas que a distancia ainda mais de seus verdadeiros atributos. É possível enxergar, inclusive, uma tentativa (quase que sem ambição) de trazer boas referências como a produção experimental de Goodness Gracious, que logo ganha uma roupagem infantil e pobre, You My Everything, lançada na premiere da série Skins, com estrutura Drum’n’Bass bem comercial, trazendo de forma mastigada para ser melhor aceito ou Under Control com seu Soft-Dubstep. Essa última talvez uma das mais interessantes do registro, não só pela forma como é levada a música, mas pelo fio de esperança que a cantora bota na letra, preferindo uma veia de superação a uma de drama. Esse é o novo tom de Halcyon Days.

Não que não haja bons condutores de sentimento. Heart Without Chains vem com um pedaço de seu tradicional apelo emotivo amaciado no piano, mas nada comparado ao que foi feito em I Know You Care ou Dead in The Water, do último álbum. Chega a ser estranho ver Ellie cantar o que é claramente uma baladinha romântica de restaurante. O cliché de How Long Will I Love You cai bem nela, todo mundo sabe, mas é estranho perceber que a cantora chegou no nível máximo de estereótipo Pop que ela poderia mesmo saindo de um poço de referência como o começo de sua carreira. Para fechar, um cover de Alt J. Quem diria que um cover seria um do top 3 de Halcyon days? Ao que tudo indica, ela não quis estragar o grande ganho que Alt J teve com An Awesome Wave, e preferiu trazer saxofone a uma estrutura eletrônica marcada que casou perfeitamente. Tessellate é macia, suave, mostrando uma delicadeza incrível com o vocal de Ellie.

Halcyon Days vem quando a cantora já se sente segura. Segura quanto sua carreira, agora é hora de crescer ainda mais, mostrar a cara que ela quer dar ao seu nome. Segura quanto pessoa, o lirismo traz um tom esperançoso em suas produções, saindo de um tom arrastado e sentimental antes que agora se mostra menos preocupado e mais superado. Ela saiu de “Baby I’m on my knees”, de Only You, para But your love was never the missing key”, de Under Control, sua produção sai mais despretensiosa, mais leve. Apesar disso, conhecendo bem o potencial que Goulding tem, o novo lançamento se mostra pobre e superficial em relação ao primeiro. Além de mostrar mais possibilidades de hits como foi com Anything Could Happen, Hanging On, Figure 8 e Halcyon, também vem com mais referências sem preocupação de virar música de rádio, ou seja, mostra mais versatibilidade em gêneros que nasceram a cantora, desde o Dubstep aos dotes no piano e violino que sempre a acompanharam. O novo lançamento não agrada quem conheceu a cantora, quem sabe onde ela pode chegar e como pode surpreender. Até as lentinhas perdem no quesito “emoção” em relação ao registro inicial.

Mas como julgar como pobre um lançamento que tem que carregar consigo uma estrutura superficial por ser Pop? E se for essa a intenção de Ellie? A cantora roubou espaços que antes eram de cantoras como Lady Gaga e Lana Del Rey nos charts ingleses. Agora parece que Ellie prefere continuar no topo mesmo que com uma proposta limitada a ter a admiração do underground. Quem viu em Ellie uma possibilidade de ter uma delicadeza cheia de boas influências vai ter que ficar ouvindo os antigos álbuns. Halcyon Days é uma extensão Pop de Halcyon, algo menos conceitual e mais mastigado. Infelizmente menos conceitual e mais mastigado.

 4,941 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Robyn, Little Boots, Feist

Autor:

Publicitário que não sabe o que consome mais: música, jornalismo ou Burger King